Governo do Estado publica chamamento para estudos de concessão do monotrilho da Zona Leste

monotrilho Estruturas do monotrilho de trecho ainda em obras na zona Leste.

Obra que deveria ter ficado pronta inicialmente em 2012, agora tem previsão de inauguração de apenas dois trechos até 2021

ADAMO BAZANI

O Governo do Estado de São Paulo publicou neste, sábado 25 de fevereiro de 2017, o edital de convocação para apresentação de estudos com o objetivo de conceder à iniciativa privada a operação e manutenção da linha 15-Prata do monotrilho, que deve servir a zona leste da capital paulista. Apenas duas estações estão em operação.

A partir de hoje, os interessados têm dez dias para apresentarem perspectivas de demanda atual e para os próximos 30 anos. Também devem ser considerados os impactos das gratuidades e integrações com ônibus dos sistemas SPTrans e EMTU e com os trens da linha 10 Turquesa da CPTM e 2-Verde do Metrô:

O estudo deverá conter estimativas de demanda para a Linha 15, objeto do Projeto de Parceria, com proje ções para todo o prazo de concessão inicialmente previsto, detalhando-se a origem e o destino das viagens, os motivos das viagens (trabalho, estudo, lazer, etc), a caracterização dos possíveis usuários (idade, sexo, renda, escolaridade, etc), dentre outras informações pertinentes. De forma compilada, deverão ser apresentados estudos a respeito de: (i) projeção de demanda de passageiros para as Fases I, II e III; (ii) estimativa das transferências de passageiros entre as linhas que interseccionam a Linha 15; (iii) demanda total na hora-pico/diário; (iv) número de passageiros por sentido na hora-pico; (v) carregamento por sentido na hora pico; (vi) identificação da demanda de passageiros transportados dividindo-os nas categorias: (a) idoso, (b) estudante baixa renda, (c) estudante não baixa renda, (d) integrados do ônibus da SPTrans, (e) integrados do ônibus da EMTU, (f) integrados da Linha 2 – Verde do Metrô; (g) integrados da Linha 10 – Turquesa da CPTM; e (h)passageiros exclusivos da Linha 15 – Prata; (vii) evolução da demanda durante os próximos 30 anos, destacando para cada uma das categorias do item vi, acima; e (viii) formulação de cenários socioeconômicos e de transportes

O edital publicado neste sábado é o primeiro passo concreto para a iniciativa privada assumir as operações dos trens, estações, acessos de passageiros e manutenção de todo o sistema.

A expectativa inicial é de que a concessão seja por R$ 313 milhões com uma remuneração por passageiro de R$ 1,50 – pelos valores atuais.

Mas estes valores serão definidos após a apresentação destes estudos.

CONCESSÃO EM TRÊS ETAPAS:

A concessão da linha se dará em três etapas, segundo o edital de chamamento. A primeira é prevista para março de 2018, com a operação do trecho I envolvendo as estações Vila Prudente e Oratório (as únicas ainda em funcionamento) e as São Lucas, Camilo Haddad, Vila Tolstói, Vila União, Jardim Planalto, Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus. Na fase 2, é esperado o início da operação da estação Iguatemi para 2021. Também envolve a operação do trecho II completo: Vila Prudente, Oratório, São Lucas, Camiló Haddad, Vila Tolstói, Vila União, Jardim Planalto, Sapopemba, Fazenda da Juta, São Mateus e Iguatemi (“Trecho II”). Já a fase 3 engloba todo o projeto original do monotrilho, ainda sem data prevista: Ipiranga, Vila Prudente, Oratório, São Lucas, Camiló Haddad, Vila Tolstói, Vila União, Jardim Planalto, Sapopemba, Fazenda da Juta, São Mateus, Iguatemi, Jequiriçá, Jacu-Pêssego, Érico Semer, Márcio Beck, Cidade Tiradentes e Hospital Cidade Tiradentes

Acompanhe:

15-prata

Os Estudos deverão considerar que concessão relativa à Linha 15-Prata será desenvolvida em 3 fases progressivas, envolvendo as seguintes atividades: (i) Fase I: adequação, operação, conservação e manutenção do trecho em operação da Linha 15-Prata, entre as estações Vila Prudente e Oratório, além do pátio de manutenção e estacionamento em Oratório (“Trecho Existente”), sendo que a futura concessionária também será responsável, ainda, pelo funcionamento das futuras estações São Lucas, Camilo Haddad, Vila Tolstói, Vila União, Jardim Planalto, Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus (“Trecho I”), dos terminais de integração intermodal São Mateus, do centro de controle operacional, do controle de acesso e da integração de passageiros, da segurança operacional e patrimonial, em parâmetros compatíveis com a demanda. O início da operação completa do Trecho I está previsto para março de 2018. (ii) Fase II: inicio da operação da estação Iguatemi, previsto para 2021. A futura concessionária será responsável pela operação, manutenção e conservação do trecho em execução da Linha 15-Prata, entre as estações Vila Prudente, Oratório, São Lucas, Camiló Haddad, Vila Tolstói, Vila União, Jardim Planalto, Sapopemba, Fazenda da Juta, São Mateus e Iguatemi (“Trecho II”), sendo a futura concessionária responsável, ainda, pelo controle de acesso e da integração de passageiros e da segurança operacional e patrimonial, em parâmetros compatíveis com a demanda. (iii) Fase III: operação, manutenção e conservação do trecho em execução da Linha 15-Prata, entre as estações Ipiranga, Vila Prudente, Oratório, São Lucas, Camiló Haddad, Vila Tolstói, Vila União, Jardim Planalto, Sapopemba, Fazenda da Juta, São Mateus, Iguatemi, Jequiriçá, Jacu-Pêssego, Érico Semer, Márcio Beck, Cidade Tiradentes e Hospital Cidade Tiradentes (“Trecho III”), sendo a futura concessionária responsável, ainda, pelo controle de acesso e da integração de passageiros e da segurança operacional e patrimonial, em parâmetros compatíveis com a demanda. O início da operação deste Trecho ainda se encontra em fase de estudo.

LINHA 15-PRATA:

A linha 15 Prata deveria ter 26,7 quilômetros de extensão, 18 estações entre Ipiranga e Hospital Cidade Tiradentes ao custo R$ 3,5 bilhões com previsão de entrega total em 2012. Em 2015, orçamento ficou 105% mais alto, com o valor de R$ 7,2 bilhões. O custo por quilômetro sairia em 2010 por R$ 209 milhões, em 2015 por R$ 260 milhões e, no primeiro semestre de 2016, subiu para R$ 354 milhões. A previsão de 9 estações agora é para 2018. Está congelado o trecho entre Hospital Cidade Tiradentes e Iguatemi e Vila Prudente-Ipiranga.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes