Licitação do transporte público de Campinas prevê ampliação de integração

Publicado em: 21 de março de 2018

Licitação será realizada em maio. Foto: Fernando Martins

Prefeitura pretende ampliar linhas noturnas para funcionamento durante 24 horas

JESSICA SILVA PARA O DIÁRIO DO TRANSPORTE*

*Com informações do G1

O lançamento do edital da nova licitação do transporte coletivo de Campinas está previsto para maio de 2018. De acordo com informações da Secretaria de Transportes, a integração será ampliada, possibilitando o uso de mais de um ônibus com uma passagem, dentro de duas horas.

“Vamos ampliar a integração para ter mais oferta aos diversos estilos, vamos possibilitar mais quantidade de transbordos. É uma forma de tornar a viagem mais ágil e mais rápida” – disse o secretário de Transportes, Carlos José Barreiro, em entrevista ao G1.

A Prefeitura também pretende ampliar as linhas noturnas e prover atendimento 24 horas. Além disso, o edital prevê uma manutenção na tarifa do sistema para quem usa Bilhete Único. Atualmente, o preço da passagem está em R$ 4,30.

Nesta quarta-feira, 21 de março, foi realizada uma audiência pública no Salão Vermelho da Prefeitura. Após a reunião, um tempo será disponibilizado para a contribuição dos passageiros. Em seguida, o edital será lançado ao mercado pela Prefeitura.

OUTRAS MUDANÇAS

Entre as mudanças previstas para a nova concessão, também está a implantação de uma área branca na região central. No local, será permitido apenas a circulação de veículos que não poluem o meio ambiente.

Também está prevista a criação de seis Áreas de Operação Preferencial, com um número de linhas, frota e passageiros melhor equilibrados. Serão criadas ainda opções de deslocamentos perimetrais, para otimizar as linhas radiais.

Entre as exigências para a frota, está a total acessibilidade nos veículos. Os ônibus também deverão ser equipados com com Wi-Fi, CFTV (Circuito fechado de televisão), AVL (Automatic Vehicle Location, ou seja, Localização Automática De Veículos, interface de comunicação com o motorista, e preparados para instalação de painéis eletrônicos de comunicação externa, além comunicação por áudio sobre a próxima parada e PMV (Painel de Mensagem Variável).

HISTÓRICO

Está prevista para o mês de maio a nova licitação do sistema de transporte coletivo de Campinas. Estimativas da própria prefeitura apontam que o novo sistema exigirá cerca de R$ 7 bilhões de investimentos.

Para se ter ideia da magnitude do novo processo, o edital da última licitação (realizada em 2005) exigiu investimentos da ordem de R$ 3,2 bilhões para o período de 15 anos.

A licitação dos transportes coletivos de Campinas deveria ter sido iniciada em março de 2016, mas passou por três adiamentos desde então. A proposta original é abrir a possibilidade de entrada de novas empresas de ônibus e reestruturar o sistema.

O atual contrato com as empresas de ônibus remete ao ano de 2005, mas foi considerado irregular pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo – TCE que julgou a licitação ilegal. No entendimento dos conselheiros, houve restrição à concorrência, por meio da capacidade técnica no julgamento da licitação pelos técnicos da prefeitura, usada como critério de desempate.

Como o atual contrato de concessão só findaria em 2020, a prefeitura de Campinas decidiu antecipar o processo de escolha das empresas que assumirão os serviços de transporte na cidade.

A primeira audiência pública sobre o edital de licitação já está marcada, e será conduzida pela Emdec, empresa que regula o sistema de transporte em Campinas, no próximo dia 21 de março de 2018. O encontro servirá para debater as propostas que devem fazer parte do edital.

Como antecipado por Carlos José Barreiro, atual secretário de Transportes de Campinas e presidente da EMDEC em entrevista ao Diário do Transporte, em maio de 2017, a concorrência vai prever que a região central tenha os menores impactos ambientais possíveis pela operação dos serviços. Para isso, ele afirmou, será criada a “Área Branca”, por onde só circularão ônibus elétricos. Confira:

https://diariodotransporte.com.br/2017/05/26/entrevista-campinas-tera-so-onibus-eletricos-na-regiao-central-garante-secretario/

A Emdec prevê ainda criar a Rede Estrutural, ligando os eixos de transporte do BRT com a Área Branca, utilizando também veículos com zero emissão de poluentes.

Além disso, o edital propõe estabelecer limite de velocidade ao perfil da via, em sua maioria 50 km/h. Outras propostas, como a ampliação da rede noturna (com linhas funcionando 24 horas) e a requalificação da frota, farão parte do novo edital da licitação.

A requalificação da frota prevê o investimento em modernas tecnologias, como Wi-Fi a bordo dos ônibus, circuito fechado de monitoramento por câmeras e sistemas  de localização dos veículos.

Outra exigência prevista no edital diz respeito à acessibilidade em todos os ônibus da frota; ônibus articulados com piso baixo; câmbio automático; motorização silenciosa e ar-condicionado.

O prazo de concessão é de 15 anos.

No momento o sistema de transporte em Campinas é operado pela VB Transportes e Turismo Ltda., Consórcio Concicamp – integrado pela empresas Itajaí Transportes Coletivos Ltda., Expresso Campinas Ltda., Onicamp Transporte Coletivo e o Consórcio Urbcamp.

Leia mais em Campinas marca primeira audiência pública da nova licitação do sistema de transporte coletivo

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta