Rio Branco, no Acre, convoca Conselho para discutir reajuste da tarifa de ônibus

Ônibus da Viação Via Verde Foto: site ac24horas

O último reajuste ocorreu em fevereiro de 2017, com a tarifa integral saltando de R$ 3,00 para R$ 3,50

ALEXANDRE PELEGI

A prefeitura de Rio Branco, capital do Acre, vai discutir na próxima quinta-feira, dia 3 de maio, pedido do Sindicato de Empresas de Transporte Coletivo do estado (Sindcol) solicitando atualização da tarifa do Sistema Integrado do Transporte Urbano do município (SITURB).

O Conselho de Transportes de Rio Branco foi convocado pelo superintendente da RBTrans – Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito, Gabriel Forneck, para iniciar os debates sobre o assunto.

Nesta segunda-feira, dia 30 de abril, a prefeitura publicou decreto no Diário Oficial que disciplina a composição e funcionamento do conselho tarifário. Entre os temas abordados, estão os prazos e trâmites para avaliação e aprovação das solicitações de aumento das tarifas.

O Conselho de Transportes conta representantes das empresas e sindicatos do setor de transporte, entidades de representação estudantil, da união municipal das associações de bairros e dos conselhos de Contabilidade e Engenharia.

O valor da nova tarifa reivindicada pelas empresas não foi revelado, Segundo Gabriel Forneck, o documento entregue pelo sindicato das empresas fala das cláusulas contratuais que garantem o reequilíbrio da tarifa a cada 01(um) ano.

Duas entidades com assento no Conselho de Transportes de Rio Branco já se manifestaram contra qualquer reajuste na tarifa dos ônibus municipais: a União das Associações de Moradores de Bairros e o Diretório Central dos Estudantes da Ufac.

O valor atual da tarifa de ônibus em Rio Branco é R$ 3, 50. Estudantes pagam R$ 1.

O último reajuste ocorreu em fevereiro de 2017, com a tarifa integral saltando de R$ 3,00 para R$ 3,50. Na verdade, o Conselho autorizou o aumento de R$ 3 para R$ 3, 80 (R$ 1, 90 estudantil), mas a Câmara Municipal de Rio Branco autorizou a prefeitura a subsidiar 30 centavos no valor da passagem normal e 90 centavos na tarifa estudantil. A medida foi possível graças à Lei da Subvenção à tarifa, aprovada a pedido da Prefeitura. A Lei prevê que a prefeitura pague a diferença da passagem com o dinheiro recolhido do ISS e da outorga das empresas de ônibus.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta