Após tragédia na Mogi Bertioga, autuações a ônibus pela Polícia Rodoviária crescem 49%

Ônibus da União do Litoral, destruído em acidente que matou 18 pessoas, tinha problemas nos freios, constatou perícia

Maiores problemas são em relação às condições dos veículos, como pneus em mau estado e freios desgastados

ADAMO BAZANI

O número de autuações realizadas pela Polícia Rodoviária Estadual de São Paulo a ônibus, em especial de fretamento, subiu 49% entre os períodos de julho a dezembro de 2015 e de julho a dezembro de 2016. No período do ano retrasado, foram autuados 47 veículos, entre ônibus e vans.

Já no segundo semestre de 2016, o número subiu para 70.

A elevação coincide com a maior fiscalização após a tragédia envolvendo um ônibus da empresa União do Litoral, que levava estudantes na Mogi Bertioga, no dia 8 de Junho de 2016. Na ocasião, 18 pessoas morreram após o veículo tombar no Km 84, entre Biritiba Mirim e Bertioga.

A perícia constatou que o ônibus de fretamento tinha problemas de desgaste excessivo dos tambores dos freios dianteiros, o que ocasionou ou ao menos contribuiu para o acidente.

De acordo com a Polícia Rodoviária Estadual, o maior número de irregularidades constatadas nas autuações se refere justamente a problemas de conservação dos veículos, como pneus em mau estado, sinalização inadequada, como lanternas queimadas, por exemplo, e freios desgastados.

No entanto, a conduta dos motoristas também chamou atenção dos policiais. Infrações como andar sem manter a distância segura do veículo que está na frente, ultrapassagens irregulares e excesso de velocidade, foram consideradas comuns.

A Artesp, agência que regula os transportes no Estado de São Paulo, registrou aumento nas abordagens de 28%.

A agência abordou 662 veículos no segundo semestre 2016 e 519 no mesmo período de 2015 .

O número de ônibus ou vans clandestinos, no entanto, caiu no segundo semestre de 2015.

Na Mogi Bertioga, 4,05% dos veículos abordados eram clandestinos e foram apreendidos no período do ano retrasado.

No segundo semestre de 2016, os clandestinos apreendidos representaram 2,83% dos veículos fiscalizados, segundo agência.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Nenhum motorista sai de casa para bater o buzao, principalmente um acidente grave como esse.

    Autuacao, esta provado que nao funcioba e financeiramente compensa.

    Em pleno 2016, 9recisamos de procedimentos mais celeres tecnicos e normatizados.

    Nao foi aprovado por questoes tecnicas enao b8bagens, apreende e pronto.

    Ou sera que ninguem ainda aprendeu que o bem mais valioso que temos e a vida.

    Muda Brasil.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta