Taxistas vencem primeiro round da luta contra aplicativos

Emenda de Zarattini pode complicar aplicativos

Regulamentação foi aprovada na Câmara, mas incluindo emenda que pode restringir o transporte individual de passageiros apenas aos táxis

ALEXANDRE PELEGI

Quem abriu o jornal ontem se deparou com anúncios imensos do Uber. A empresa usava o meio tradicional de imprensa para advogar pela manutenção das regras atuais do serviço de transporte privado no País, hoje definidas pelos municípios.

A publicidade paga, ocupando página dupla dos grandes jornais do país, apelava aos deputados federais na tentativa de influenciar seus votos na votação que poderia inviabilizar a viabilidade dos apps de transporte no Brasil.

Pelo menos neste primeiro round a ação do Uber foi em vão: a regulamentação foi aprovada ontem, mas incluindo emenda que pode  restringir o transporte individual de passageiros a taxistas.

Com 13 milhões de usuários ativos no Brasil, segundo informação do próprio Uber, o aplicativo sofreu um forte revés.

O texto-base que transferia para as cidades a regulamentação dos sistemas de transportes individuais privados foi não só avalizado pela câmara, como foram aprovadas emendas do líder do PT, Carlos Zarattini, que impõem uma série de mudanças, suficientes para inviabilizar o serviço oferecido.

Uma das emendas retirou do projeto que segue agora para o Senado a descrição de que o serviço por aplicativo é “atividade de natureza privada”. Mais: afirma que as corridas terão de ser realizadas por “veículos de aluguel”, o que significaria restringir o serviço a veículos como os atuais táxis.

Os deputados aprovaram também que os motoristas terão de “possuir e portar autorização específica emitida pelo poder municipal”. Hoje o motorista de Uber (ou outro aplicativo) precisa apenas cadastrar-se na plataforma para fazer corridas com passageiros. O que implica que o motorista pode usar o próprio veículo sem a necessidade de identificação específica.

O lobby dos taxistas venceu o primeiro round da briga. Antonio Matias, presidente do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores nas Empresas de Táxi de São Paulo (Simtetaxis), estava exultante: “O Uber apenas passa a ser um transporte público, que cada município regulará. Vai ser bom para todos, para nós, para os motoristas dos aplicativos, e melhor ainda para os passageiros. Graças a Deus foi aprovado”.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

7 comentários em Taxistas vencem primeiro round da luta contra aplicativos

  1. É triste vitória do atraso. São esses monopólios, oligopólios e cartéis que vão contra o mercado e, principalmente, contra o bolso dos cidadãos. Mais uma vez nossos políticos, e mais uma vez o PT, votando a favor de uma classe privilegiada (sim taxista tem o privilégio do monopólio) em detrimento do povo. Por isso o Brasil não sai do buraco em que se encontra.

  2. Há coisas curiosas nesse mundo. Em Havana, supostamente uma economia fechada, estatizada etc., pode-se fazer sinal para qualquer veículo e negociar um valor para determinado destino, em especial se estiver na rota do mesmo. Ou seja, o livre mercado levado às últimas consequências.Já na “nossa democracia capitalista de livre mercado”, valem as disputas e regras corporativistas etc…Entenderam?

  3. MARCOS NASCIMENTO // 5 de abril de 2017 às 17:40 // Responder

    O que o ex-secretário municipal de transportes Lúcio Gregori da época da ex-prefeita Erundina (1989/1993) esqueceu-se de dizer é que em CUBA isso acontece porquê o transporte coletivo é péssimo! A última vez que estive lá em 2007 ainda existiam os caminhões-ônibus ou seja um caminhão puxando uma carroceria sucateada de ônibus antigo (algo que existia aqui nos anos 50 e na CMTC que era uma estatal que felizmente foi privatizada pelo ex-prefeito Maluf a partir de 1993)
    Além disso, os automóveis de CUBA são antigos demais com 30, 40, 50 e até 60 anos de uso! A poluição na Ilha de Fidel é absurda.

    • Marcos Nascimento, boa noite.

      A venda da CMTC, foi bom pra poucos e deu mais prejuizo do que se tivesse deixado ela funcionando.

      E so levantar o passivo que a ficalizafora ja pagou , paga ou vai pagar, com aquele monte de empresa que entrou e saiu do sistema deixando tudo pendente.

      Li uma vez que tinha ate empresa em nome de pessoa falecida, se nao me falha a memoria.

      Parece qud o CNPJ da fiscalizadora e o mesmo da CMTC.

      Sera que fechou ou so mudou de nome e pagou o pato e o passivo.

      Att,

      Paulo Gil

    • Pois em 2011 e atualmente não tem mais essa espécie de Papa-Fila dos tempos de Jânio Quadros. A frota é bem contemporânea . Por acaso por aqui se usa UBER porque? Porque os transportes públicos são muito bons? De todo modo o comentário dizia respeito à regulação ou não de mercado e as ironias dessa questão entre Cuba e nosso país.

  4. Amigos, boa noite.

    A partir de hoje o nosso pais mudou de nome, passa a se chamar:

    JURASSIC BRASIL

    Vou dar ao UBER uma sugestao similar a que eu dei a Leblon ha um tempo atras.

    Facam suas malas e saiam do Jurassic Brasil, pois esse dinheiro sera maldito e zicado, afinal o fim desse filme sera igual ao da Leblon.

    Nao adianta, as mentes jurassicas nao permitem a evolucao da nacao.

    So o tempo eliminara essa pedra no sapato da nacao.

    Por enquanto continua4a a tecnica de infernizar quem trabalha de forma pratica e quer produzir.

    O Estado quer ser socio majoritario de todas as empresas e dos contribuintes pessoas fisicas, mas sem trabalhar, so infernizar.

    Arrrrrrrghhhhh

    Att,

    Paulo Gil

  5. Amigos, bom dia.

    Mas tem uma questao primordial, que deve ser considerada antes de fechar esta questao, se e que ela sera fechada.

    Por que o UBER e sucesso e incomodou tanto ??????

    Uma coisa e certa, o UBER, provou que muita coisa tem de ser melhorada nesta area.

    Fica ai para reflexao de todos.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: