Exportações de ônibus e caminhões da MAN crescem 31% em 2017, diz fabricante

Ônibus com chassi 17.230 OD, carroceria Marcopolo, do Brasil para Costa Rica (Foto Ilustrativa) - Clique na imagem para ampliar

Argentina continua sendo o maior mercado da empresa.

ADAMO BAZANI

Apesar de o mercado interno de veículos comerciais de grande porte começar a ter registros de números positivos depois de uma sequência de três anos no vermelho (Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2018/01/05/producao-de-onibus-cresce-105-em-2017-e-industria-de-veiculos-volta-a-contratar-urbanos-puxam-alta/ ), as exportações foram fundamentais para que a produção da indústria de ônibus e caminhões não ficasse próxima do negativo.

Levando em conta a principais fabricantes de pesados do país, de acordo com a Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, em relação aos caminhões já montados, o ano de 2017 fechou em alta de 31,3%, comparando com 2016, somando 28.288 unidades.

Já as exportações de ônibus, considerando todas as marcas, registraram queda: 6,4% a menos de embarques em 2017, com 9.137 veículos, na comparação com as 9.765 de 2016.

Algumas fabricantes destacaram o maior volume de vendas para o exterior.

É o caso da MAN-Volkswagen Caminhões & Ônibus.

A fabricante diz que suas exportações de veículos pesados subiram em 2017, 31%, com 8.479 embarques. No ano de 2016, foram exportados 6,5 mil veículos da marca.

Os principais modelos fabricados na planta de Resende, no Rio de Janeiro, e que foram comprados por empresas de outros países são o VW Constellation 17.280, caminhão que lidera as vendas na Argentina, segundo a montadora, e os Volksbus 17.230, 15.190 e 18.280 Low Entry.

É justamente a Argentina o maior mercado consumidor da marca: 3.882 embarques, alta de 57,5% em relação aos 2.464 de 2016. O Uruguai comprou 224 unidades. A MAN Latin America diz que é líder naquele país.

México e Chile, como ônibus e caminhões, e Bolívia, onde os caminhões VW lideram o mercado de transporte de bebidas, também foram destacados pela empresa, que ainda diz que abriu mais uma concessionária em Assunção, no Paraguai, “onde fica a sede da Diesa, representante naquele país, e dos países da América Central, com a nova estrutura própria de Vendas e Assistência Técnica.”

Em nota, o presidente e CEO da MAN Latin America, Roberto Cortes, diz que a fábrica da MAN no Brasil exporta para mais de 30 países.

“Nossa Engenharia está sediada no Brasil, perto dos maiores mercados da América Latina. É capaz de criar produtos sob medida para os mercados onde atuamos. De nossa fábrica em Resende (RJ), saem veículos completos e kits destinados a mais de 30 países. E os caminhões e ônibus Volkswagen ainda se destacam pelo melhor TCO, o custo total de propriedade” – disse o executivo.

A MAN ainda afirmou que o desempenho em outros países deve crescer em 2018.

Em março, a nova linha de caminhões-leves Delivery vai ser comercializada na Argentina e no Chile.

Em maio, o Delivery passa a ser produzido na planta de Querétaro, no México, segundo país a fabricar a linha de caminhões leves.

No continente africano, começarão a ser vendidos “os caminhões Volkswagen Worker 15.180 e 17.220 montados em Ibadan, na Nigéria, numa parceria da MAN Latin America com o grupo Leventis, importadora local dos produtos da marca Volkswagen Caminhões e Ônibus.”

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: