Em resposta à divulgação de listas de linhas que podem ser cortadas, SPTrans diz que haverá diálogo

Número de baldeações vai aumentar para 5% dos passageiros, estima Secretaria de Mobilidade e Transportes

45Com todas as mudanças propostas, o total de linhas em três anos deve cair de 1.335 linhas para 1.187 itinerários

JESSICA MARQUES PARA O DIÁRIO DO TRANSPORTE

No início da semana, o Movimento Passe Livre divulgou uma lista com mais de 200 linhas de ônibus municipais que seriam extintas na cidade de São Paulo. O link (https://saopaulo.mpl.org.br/2018/02/26/comparativo-licitacao1/) foi amplamente divulgado nas redes sociais e causou preocupação aos usuários de transporte público que tiveram acesso ao texto, principalmente aos que utilizam as linhas citadas no levantamento.

De acordo com a publicação do MPL, a nova licitação de ônibus municipais de São Paulo, cujos contratos devem ser de, no mínimo, 15 anos, vai obrigar a população a fazer “mais baldeações”, por isso a extinção de tantas linhas.

O grupo aponta que 40% dos itinerários serão extintos ou cortados, deixando de atender a população. Entre as linhas que podem ser extintas na nova licitação, foram citadas a 1012-10 (Term. Jd. Britânia – Jd. Monte Belo), 2666-21 (Jd. Camargo Velho – Term. Parque Dom Pedro II), 3020-10 (Vila Cosmopolita – Shop. Aricanduva) e 3023-10 (Shop. Aricanduva – Pq. São Rafael), por exemplo.

Quando houve a apresentação das minutas do edital em dezembro do ano passado, a Prefeitura afirmou ao Diário do Transporte que fará uma redução nas linhas para cortar sobreposições, mas que a oferta do transporte não será prejudicada. Atualmente, São Paulo conta com 1.335 linhas.

A intenção da Secretaria de Mobilidade e Transportes é manter 710 linhas da rede atual. Outras 260 linhas serão unificadas, 283 passarão por alterações e 44 linhas inéditas serão criadas. Com todas as mudanças, o total de linhas em três anos deve cair para 1.187 itinerários.

Sobre as críticas divulgadas nas redes sociais pelo MPL, a Secretaria de Mobilidade e Transportes afirmou que a consulta pública para as mudanças ficará aberta até segunda-feira, 5 de março, e que a proposta de readequação na rede será feita após diálogos com todos os setores da sociedade.

Confira a nota da STM na íntegra:

A SMT esclarece que está em consulta pública, até o dia 05/03, uma minuta do futuro edital de licitação de ônibus na cidade de São Paulo. Neste momento, o que existe é uma proposta de readequação da rede, que prevê ônibus chegando em mais ruas da cidade e com maior oferta de lugares na frota, atendendo melhor a população. Somente depois de esgotadas todas as análises de questionamentos e sugestões nessa fase de consulta é o que o edital definitivo será publicado.

A Secretaria de Mobilidade e Transportes (SMT) e a SPTrans seguem abertas ao diálogo com todos os setores da sociedade com o objetivo de construir um sistema municipal de transporte mais eficiente, confiável e confortável aos passageiros.

Vale ressaltar que as mudanças propostas em linhas só serão implantadas a partir de seis meses da assinatura dos novos contratos, com prazo para conclusão de três anos. Tudo será feito de forma gradativa e os passageiros serão avisados com antecedência por meio dos canais de comunicação da SPTrans.

Ainda assim, a SPTrans continuará acompanhando a dinâmica da cidade, como já faz, e, mesmo após a assinatura dos contratos, se for constatada necessidade de ajustes na operação dos ônibus, ou na rede projetada de linhas, eles serão realizados.

A minuta de edital está disponível no site www.sptrans.com.br/edital.

Leia também:

https://diariodotransporte.com.br/2018/03/01/smt-de-sao-paulo-acredita-em-motivacao-eleitoral-na-representacao-de-entidades-ao-cade-contra-licitacao-dos-onibus-na-cidade/

Jéssica Marques, para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Lennon G. Bueno disse:

    Diálogo para reafirmar que as linhas serão cortadas?! O diálogo deveria ter ocorrido ANTES do anúncio do cortes, mas como esse é o país do eufemismo fica nessa de “diálogo”, “reajuste” e “modernização”…

  2. São Paulo, (sexta-feira) 2 de março de 2018.
    Á
    SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES – SMT
    smtcel@prefeitura.sp.gov.br – a/c Sr. Marcelo José Brandão Machado

    São Paulo Transportes S. A. – SPTRANS
    sac@sptrans.com.br – a/c Sr. José Carlos Nunes Martinelli

    Prezados Senhores:
    Parece que os nossos administradores da SMT estão muito preocupados com o bem-estar da população paulistana. Realmente, parece que os “técnicos em transporte” nunca andaram nos ônibus que eles controlam. Parece que estão descobrindo a “roda” de uma forma diferente de rodar. A experiência adquirida ao longo do tempo, não foi o suficiente para ver onde estão os problemas do transporte público.
    Muitas linhas estão com itinerários longos e que podem ser cortadas. Conforme sugestão que fiz para a antiga Linha 8171/10 – Perus / Pinheiros da Cooperativa Fênix e que a SMT criou duas linhas a 199D/10 – Vila Iório / Pinheiros da Santa Brígida e a 1017/10 – Perus / Vila Iório da Spencer. Agora a linha 1017/10 será extinta, como ficam os passageiros dessa linha?
    Também a linha 1034/10 – Vila Iório / Vila Iara será extinta, como ficarão os passageiros dessa linha?
    Não houve nenhum comunicado para que os passageiros dessas linhas se programassem, como nas demais linhas extintas e reprogramadas com cortes do percurso. Será que os técnicos darão explicações detalhadas?Ou a população terá que procurar através dos meios disponíveis?
    A solução dos transportes públicos é uma questão de cada região. Querem fazer um macro projeto para uma grande cidade e adaptar os tópicos como se fossem iguais em todo o território da nossa capital.
    A população estava se adaptando com os terminais construídos há menos de cinco anos com itinerários definidos, agora querem fazer uma licitação com alteração para que nos ajustemos às regras de um regulamento que certamente vai prejudicar toda uma população ordeira.
    O transporte público não é luxo para a população, é uma necessidade diária, precisamos de menos intervalos entre as partidas, com isso teremos mais ônibus com menos lotação de passageiros nos pontos e nos ônibus, haverá mais segurança para os usuários.
    Sugerimos que os projetos sejam “regionalizados” para atendimentos específicos.
    Atenciosamente,
    Jayme Pereira da Silva
    jaymensagens@globo.com
    http://www.jaymesilva.com.br

  3. Jeová Luiz Ferreira dos Santos disse:

    Dentre as linhas a serem extintas, a linha 6291-10 não pode e não deve entrar nesta lista. Pois a mesma não congestiona nenhum corredor, exceto o que já se dirige ao ponto final do terminal. Por onde todas as linhas que para ali se dirigem tem que passar.
    Fora isso, o trajeto é, totalmente livre, e não atrapalha em nada.
    Não conseguimos ver motivos para tal decisão.

Deixe uma resposta para Jeová Luiz Ferreira dos Santos Cancelar resposta