Goiânia discute reajuste do transporte coletivo; tarifa de ônibus pode chegar a R$ 4

Prefeito Iris Rezende lembra que reajuste tarifário está previsto em contrato de concessão, mas exige que empresas renovem a frota

ALEXANDRE PELEGI

O Conselho Regulador da Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos (AGR) aprovou de maneira unânime o relatório que define um novo valor para a tarifa do transporte coletivo na cidade. Calculado para a vigência em 2017 o valor estimado é de 4 reais. Hoje a tarifa está em R$ 3,70, sendo que o último aumento ocorreu em fevereiro do ano passado, quando passou de R$ 3,30 para R$ 3,70.

Os conselheiros, ao aprovarem o relatório, frisaram que o cálculo do novo valor da tarifa foi produzido pela Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC), cabendo a aprovação final do aumento à Câmara Deliberativa de Transportes Coletivos (CDTC).

O mais provável, segundo reportagem do jornal O Popular, de Goiânia, é que o novo valor passe a valer no dia 1º de abril.

Ontem o prefeito Iris Rezende (PMDB) fez questão de lembrar que o reajuste tarifário está previsto em contrato de concessão. Iris, por meio da CMTC, enfrenta uma quebra de braço com as empresas: exige a compra de novos ônibus para operar na metrópole, mas os empresários alegam ter dificuldades financeiras para conseguir créditos. A solução seria conceder o reajuste na tarifa e, em troca, oferecer condições para que as empresas busquem crédito para comprar novos ônibus.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes