Ônibus voltam a ter placa de itinerário em Juiz de Fora

Letreiros foram retirados em fevereiro

Settra informou que os letreiros tinham sido retirados para serem adequados ao novo padrão de layout

JESSICA SILVA PARA O DIÁRIO DO TRANSPORTE

Os ônibus voltaram a ter placa de itinerário em Juiz de Fora, no interior do estado de Minas Gerais. Os letreiros tinham sido retirados em fevereiro para serem adequados ao novo padrão de layout, segundo informações da Settra (Secretaria de Transporte e Trânsito).

Segundo informações do G1, a lei de 24 de fevereiro que determina a afixação das placas com os itinerários já está sendo cumprida. Os Consórcios Integrados de Transporte Urbano informaram que a maioria dos veículos já opera dentro dos requisitos.

A frota do transporte coletivo de Juiz de Fora conta com 603 ônibus. Ao todo, são 1.649 motoristas e 1.538 cobradores, de acordo com dados repassados pela Secretaria de Transporte e Trânsito ao G1.

O material, o tamanho, as cores e a letra que estão na placa com o itinerário são estabelecidos por meio de um decreto. O G1 informou que as Concessionárias do serviço tiveram prazo de 60 dias para o cumprimento das regras.

A Settra precisa estabelecer as vias de circulação que farão parte do itinerário informado, sempre no sentido Centro-Bairro, conforme determinação do decreto vigente.

A assessoria do Cinturb informou que todas as mudanças entram no processo de manutenção dos veículos e que não há um custo geral.

O Sinttro (Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário do Município de Juiz de Fora) disse ao G1 que “toda iniciativa que visa instruir e dar mais comodidade para os usuários é bem vinda e tem o apoio do sindicato”.

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. João Batista disse:

    Essas placas laterais não valem nada! Cidades que colocam isso é puramente pra atender uma parte política! Política devia ser proibido nos transportes! Hoje já existem varias tecnologias para substituir as placas! Não sei se é o caso de Juiz de Fora! Deviam cobrar a tecnologia e não esse retrocesso de placas! Absurdo

Deixe uma resposta