Prefeitura de Santo André injetou mais de R$ 3 milhões em jornal de dono de empresa de ônibus nos últimos 4 anos

Polícia Federal em operação no Diário do Grande ABC, em 2016.

Recursos foram em publicidades legais para o Diário do Grande ABC, de Ronan Maria Pinto, que foi preso na Lava Jato

ADAMO BAZANI

Enquanto os vereadores de Santo André, no ABC Paulista, aprovaram projeto do executivo que aumentou o IPTU dos imóveis do município e o prefeito atual Paulo Serra diz que a ordem é apertar os cintos, inclusive fazendo um cerco a devedores de impostos, a prefeitura injetou nos últimos 4 anos, já contabilizando o primeiro trimestre de 2017, mais de R$ 3 milhões ao jornal Diário do Grande ABC, de Ronan Maria Pinto, dono de empresas de ônibus na região.

A revelação foi trazida pelo site da região “Bastidor Político”.

O valor foi informado pela própria prefeitura de Santo André após solicitação do vereador Ronaldo de Castro.

O dinheiro foi para propaganda, matérias publicitárias e atos oficiais da Prefeitura de Santo André. A cidade não tem Diário Oficial do Município próprio.

Todas as publicações oficiais saem no jornal de Ronan Maria Pinto.

Os nomes de Ronan Maria Pinto e de seu jornal, Diário do Grande ABC, voltaram à tona no ano passado após o empresário ser preso por ordem do juiz federal Sérgio Moro, na Operação Lava Jato.

Segundo as investigações da Força Tarefa, envolvendo Polícia Federal, Receita Federal, Ministério Público Federal e Justiça Federal, Ronan foi beneficiário de R$ 6 milhões, que tiveram origem no empréstimo fraudulento do Banco Schahin ao pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O Banco Schahin, ainda de acordo com os investigadores, emprestou para Bumlai R$ 12 milhões. O dinheiro nunca foi pago, mas teria sido direcionado ao PT – Partido dos Trabalhadores. Em troca, o Grupo Schahin recebeu também de forma fraudulenta, de acordo com a Lava Jato, a concessão por US$ 1,6 bilhão da operação do navio sonda Vitória 10000, em contrato com a Petrobrás.

Os investigadores também veem indícios de que os R$ 6 milhões foram destinados para Ronan Maria Pinto com objetivo de o empresário não envolver os nomes do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e dos ex-ministros José Genoino, José Dirceu e Gilberto Carvalho, no assassinato do prefeito de Santo André Celso Daniel, em janeiro de 2002.

A Lava Jato suspeita que, com o dinheiro, Ronan Maria Pinto após um “malabarismo financeiro”, nas palavras de Sérgio Moro, concluiu a compra do jornal Diário do Grande ABC e quitou dívidas com fornecedores de chassis e carrocerias de ônibus.

O empresário de ônibus nega as acusações e diz que todos os recursos foram obtidos de maneira lícita pelas suas atividades empresariais.

Ronan foi preso pela Lava Jato no dia 1º de abril de 2016 e foi liberado no dia 8 de julho do mesmo ano após pagamento de fiança de R$ 1 milhão.

Ronan Maria Pinto usa uma tornozeleira eletrônica.

Em 2 de março de 2017, o empresário de ônibus e dono do jornal Diário do Grande ABC foi condenado a 5 anos de prisão por lavagem de dinheiro, mas responde em liberdade.

Em novembro de 2015, a juíza Maria Lucinda da Costa, da 1ª Vara Criminal de Santo André, condenou Ronan Maria Pinto a 10 anos, 4 meses e 12 dias de prisão por esquema de corrupção envolvendo empresas de ônibus e a Prefeitura em Santo André. As companhias eram obrigadas, de acordo com as investigações, a pagar propinas para o grupo que, além de Ronan, também contava com o empresário, Sérgio Gomes da Silva, o Sombra, que morreu em setembro de 2016 vítima de um câncer, e o ex secretário de finanças, Klinger Luiz de Oliveira.

Já em maio de 2016, o juiz Genilson Rodrigues Carreiro, da 1ª Vara da Fazenda Pública de Santo André, condenou Ronan Maria Pinto a devolver R$ 3,5 milhões ao tesouro da cidade de Santo André por ter se beneficiado desse suposto esquema de corrupção envolvendo as empresas de ônibus.

Também foram condenados a devolver o dinheiro, o Partido dos Trabalhadores , o ex-ministro Gilberto Carvalho, o ex-vereador  e ex-secretário municipal, Klinger Luiz de Oliveira, o empresário Sérgio Gomes da Silva (o Sombra) e o diretor das AESA, a associação que reúne as empresas de ônibus em Santo André, Luiz Marcondes de Freitas Junior.

As defesas dos acusados e familiares estão recorrendo.

Segundo o Ministério Público do Estado de São Paulo, este suposto esquema de corrupção motivou o assassinato do prefeito Celso Daniel, que tinha um dossiê comprovando que parte do dinheiro que era para ser destinado ao PT Nacional, estava sendo desviada para os envolvidos na coleta dos recursos nas garagens de ônibus.

A ligação entre a compra do Diário do Grande ABC e dinheiro fraudulento foi citada pela primeira vez pelo publicitário Marcos Valério, em 2012, em depoimentos do Mensalão, outro escândalo de corrupção no país.

Marcos Valério afirmou que o jornal era usado para pressionar prefeituras do ABC Paulista para Ronan conseguir manter seus negócios na região.

Em várias ocasiões, o jornal se mostrou contra empresários concorrentes .

Um exemplo foi quando houve o polêmico descredenciamento em 2013, da empresa Leblon, do Paraná, que quebrou o monopólio do ex-sócio e parente de Ronan, Baltazar José de Sousa, em Mauá.

O jornal publicou matérias e críticas veementes à empresa paranaense.

O descredenciamento da companhia não foi consenso nem na própria prefeitura, na época da gestão de Donisete Braga, e a procuradoria do município se manifestou contrária ao procedimento, antes de uma auditoria com melhores apurações.

Em 2013, quando foi contratada  emergencialmente a empresa Suzantur, no lugar da Leblon e da VCM – Viação Cidade de Mauá, de Baltazar, o jornal de Ronan Maria Pinto fez matérias positivas e apoios em editoriais, ao início das operações da companhia.

Entretanto após um rompimento de ligação ideológica com grupo da Suzantur, a empresa de ônibus que agora também opera por meio de autorização a região da Vila Luzita, em Santo André, uma das áreas mais cobiçadas por Ronan, tem sido alvo de críticas do jornal do empresário.

A contratação e licitação realizadas em São Caetano do Sul, da Vipe – Viação Padre Eustáquio, também foi alvo de críticas de Ronan.

A Leblon e a Vipe não pertencem ao grupo ligado empresário de ônibus.

Ao longo do tempo, Ronan sempre negou todas as acusações e disse que dá plena liberdade editorial ao jornal Diário do Grande ABC.

A Prefeitura de Santo André não respondeu ao site Bastidor Político sobre a publicidade legal ao jornal do empresário de ônibus.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

4 comentários em Prefeitura de Santo André injetou mais de R$ 3 milhões em jornal de dono de empresa de ônibus nos últimos 4 anos

  1. João Luís Garcia // 3 de julho de 2017 às 18:50 // Responder

    Típica matéria tendenciosa afinal todos sabemos que o Jornal Diário do Grande ABC e o maior Jornal da Região do Grande ABCDM e sendo assim as diversas Prefeituras Municipais e empresas Estatais investem em publicidade para divulgação e informação as populações

    • blogpontodeonibus // 3 de julho de 2017 às 19:11 // Responder

      Tendência em favor de quem? Me explique.
      Você sabia que o ABC tem uma série de veículos como ABC Repórter, TVSC, Repórter Diário, Jornal de Mauá e Região, Rádio ABC, site ABC do ABC, jornal Ponto Final etc, etc, etc que, quando recebem alguma verba da prefeitura, não é proporcional aos seus tamanhos, mas acaba sendo menor? Sabia disso?
      Sabia também que a prefeitura não é obrigada a publicar seu Diário Oficial neste jornal do Ronan Maria Pinto, pois hoje por legislação é possível ter somente a publicação digital? Aliás, só Santo André e São Caetano fazem isso nas SETE cidades da região.
      Então, caro leitor, antes de usar o jargão “tendenciosa”, se informe. Caso contrário, é o típico comentário desinformado.

      • Joao Luis Garcia // 3 de julho de 2017 às 19:25 //

        Juntando-se todos os veículos citados não atingem 1/3 da veiculação que o Diário do Gde ABC tem nos Municípios do ABCDM
        Sim a prefeitura não é obrigada a publicar em nenhum dos veículos citados mas escolhe o Diário do Gde ABC pela sua abrangência e credibilidade, só isso

      • blogpontodeonibus // 3 de julho de 2017 às 19:29 //

        O que?
        O Diário do Grande ABC tem tiragem média de 23 mil por dia.
        Somente o site ABC do ABC tem mais de 50 mil visualizações por dia. A Rádio ABC atinge em torno de 100 mil ouvintes por dia.
        O jornal Ponto Final tem tiragem em torno de 15 mil por semana.
        Assim, quem não atinge os 1/3 de veiculação na região, é o jornal que você cita.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: