Operação resulta em quatro prisões por propina de R$ 6 milhões para manter concessões no Mato Grosso

A sede da Ager (Agência Estadual de Serviços Públicos) foi um dos alvos da operação

Um dos presos foi o empresário e presidente do Sindicato das Empresas do Transporte Rodoviário Julio Cesar Sales Lima

JESSICA SILVA PARA O DIÁRIO DO TRANSPORTE

Uma operação da Defaz (Delegacia Especializada de Combate aos Crimes Fazendários) resultou em quatro prisões no Mato Grosso nesta quarta-feira, 25 de abril de 2018. A ação é contra fraudes nas concessões do sistema intermunicipal de transporte do estado.

De acordo com informações do portal MidiaNews, foram nove ordens judiciais cumpridas e quatro mandados de prisão. Um dos presos foi o empresário e presidente do Sindicato das Empresas do Transporte Rodoviário Julio Cesar Sales Lima.

A sede da Ager (Agência Estadual de Serviços Públicos) foi um dos alvos da operação, assim como o ex-presidente da agêndia, Eduardo Moura. As empresas Viação Xavante e Verde Transportes também estão sendo investigadas.

O diretor financeiro da Verde Transportes, Max William de Barros Lima, também estaria entre os investigados, conforme informações do MidiaNews. O portal tentou contato com o sindicato, que não quis falar sobre o assunto. A operação está sob segredo de Justiça.

É possível que a investigação seja fruto de um dos trechos da delação de Silval Barbosa, ex-governador, que citou um esquema para prorrogar a concessão dos serviços de transportes intermunicipais. A moeda de troca seria uma propina no valor de R$ 6 milhões, paga em 60 meses.

Segundo Barbosa, teria sido feito um adiantamento de R$ 400 mil, pelo presidente da Verde, Eder Augusto Pinheiro. O empresário foi conduzido para prestar depoimento na Defaz, na manhã desta quarta-feira.

O caso teria sido arquitetado, segundo Silval, pelo ex-procurador Francisco Gomes de Andrade Lima Filho. Os empresários do setor sofriam a pressão de um Termo de Ajustamento de Conduta firmado entre o Ministério Público e o Estado em 2012, de acordo com informações da Folhamax.

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta