Rio Ônibus alerta sobre risco de paralisação total dos ônibus municipais

Para voltar para casa nesta quinta-feira, 24 de maio de 2018, os passageiros já enfrentam dificuldades.

Segundo o sindicato das empresas de transporte público do Rio de Janeiro, apenas 57% da frota estava em circulação até o meio desta tarde

JESSICA SILVA PARA O DIÁRIO DO TRANSPORTE

O Rio Ônibus, sindicato das empresas de transporte público do Rio de Janeiro, alertou sobre o risco de paralisação total do sistema de ônibus municipais. Para voltar para casa nesta quinta-feira, 24 de maio de 2018, os passageiros já enfrentam dificuldades.

De acordo com o Rio Ônibus, até o meio da tarde, apenas 57% da frota estava circulando na cidade. “Com as manifestações que vêm sendo promovidas em todo o país pelos caminhoneiros contra a política de preços de combustíveis adotada pela Petrobras, as empresas de ônibus estão sob o risco iminente de falta total de combustível” – informou o sindicato, em nota.

“As empresas consorciadas estão empenhando todos os esforços para que a população não seja prejudicada, chegando até a abastecer os coletivos em postos de gasolina comuns, em muitos casos, mesmo com o preço do óleo diesel superior ao habitual. Porém, os recursos estão cada vez mais escassos” – conclui a nota do Rio Ônibus.

Nesta tarde, dos 440 veículos da frota do BRT, apenas 187 ônibus circularam nos corredores Transoeste e Transcarioca.

As estações do BRT que ficam entre o Fundão e Madureira (Zona Norte), e no eixo da Av. Cesário de Melo, em Campo Grande (Zona Oeste), foram fechadas. Ao todo foram 39 estações sem funcionamento nesses dois trechos. O sistema tem 135 ao todo.

A Fetranspor, federação que representa as empresas de ônibus do Estado diz que a estimativa de algumas empresas operarem com apenas 30% da frota.

Confira a situação dos ônibus em outras cidades brasileiras afetadas pela greve dos caminhoneiros:

Frota reduzida de ônibus, rodízio suspenso em São Paulo, bloqueio em vias urbanas e rodovias. Acompanhe em tempo real o 4º dia de greve dos caminhoneiros

 

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta