Curitiba discute eliminar cobradores no sistema de ônibus municipal

Foto: Sindimoc

Pelos cálculos da prefeitura, 53% da planilha de custos do sistema de transporte representa a folha de pagamento de motoristas e cobradores

ALEXANDRE PELEGI

Como em diversas cidades do país, Curitiba também discute reduzir custos de olho na figura do cobrador. O prefeito Rafael Greca e a Urbanização de Curitiba S/A (Urbs) estão considerando esta possibilidade, onde o cobrador deixaria de ser necessário diante do crescimento da bilhetagem eletrônica.

Pelos cálculos da prefeitura, 53% da planilha de custos do sistema de transporte refere-se à folha de pagamento de motoristas e cobradores.

Demitir todos os cobradores dos ônibus da capital paranaense representa colocar na rua 5 mil trabalhadores. Um dos argumentos utilizados é o de treinar os cobradores para assumirem outras funções. Fala-se na figura do “agente de bordo”, um profissional que auxiliaria o motorista auxiliando idosos e portadores de deficiências, além de informar os usuários, organizar o embarque e desembarque, evitando que o motorista desvie a atenção do volante.

No fundo, a eliminação do cobrador é dada como favas contadas por muitas cidades, como decorrência natural do avanço tecnológico. É o caso de Campinas, onde o dinheiro está praticamente eliminado do interior dos ônibus e a presença do cobrador já é quase uma ficção.

No fundo a questão se resume a reduzir custos e diminuir o impacto na tarifa, reduzindo ao máximo os gastos com subsídios.

Nos últimos dois anos a prefeitura de Curitiba já tomou algumas medidas que reduziram em 10% a quantidade de cobradores. Foi o caso dos micro-ônibus, onde a cobrança é feita apenas com o cartão de transporte, ou seja, 100% eletrônica. Além disso, a prefeitura também tomou as seguintes medidas:

– troca de ônibus grandes por micro-ônibus (sem cobrador) em linhas com poucos passageiros aos fins de semana;

– redução de cobradores em estações tubo com entrada dupla, após às 19h durante a semana e aos fins de semana  (e manutenção de dois cobradores em terminais que antes possuíam quatro ou mais)

A Urbs confirma que a extinção dos cobradores vem sendo discutida há tempos, mas nada deve acontecer a curto prazo.

O Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp), através de nota, que “vê o processo de substituição da função do cobrador como algo natural, afinal isso já ocorre nas cidades brasileiras que possuem os sistemas de transporte mais modernos”. A nota afirma ainda: “o papel das operadoras é oferecer requalificação aos seus colaboradores para que eles sejam profissionais mais capacitados, conquistem cargos mais altos e, portanto, mais bem remunerados e tenham mais segurança no ambiente de trabalho”.

O Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Curitiba e região (Sindimoc) é totalmente contra a eliminação dos cobradores, e sequer cogita a hipótese de se criar a figura do “agente de bordo”. Na última convenção coletiva da categoria uma cláusula homologada na Justiça do Trabalho estipula que não haverá cortes no número de postos de trabalho de cobradores até a próxima convenção coletiva (fevereiro de 2018).

SÃO JOSÉ DOS PINHAIS ELIMINOU COBRADORES E TARIFA CAIU:

Segundo matéria do jornal Tribuna do Paraná, desta segunda-feira, São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), eliminou o dinheiro no interior dos ônibus urbanos da cidade em dezembro de 2015. A partir daí a passagem só pode ser paga com cartão. Com a eliminação dos cobradores o preço da passagem caiu de R$ 2,95 para R$ 2,85. Hoje a tarifa em Curitiba custa R$ 4,25, e a dos ônibus que transitam dentro da cidade metropolitana sai por R$ 3,70.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Adair disse:

    Se querem reduzir custos pra que transformar cobrador em agente de bordo….com certeza não farão isso e sim eliminar cada vez mais o número de cobradores

    1. Paulo Gil disse:

      Adair, boa noite.

      Com certeza o “Agente de Bordo” terá um salário 50% menor.

      PREVISIVELLLLLLLLLLLLLLLL.

      Att,

      Paulo Gil

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Esta questão não há mais o que discutir, será igual a profissão de telegrafista ou operador de telex, por exemplos.

    O que os sindicatos tem de lutar é para que os buzões, daqui para frente tenham uma cabine blindada com porta do lado esquerdo para o piloto.

    Isto sim.

    Aliás já devia ter um protótipo rodando para testes há tempos.

    Pensem à frente e não no passado.

    Att,

    Paulo Gil

  3. Diogo Magalhães disse:

    A questão do cobrador no interior dos ônibus penso eu e coisa do passado, nos dias atuais com a tecnologia além de obsoleto a presença do cobrador ajuda a aumentar o número de assaltos a ônibus, não que sem este profissional a violência no interior dos ônibus despenque 100%, mas inibira é muito a violência nos interiores dos veículos, já que na teoria não teremos a movimentação de dinheiro em espécie nos ônibus, quanto aos empregados, os mesmos poderão ser reaproveitados em outras funções nos terminais, garagens ou até mesmo através de programas de incentivo dentro das empresas para virarem motoristas, assim como aconteceu aqui em Goiânia e região metropolitana, que aliás gostaria de deixar uma sugestão aos responsáveis e repórteres desse excelente blog, já li várias reportagens abordando esse assunto dos cobradores de ônibus e da tecnologia de cobrança de passagem existente, porém nunca li uma se quer citando o sistema de Goiânia como exemplo, uma vez que aqui não temos cobradores nos ônibus a mais de 15 anos, e o sistema de Goiânia foi um dos primeiros a implantar sistema de bilhetagem eletrônica, então fica a dica e o pedido de uma reportagem para mostrar como exemplo o sistema de bilhetagem da região metropolitana de Goiânia, e se quiserem também o sistema de acompanhamento em tempo real dos ônibus, que assim como a bilhetagem, também é um dos pioneiros do Brasil, inclusive com o o consórcio da Rmtc já ter recebido inúmeras visitas de várias partes do país para conhecer o nosso modelo de acompanhamento dos ônibus em tempo real, desde já agradeço e muito obrigado pela atenção.

Deixe uma resposta