Projeto estimula a leitura nos ônibus de Porto Velho

Foram reunidos 1.500 exemplares, que começam a ser distribuídos em diversas linhas do sistema a partir desta terça.

Iniciativa do Consórcio SIM, lançada nesta terça-feira, tem como pilar a doação de livros

JESSICA SILVA PARA O DIÁRIO DO TRANSPORTE

Para muita gente, o ônibus é um ótimo lugar para ouvir música e ler um bom livro. O Consórcio SIM, em Porto Velho (RO), criou um projeto que une o transporte público com o hábito de conhecer boas histórias por meio de páginas escritas, o “Viajando na Leitura”.

O projeto, lançado nesta terça-feira, 15 de maio de 2018, tem como principal objetivo estimular a troca de livros dentro do ônibus. Com isso, será promovida a integração entre os passageiros e a participação da sociedade.

“A ideia dessa fase do projeto é aumentar a cultura da leitura e da busca por novos conhecimentos por parte da população, estimular a troca de livros dentro do ônibus, a integração entre os passageiros e a participação da sociedade nesse projeto, que pode ajudar levando livros para a leitura” – informou o Consórcio SIM, em nota.

Há três meses, o consórcio está envolvido em campanhas de humanização, com adesivagem de mensagens positivas nos ônibus, e de estímulo à leitura.

A diretora executiva do Consórcio SIM, Elizabete Barufaldi, explica que a ideia surgiu dentro das etapas da campanha de humanização no transporte público. “Por termos um público bem heterogêneo, entendemos que desta forma podemos contribuir para ampliar a cultura da leitura, aguçar a curiosidade e motivar positivamente muitas pessoas”.

DOAÇÕES

Em abril, o Consórcio SIM realizou uma campanha interna de arrecadação de livros com os funcionários do Grupo Rovema. Com isso, foram reunidos 1.500 exemplares, que começam a ser distribuídos em diversas linhas do sistema a partir desta terça.

Qualquer pessoa, empresa ou instituição pode doar, basta apenas entregar os livros na loja do SIM, que fica na Avenida Carlos Gomes, ou mesmo nos próprios ônibus.

“O sucesso do projeto depende do envolvimento da comunidade, pois a distribuição será gratuita, o passageiro pode levar o livro para casa para continuar a sua leitura, porém precisamos que haja a troca para que outras pessoas possam também viajar pelos mais diversos mundos criados pela leitura” – ressalta Barufaldi.

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta