Suzantur fica na Vila Luzita por tempo indeterminado até nova licitação

Para isso, prefeitura de Santo André assinou autorização a título precário

ADAMO BAZANI

A Prefeitura de Santo André informou que concedeu autorização a título precário para a Suzantur continuar operando as 15 linhas que servem a Vila Luzita e região por tempo indeterminado até a realização de uma licitação definitiva.

A empresa de ônibus opera desde outubro do ano passado em contrato emergencial de 180 dias que termina agora no início de abril. Entretanto, o poder público não fez uma nova licitação para escolher a empresa de maneira definitiva. Um modelo de licitação foi apresentado no ano passado pela antiga gestão Carlos Grana, mas   atual gestão do prefeito Paulinho Serra entendeu que havia brechas e falhas que poderiam comprometer os resultados da concorrência.

A prefeitura explica, em nota, que a Suzantur vai operar sem contrato, mas por portaria, por meio de um dispositivo chamado “autorização a título precário”.

Ainda de acordo com a prefeitura, a publicação de um novo edital poderia agora trazer problemas para os passageiros com troca de frota, já que alguns veículos precisam ser especiais com porta à esquerda e em nível mais alto das estações ao longo do Corredor Mário Toledo de Camargo, e também com a bilhetagem eletrônica, já implantada nos ônibus da empresa. Estes problemas ocorreram no início da operação da Suzantur.

A Prefeitura, em nota, afirmou que antes de fazer a licitação do sistema de Vila Luzita vai realizar outro processo de licitação, com lançamento de edital previsto para abril. Trata-se de um estudo de viabilidade econômico- financeira e também da rede de linhas da cidade, que pode ser reformulada.

Na nota, o prefeito Paulinho Serra diz que o atual sistema de ônibus está defasado.

 “O estudo do sistema é requisito fundamental para subsidiar a licitação, sem ele estaríamos licitando um sistema de transporte coletivo com o projeto de duas décadas atrás, numa situação na qual o município não contava com a tecnologia atual e que o perfil do usuário certamente era diferente dos dias de hoje”, apontou o prefeito Paulo Serra.

Com uma análise mais profunda, o município poderá coletar dados importantes sobre o sistema de transporte, tanto na região da Vila Luzita, como no restante da cidade. Depois, considerando todos os indicadores reais e atuais que impactam a vida dos usuários e no sistema de mobilidade, as informações serão utilizadas na elaboração do novo modelo de licitação, para atender um fluxo médio de 50 mil passageiros por dia que desembarcam no terminal. – prossegue a nota oficial.

A Suzantur começou as operações na Vila Luzita em outubro do ano passado, após a Expresso Guarará, da família Passarelli, ter decretado falência. Foi aberto, na ocasião, um processo de seleção por meio de carta convite. A empresas Viação Guaianazes de Transportes Ltda, Viação Curuçá Ltda, ETURSA – Empresa de Transporte Urbano e Rodoviário de Santo André Ltda, todas do empresário Ronan Maria Pinto, desistiram do convite e não apresentaram as propostas, sobrando apenas a da Suzantur, de Claudinei Brogliato.

O sistema de Vila Luzita tem 15 linhas e responde pela maior demanda individual geográfica da cidade por 20 anos. A cidade tem uma média mensal em todo o sistema de 4,82 milhões de passageiros. Somente o sistema tronco-alimentado reúne 1,086 milhão de passageiros por mês, sendo que destes, 792,3 mil são pagantes.

HISTÓRICO:

A necessidade do contrato emergencial surgiu depois da decretação de falência da antiga empresa do bairro.

A Expresso Guarará, da família Passarelli, operava o sistema Vila Luzita desde o ano 2000. Após a morte do fundador Sebastião Passarelli, em outubro de 2014, a companhia passou a enfrentar dificuldades financeiras. No dia 20 de setembro de 2016, a Guarará informou à prefeitura de Santo André a autofalência e que pararia a operação em 30 de setembro. A prefeitura então pediu que a empresa mantivesse os serviços até o dia 8 de outubro de 2016 No dia 27 de setembro de 2016, a Guarará comunicou que encerraria as atividades no dia 7 de outubro de 2016 . A prefeitura de Santo André fez uma licitação de contrato emergencial.

A única empresa que ofereceu proposta foi a Suzantur, que opera emergencialmente em São Carlos, no interior de São Paulo, e detém 100% dos transportes em Mauá, na Grande São Paulo, onde também entrou por contrato emergencial.

Claudinei Brogliato, sócio da Suzantur, foi contratado como consultor da Expresso Guarará e ficou no cargo entre novembro de 2015 e abril de 2016.

Antes mesmo do lançamento da licitação, a Suzantur já tinha sete ônibus com portas à esquerda e embarque por plataforma do sistema de Vila Luzita, o único deste tipo na cidade e que até então nunca foi operado pela empresa. O fato gerou desconfiança para um possível direcionamento

Claudinei Brogliato disse, no entanto, na época que esses ônibus foram encomendados ainda quando ele estava na gestão da Guarará e que seriam alugados para família de Passarelli.

 Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes