Presidente da Fabus se encontra com Michel Temer e discute situação da indústria de ônibus

Publicado em: 10 de junho de 2016

ônibus

Ônibus urbano. Para empresários, infraestrutura e bens de capital devem ter crédito facilitado.

Grupo de empresários, entre eles o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, apresentaram cinco medidas que consideram essenciais para a retomada da confiança e recuperação do nível de investimento

ADAMO BAZANI

O presidente interino Michel Temer soube de viva voz detalhes da atual situação da indústria de ônibus no Brasil.

Na última quarta-feira, dia 8 de junho, Temer e os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, da “Indústria, Comércio exterior e Serviços”, Marcos Pereira, e o secretário executivo do Programa de Parcerias de Investimento, Moreira Franco, receberam em torno de 200 empresários de diversos setores.

Entre eles, estava o presidente da Fabus – Associação Nacional dos Fabricantes de Ônibus, José Antônio Fernandes Martins, que também é diretor executivo da Marcopolo.

Martins comentou com Temer a situação da indústria de ônibus.

Segundo dados da Fabus, que reúne os fabricantes de carrocerias, somente neste ano, a produção registra queda acumulada de 46,7% em relação aos cinco primeiros meses do ano passado.

Ainda segundo Martins, levando em consideração o período de 2014 até o primeiro semestre de 2016, a queda na produção de ônibus já soma 70% .

Segundo o executivo, mesmo com aumentos das exportações, as encomendas dos outros países não foram suficientes para contornar a crise do mercado interno.

Diversas lideranças empresariais compareceram ao encontro. Entre elas, o presidente da Fiesp  – Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Paulo Skaf.

Os empresários apresentaram ao presidente interino uma lista com cinco pontos que consideram fundamentais para que o governo adote como medidas emergenciais a fim de recuperar a confiança do empresariado e consequentemente o nível de investimentos.

São eles:

  • Não aumentar impostos
  • Redução dos juros. Segundo os empresários, o atual índice de 14,25% ao ano inviabiliza investimentos.
  • Facilitação do crédito para investimentos, incluindo o setor de bens de capital, como é a indústria de ônibus.
  • Aceleração dos investimentos em infraestrutura, incluindo mobilidade urbana. Para isso, deve haver um cronograma que contemple a formalização de mais PPPs – Parcerias Público Privadas de maneira mais rápida.
  • Estímulo à exportação

O presidente interino Michel Temer e os ministros ficaram de analisar as propostas.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Enquanto houver desperdício do erário público isso será impossível.

    BRT do Recife.

    Aerotrens de Sampa.

    Metro do RJ

    BRT BH

    Ciclovia RJ

    E outros que eu não vi.

    Caso contrário, independentemente de sigla ou cor, nada mudará nesse Brasil.

    CPMF Nãaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaooooooooooooo!

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta