Sindicato das Empresas afirma que não tem dinheiro para repor ônibus incendiados em Belo Horizonte

Crime ocorreu no bairro Piratininga, na Região de Venda Nova, em 16 de abril

Desde 12 de abril, sete coletivos foram queimados na capital e na Região Metropolitana

JESSICA SILVA PARA O DIÁRIO DO TRANSPORTE

O Setra-BH (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte) afirmou que não tem dinheiro para repor os ônibus que foram incendiados na capital e na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Desde 12 de abril de 2018, foram sete coletivos incendiados.

Segundo o sindicato, um ônibus convencional queimado representa um prejuízo de R$ 400 mil. O sindicato informou que não há seguro para esse tipo de crime. O último registro de incêndio a ônibus foi nesta segunda-feira, 16 de abril de 2018. O ônibus incendiado operava a linha 617 (Estação Pampulha/Piratininga via Rio Branco) no bairro Piratininga, na Região de Venda Nova.

Relembre: Belo Horizonte tem mais um ônibus queimado na Região Metropolitana

O Setra-BH alega ainda que os custos de operação aumentaram e o valor das passagens não foi reajustado em dezembro de 2017, o que também compromete a situação financeira da empresa.

O prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil afirmou, por meio de uma rede social, que não teria aumento das tarifas até que a fosse aberta a “caixa-preta” da BHTrans (Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte).

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. SDTConsultoria em Transportes disse:

    A situação está s tornando INSUSTENTÁVEL . Algumas capitais e grandes cidades serão penalizadas e a população será a maior prejudicada. O que nossos governos estão fazendo para coibir nestas ações ?

Deixe uma resposta