Prefeitura de Jundiaí vai rever projeto do BRT

Corredor viário de 4,25 km entre Centro e Colônia tem o custo de R$ 166 milhões

ALEXANDRE PELEGI

O Ministério Público moveu ação, e a Vara da Fazenda Pública de Jundiaí acatou, suspendendo a licitação do BRT por considerar que o projeto não atende as exigências urbanísticas e legais, entre outras condições citadas.

A ação civil pública proposta pelo MP obriga a Prefeitura de Jundiaí a cumprir com diversas exigências. O projeto liga o Centro da cidade ao bairro da Colônia, com custo estimado em R$ 166 milhões para a implantação de 4,25 km de corredor viário.

A prefeitura declara que o projeto do BRT está sendo revisado, já que o valor do empréstimo de R$ 106 milhões, concedido pela Caixa Econômica Federal, é insuficiente para financiar todos os custos que, alega, estariam subdimensionados. Isso porque no valor não estão contemplados os gastos com desapropriações e outros custos indiretos. Além do dinheiro da CEF cabe ainda a contrapartida do município, no valor de R$ 28 milhões, recursos que não foram previstos na lei orçamentária de 2017.

O Ministério Público exigiu, entre outras coisas, o Plano de Mobilidade Urbana, o Estudo e o Relatório de Impacto de Vizinhança (EIV/RIV), o Estudo de Impacto Ambiental/Relatório de Impacto Ambiental (EIA / RIMA), além de audiências públicas.

Para o promotor de justiça, Claudemir Battalini, a sentença definitiva do juiz Gustavo Pisarewski Moisés apenas confirma que a obra não pode acontecer sem as exigências.

Para lembrar

A obra foi anunciada em novembro de 2015 pelo prefeito Pedro Bigardi. O primeiro trecho, de 4,25 km, tinha custo estimado em R$ 166 milhões. O segundo trecho, ligando o Centro ao vetor Oeste, tinha previsão orçamentária entre R$ 300 milhões e R$ 400 milhões.

Os pagamentos da CEF estão suspensos pelo Ministério das Cidades devido à ação do MP.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

1 comentário em Prefeitura de Jundiaí vai rever projeto do BRT

  1. Amigos, bom dia

    Isto é o cúmulo da ingerência generalizada no Brasil.

    Quem fez e assinou o projeto ?

    O Gato ???

    Ou em Engenheiro ??

    Lamentável o que ocorre no Brasil afora.

    Paga-se uma fortuna por um Projeto, no mínimo questionável ?

    Vamos resolver este problema de uma vez por todas.

    É fácil.

    Basta o projeto só ser contratado após a aprovação até do Papa.

    Pronto.

    Será que ninguém sabe fazer bem feito da primeira vez?

    Chega né, isso não “cola” mais.

    ÁT ODUT ODARRE ON LISARB

    Decífrem…

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: