Átila promete reforma em terminal de Mauá a partir de maio, Michels continuar negociando cobrança de tarifa integrada em Diadema e Guti pagar permissionários em Guarulhos

Linhas semi-expressas foram destacadas por prefeito de Mauá. Terminal é considerado escuro, pequeno inadequado. Reformas devem começar em maio.

Entrevistas sobre o balanço de 100 dias de gestões na grande São Paulo abordaram mobilidade urbana

ADAMO BAZANI

Mobilidade urbana é um dos principais problemas dos cidadãos na Grande São Paulo, influenciando no acesso a outros serviços básicos, e os prefeitos de cidades importantes da região continuam fazendo promessas sobre o tema.

O G1, portal de notícias da Globo, fez uma série de entrevistas abordando o balanço de 100 dias das administrações municipais. Muitas delas ainda cheia de promessas para melhorar os deslocamentos das pessoas.

Em Mauá, o prefeito Atila Jacomussi, disse que a partir de maio começam as obras de reforma no terminal central, considerado inadequado para a demanda e afirmou que negocia com o Governo do Estado, uma solução para que volte o desconto na integração dos ônibus municipais com os trens da CPTM, mas não deu data para isso. A reforma do terminal será para que provisoriamente o espaço atenda melhor à população, mas o intuito é construir terminais novos na região central, no Itapark e no Zaíra. No entanto, o prefeito não deu previsão de quando isso irá acontecer e disse que permanecem as negociações no âmbito do PAC – Programa de Aceleração do Crescimento.

A unificação das passagens de ônibus na cidade? Ela já começou? Como é que está?

Como eu disse, hoje Mauá tem a tarifa mais barata de ônibus. Enquanto o vale transporte em outras cidades custa R$ 5, hoje em Mauá é R$ 4,70. Enquanto em outras cidades a tarifa social chega a R$ 4,20, em Mauá é R$ 4. Nós já estamos aproximando e durante os próximos quatro anos nós devemos ter aqui a unificação da tarifa. E, também, uma grande discussão junto ao governo do Estado. Mauá é uma cidade de trabalhadores, para nós criarmos novamente a implantação da integração trem-ônibus na cidade. Lógico que é passo a passo.

Inclusive, nós temos uma novidade para a região na questão do transporte que é o Expresso Mauá, uma linha de ônibus inteligente que traz uma economia no percurso de quase 15 minutos para o trabalhador. Então, você imagina o que é economizar 15 minutos ida e volta todos os dias? O que significa em um ano? O que significa em uma vida? E todos esses ônibus, através do Expresso Mauá, estão com Wi-Fi gratuito.

E agora, a partir do mês de maio, nós vamos já estar iniciando as reformas do terminal através de mão-de-obra própria da Prefeitura, sem gastar, usando a criatividade e o empenho de todos os servidores públicos, e ainda nós vamos ampliar com a reforma das rampas de acesso dos trabalhadores, dos usuários, a reforma do telhado do terminal e a implantação de quatro novos equipamentos importantes no terminal: nós vamos inaugurar uma enfermaria, um fraldario, um centro digital onde nós vamos dar prioridade ao trabalhador através do Wi-Fi gratuito em todo o terminal central e toda a Praça 22 de Novembro.

Já foi substituída a iluminação, através de lâmpadas de LED, que isso traz uma economia de quase 70% aos cofres públicos. E uma grande novidade aqui na região, o Café do Trabalhador: pão e leite para o trabalhador. Das 4h30 às 8h, 90 mil pessoas passam por ali [terminal de ônibus] e nós vamos entregar o pão e o leite ao trabalhador da nossa cidade.

De graça?

De graça.

Quando começa a construção do Terminal Central de Mauá?

Inclusive nós estivemos agora em Brasília. Através do PAC mobilidade, devemos liberar este ano, se dando tudo certo, dando encaminhamento às últimas certidões, à reavaliação do projeto, nós deveremos já reformar não só o terminal central, já três terminais tronco: reforma do Terminal Itapeva, a construção do Terminal Itapark e a construção do Terminal Zaíra. São terminais tronco que vão abastecer o sistema de transporte público da cidade.

E já estamos entregando aí o projeto da construção do novo terminal central, que será o mais moderno daqui da região do ABC. Junto ao governo federal. E também sem se esquecer como eu disse anteriormente: antes de construir, eu tenho realmente que zelar e dar condições do terminal agora para o usuário. Que são todos esses pacotes que já anunciamos.

Já sobre Diadema, um dos principais assuntos em relação à mobilidade urbana foi a integração entre os ônibus municipais operados pela Mobibrasil e Benfica e os ônibus e trólebus da Metra no Corredor Metropolitano ABD. No início do ano, Lauro Michels, chegou a fechar com o próprio carro terminal central de Diadema contra a cobrança de R$ 1 na transferência. Hoje, mais comedido, disse que continua tentando diálogo com a EMTU, Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos e cobra os dados das transferências.

O senhor iniciou o ano com um ato inusitado: fechando o terminal de ônibus para protestar contra o reajuste da tarifa…

Lauro Michels – Não! Não contra o reajuste, me perdoe corrigir. Protestar contra a cobrança da integração e eu deixei isso claro no meu discurso lá.

G1 – Cobrança na integração no valor de R$ 1…

Lauro Michels – Isso, exatamente! Tarifa, eu nunca fui demagogo em dizer que a tarifa não precisa reajustar. Porque a tarifa de Diadema integrando é a única tarifa que nós temos aqui um valor hoje de R$ 4 no bilhete da cidade de Diadema e R$ 4,20 no dinheiro. Porque eu quero estimular as pessoas a usar o plástico e tirar o dinheiro de circulação das catracas dos ônibus. Então, hoje, a tarifa de Diadema é R$ 4 só que o cidadão ele pega o ônibus em uma ponta, desce e integra até o Jabaquara, e quando ele volta, ele não paga a tarifa. Ou seja, ele paga uma tarifa para ele ir até o Jabaquara e voltar, ele paga outra tarifa e não paga tarifa do transporte coletivo de Diadema.

G1 – O senhor cobrou os dados sobre os números de passageiros lindeiros. Esse problema já foi solucionado?

Lauro Michels – Nós temos cobrado a EMTU e a Metra, que são as gestoras deste corredor da cidade de Diadema até o Brooklin e o Jabaquara, e nós estamos dialogando. Eu tenho certeza que o governador está sensível a isso e uma promessa de campanha feita pelo governador em praça, ele vai cumprir com certeza.

G1 – Mas na ocasião, o senhor não chegou a ser recebido diretamente pelo governador. Se sentiu desprestigiado por esse motivo?

Lauro Michels: Não, nem um pouco. Porque a gente sabe que a agenda do governador é tumultuada e eu fui recebido pelo Secretário de Transportes do Estado de São Paulo. Então, o secretario está lá para fazer este trabalho também, ou então, o governador não precisa do secretário.

Na cidade de Osasco, o prefeito Rogério Lins, que foi detido em dezembro suspeito de envolvimento em esquema de corrupção, afirmou que vai instaurar o departamento de trânsito na cidade.

O senhor prometeu criar um departamento de trânsito para desafogar os gargalos da cidade. Isso já foi feito?

A secretaria de transportes da nossa cidade foi encontrada com apenas nove agentes de trânsito. O que a gente conseguiu consolidar, dentro dos trâmites legais nesses primeiros cem dias de governo, foi a seleção publica, nós estamos contratando novos agentes e investindo em tecnologia. Temos uma central de monitoramento, a Cegecom, onde nós estamos ampliando as câmeras de monitoramento para aumentar nossa possibilidade de intervenções e ações. Mas hoje, infelizmente, nosso corpo de agentes possui apenas nove homens. A gente já enviou um projeto de reforma administrativa para a câmara e já estamos consolidando a contratação de novos agentes. Posterior a isso, já enviamos para Câmara um projeto de encerramento da CMTO e reestruturação da secretaria de transportes que vai melhorar muito o trânsito da nossa cidade.

Qual deve ser o efetivo final da companhia e o custo para implantá-la?

Na verdade, não vai onerar o custo da secretaria de transporte mesmo porque, dentro do organograma dela anterior, isso já tinha uma previsão. O que a aconteceu é que na gestão anterior, na contratação desses agentes de trânsito, o Ministério Público, através de uma ação direta de inconstitucionalidade, conseguiu cancelar a contratação dos agentes de trânsito. Ou seja, a cidade teve que retroceder na contratação desses agentes. A gente reavaliou, reorganizou essa contratação, junto com nosso departamento jurídico, e encaminhamos o processo seletivo para a contratação de cem novos agentes para atender a nossa demanda.

Ou seja, até o final da sua gestão terão 109 agentes, pelo menos?

A gente deve ampliar esse número junto, inclusive, com a ações compartilhadas com a guarda civil da nossa cidade. Ações que visam muito além de consolidar o monitoramento e a fluidez do trânsito na nossa cidade, consolidar também ações de segurança pública. As câmeras de monitoramento vão possuir um sistema que chama Detecta, que estão instalados em 48 pontos da nossa cidade, em sistema de teia, que além de ajudar no transito, quando passar por uma das nossas câmeras um carro que foi roubado ou furtado, vai disparar um sensor para nossa central que vai acionar a Polícia Militar, Policia Civil e a Guarda Civil para uma abordagem rápida.

Como está o projeto da nova alça de acesso da Rodovia Castello Branco?

Ele já está concluído a formatação. A gente já esteve com o governador Geraldo Alckmin, já estivemos também com o secretário Samuel Moreira, para que a gente possa discutir e consolidar. Faltam ajustes finais, detalhes documentais que são estabelecidos pelo governo do estado, mas a gente está muito esperançoso que isso se consolide ainda este ano na nossa cidade. E vai ser muito importante. Hoje nós estamos acompanhando na nossa cidade um problema muito significativo no transito porque a Marginal teve um problema de alagamento. Ou seja, se a gente não consolidar novas entradas e saídas para a nossa cidade, mesmo quando Osasco não tem problemas, os problemas são nos entornos, a gente tem muitos problemas no transito do nosso município.

Alguma estimativa de quando esse projeto deve sair do papel?

A nossa expectativa, e a gente conta muito com essa parceria com o governo do estado, que aliás tem sido muito próximo hoje do nosso município, é que isso seja consolidado ainda em maio e entregue no final do ano que vem.

Na cidade de Guarulhos, o prefeito Gustavo Henric Costa, o Guti, que se destacou no início do ano ao cancelar um aumento de cerca de 20% nas tarifas de ônibus, prometeu regularizar os pagamentos para os operadores de micro-ônibus do sistema permissionário. Guti, entretanto, não garantiu que os donos dos veículos recebam integralmente os R$ 18,5 milhões , que não foram repassados desde a gestão anterior.

 Os permissionários do sistema de transporte público reclamam que a prefeitura está atrasando os repasses para o funcionamento dos micro-ônibus na cidade. Eles alegam que há uma dívida de R$ 18,5 milhões da gestão anterior. Esse dinheiro será repassado?

Guti – Nós primeiro – e isso até dei uma determinação para todo o nosso secretariado – eu fiz um decreto de contingenciamento de 30% por questões financeiras mesmo e tudo que é passivo a gente vai renegociar, mas nós precisamos garantir os pagamentos de janeiro em diante para não parar o serviço, mas vamos renegociar todos os pagamentos passados que a lei permita pagar. Não deixaram, a outra gestão não deixou restos a pagar em muitos contratos. Permissionários é um exemplo crasso desse, mas aos poucos junto com financeiro e com o jurídico a gente vai ajustando. O mais importante é saldar as dívidas para cidade não parar e o transporte público é essencial e é por isso que a gente aos poucos vem conseguindo honrar os pagamentos desse ano.

Mas os permissionários vão receber todo esse dinheiro que está atrasado desde a gestão anterior ou apenas uma parte, prefeito?

Ainda nós não podemos precisar o montante que a gente vai conseguir negociar com eles mesmo porque temos que ter uma aferição melhor sobre isso, mas garanto que o serviço não vai parar e esse ano a gente vai ir saldando dívida atual aos poucos.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

2 comentários em Átila promete reforma em terminal de Mauá a partir de maio, Michels continuar negociando cobrança de tarifa integrada em Diadema e Guti pagar permissionários em Guarulhos

  1. O prefeito de Mauá esta equivocado quando afirma que a tarifa dele é a mais barata “R$4,70”, na grande São Paulo temos o exemplo de Taboão da Serra que a tarifa municipal é de R$ 3,00.

  2. Parabéns ao prefeito Átila jacomussi,por a reforma do terminal,por as coisas positiva que está fazendo por nossa cidade, espero que continue trabalhando pra melhorar a qualidade de vida dos moradores, estamos de olho e esperamos que tenha valido apena dar um voto de confiança.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: