Greve de ônibus em Curitiba entra no oitavo dia com metade da frota mínima exigida pela justiça

Vai a julgamento dissídio da categoria depois de dois encontros no TRT sem acordo

ADAMO BAZANI

A greve de ônibus em Curitiba e região metropolitana completa o oitavo dia nesta quarta-feira, 22 de março de 2017. E mais uma vez não há cumprimento de frota mínima determinada pela justiça, de acordo com a Urbs – Urbanização de Curitiba S.A, responsável pelo gerenciamento do transporte da capital paranaense.

Segundo a gerenciadora, entre 5h30 e 6h30, havia apenas 41% da frota de ônibus nas ruas.

Ontem à noite, a justiça determinou que a partir da madrugada desta quarta, ao menos 80% da frota deveriam estar em circulação das 5h às 9h e das 17h às 20h, e 60% nos outros horários.

A multa de R$ 100 mil por hora ao Sindimoc e ao Setransp pelo não cumprimento de frota mínima.

Ainda de acordo com a Urbs, em nenhum dia de paralisação, houve cumprimento da frota determinada pela justiça.

Na última tentativa para evitar a continuação da greve, em reunião de conciliação no TRT – Tribunal Regional do Trabalho, os empresários de ônibus ofereceram reajuste salarial de 6% e aumento no vale-alimentação de R$ 30. Os trabalhadores inicialmente queriam 15% de aumento salarial e depois reduziram para 10%. A categoria pleiteava reajuste de R$ 75 no vale-alimentação.

Já os empresários, começaram com 3,81%, o que corresponde a 70% apenas da inflação acumulada nos últimos doze meses contados do reajuste de 2016, e depois de 5,43%, o total do INPC – Índice Nacional de Preços ao Consumidor.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes