ENTREVISTA – MOBIFILM: A sétima arte em prol da Mobilidade e Segurança no Trânsito

Qualquer pessoa pode enviar filmes até o dia 15 de julho. Vencedores terão trabalhos exibidos em festivais no exterior

ADAMO BAZANI

A ANTP – Associação Nacional dos Transportes Públicos em parceria com o BNDES e o Ministério da Cultura realiza em São Paulo, entre os dias 12 e 14 de agosto, o MobiFilm que é o Primeiro Festival Brasileiro de Filmes sobre Mobilidade e Segurança Viária.

O objetivo é reunir os principais trabalhos que possam auxiliar na busca de soluções e disseminação de conhecimento para ampliar a segurança do trânsito nas cidades e nas estradas e também mostrar a importância dos deslocamentos não motorizados e por transporte público para a humanização do espaço urbano. Tudo isso, de forma lúdica e original.

Qualquer cidadão pode inscrever os trabalhos gratuitamente até o dia 15 de julho por meio deste site: http://www.mobifilm.com.br/

Além disso, os vencedores das oito categorias do evento e o vencedor geral do Festival vão ter os trabalhos exibidos em outros eventos internacionais, abrindo os Festivais da Bélgica, França, Benim e marcando o encerramento na sede da UNESCO em Genebra, fevereiro de 2017.

O evento ocorre em São Paulo, no CCSP – Centro Cultural São Paulo.

No dia 12 de agosto, será realizado um seminário internacional com a participação do secretário municipal de transportes de São Paulo, Jilmar Tatto; do engenheiro industrial, inspetor de Trabalho e Diretor Geral de Transito do Governo da Espanha, Pere Navarro Olivella; do vereador e professor titular da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, Nabil Bonduki; do médico patologista, professor universitário, pesquisador brasileiro, membro do Comitê de Qualidade do Ar da Organização Mundial de Saúde e pesquisador do Departamento de Saúde Ambiental da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, Paulo Saldiva; e do arquiteto e urbanista pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, diretor de Planejamento e Expansão dos Transportes Metropolitanos do Metrô de São Paulo, Alberto Epifani.

Nos dias 13 e 14 serão exibidos os filmes.

O Blog Ponto de Ônibus conversou por e-mail com o organizador do Festival, o produtor de áudio-visual, Eduardo Abramovay, que explica que a iniciativa pode ajudar a ampliar as discussões e incentivar novas ideias para melhorar as relações no trânsito e incentivar a valorização do transporte público.

Confira:

Blog Ponto de Ônibus:  Como surgiu a ideia de reunir temas tão relacionados à mobilidade urbana e segurança viária num festival de filmes?

 Eduardo Abramovay: Tive conhecimento do Festival FIA/ONU 2013 que aconteceu em Paris. Tive a ideia de trazer o evento para o Brasil, não consegui, resolvi fazer um Festival Brasileiro para tentar, na sequência, fazer o Festival Internacional.

Blog Ponto de Ônibus:  Pela sua experiência, em contato com o universo dos transportes e com os materiais produzidos a respeito do tema, é possível dizer que o Brasil ainda carece de mais produções em vídeo que discutam melhor o ir e vir das pessoas e como tornar esses deslocamentos mais seguros?

Eduardo Abramovay:  O Brasil carece de produção audiovisual em geral, embora a situação tenha melhorado e muito. Na área de segurança viária e de mobilidade sim, são poucas as produções. Quanto a tornar deslocamentos mais seguros, a principal questão é a impunidade. Dizem que o trânsito é reflexo do grau de civilidade de uma sociedade. Acho que se aplica fortemente ao nosso país 

Blog Ponto de Ônibus:  Hoje o tema mobilidade urbana ganha cada vez mais espaço nas discussões sobre formulações de política pública. No entanto, em muitos casos, as discussões acabam ficando entre técnicos e a mídia em geral faz uma abordagem superficial. Como fazer com que o tema se torne ainda mais popular? O festival pode ajudar neste objetivo?

Eduardo Abramovay: O Festival é sobre mobilidade e sobre violência de trânsito. A mobilidade é um tema mais incidente, mobiliza mais a juventude e ONGs que repensam a sociedade. Sim, o objetivo do evento é fazer a sociedade se voltar a esses assuntos, mostrar produções que ajudem discussões e mudanças e dar divulgação a um número grande de trabalhos que não tem boa divulgação.

Blog Ponto de Ônibus:  Os formuladores de políticas públicas e até mesmo os responsáveis pelos serviços de transportes, como as empresas de ônibus, estão mais atentos em relação à necessidade de se comunicar com a sociedade sobre os assuntos relacionados aos transportes e segurança viária?

Eduardo Abramovay: Não vejo isso. Os transportes coletivos, como são de massa e populares, têm muito menos atenção, recursos e diálogo com os dirigentes da sociedade do que seria imperativo acontecer. O grande subsídio ainda é para o transporte individual 

Blog Ponto de Ônibus: Como que e uma produção cinematográfica pode auxiliar, por exemplo, no treinamento de motoristas de ônibus em relação à segurança e respeito ao pedestre? Existem materiais deste tipo no mercado?

Eduardo Abramovay: Esse é um dos assuntos que incomoda muita gente e que pouco é feito. Parte dos motoristas de ônibus da capital (São Paulo) dirige como se estivessem pilotando uma Kawasaki Ninja. Se colocar uma câmera na parte dianteira dos ônibus, onde ficam as pessoas mais velhas ou com dificuldades, vai ver um show de desrespeito, gente jogada, batendo contra barras e assentos e levando susto. Uma solução para isso não seria difícil. Colocar uma aviso, “Como estou dirigindo” e um número de telefone. Três reclamações, o cara é monitorado. Confirmado o desvio, reciclagem. Se voltar a abusar, melhor ir fazer outra coisa. A maioria dos atropelamentos de ciclistas e grande parte de pedestres na cidade, é por ônibus. Os velocímetros coletivos que existem nos carros, já não funcionam em mais de 80% dos veículos, e o nome do motoristas, que antes era afixado sobre ele, também não existe mais. Dizem, vejam bem, dizem, não tenho provas, que o nível de estresse, irritação e aditivismo é alto entre os motoristas. Pelo que sei, algumas empresas dão treinamento, outras não, terceirizam a contratação de motoristas, aí começam os problemas. Já desci a Av. Pompéia com um motorista acima dos 70 km/h, saí no berro com ele, quase virou pancadaria. Parece que os motoristas não têm noção que parar um veiculo de 10 toneladas é diferente de parar um carro.  Então sim, é urgente investir na educação dos motoristas de ônibus da capital. Tem uma turma de ciclistas em SP que está fazendo uma coisa bacana, convidam e conseguem, levar motoristas de ônibus à andar de bicicleta…

Blog Ponto de Ônibus: Explique um pouco como vai ser o MobiFilm e como os trabalhos apresentados no Brasil terão repercussão internacional?

Eduardo Abramovay: O MOBIFILM terá um seminário internacional na sexta-feira 12 da agosto, promovido pela ANTP. Nos dias 13 e 14 haverá sessões de exibição de filmes. São oito categorias de inscrição, com um vencedor em cada uma delas e um grande vencedor geral.  Os filmes vencedores estão automaticamente inscritos na Temporada Internacional que é aberta pelo MOBIFILM, seguindo os Festivais da Bélgica, França, Benim e encerramento na sede da UNESCO em Genebra, fevereiro de 2017.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: