Haddad não reajusta remuneração de empresas de ônibus em data prevista nos contratos

Publicado em: 6 de junho de 2016

sem-aumento-2

Companhias dizem estar enfrentando dificuldades financeiras. SPTrans informa que aguarda índice do IBGE. Em outro extremo, motoristas sem aumento podem entrar em greve

ADAMO BAZANI

A Prefeitura de São Paulo ainda não realizou os reajustes nos valores da remuneração das empresas de ônibus operadoras do subsistema estrutural e das empresas de ônibus que se originaram de cooperativas operadoras do subsistema local.

Conforme os contratos que têm sido renovados por meio de aditivos ou de forma emergencial porque a licitação os transportes ainda não foi realizada, as empresas devem ter a remuneração corrigida no mês de maio com a aplicação do reajuste em junho, o que não ocorreu.

As companhias de ônibus informaram que enfrentam problemas de caixa.

A SPTrans-  São Paulo Transporte, por meio de nota, informou ao Blog Ponto de Ônibus que o valor do reajuste dos repasses às empresas não foi corrigido ainda porque falta um índice que é estipulado pelo IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

A SPTrans informa que os contratos com as empresas do Subsistema Local e Subsistema Estrutural serão cumpridos normalmente. O reajuste será aplicado a partir da operação de 1º de maio. O valor do reajuste ainda não foi definido, pois um dos índices que compõem a cesta deixou de ser publicado pelo IBGE.

Os reajustes dos contratos dependem de cada área operada, mas, em média, devem ser de 6%.

Em 2016, o sistema de transportes na capital paulista deve necessitar em torno de R$ 2 bilhões em subsídios para se manter. Os custos aumentaram por causa da inflação e também depois da concessão de mais gratuidades, como para estudantes que contam com passe livre e pessoas com idades entre 60 anos e 64 anos, que passaram a ter direito ao uso do transporte sem cobrança. Antes a idade mínima era de 65 anos.

Com a crise econômica, também houve perda de passageiros, havendo queda nas receitas das empresas.

SEM AUMENTO, MOTORISTAS DE ÔNIBUS PODEM ENTRAR EM GREVE:

Em relação aos trabalhadores, os motoristas, cobradores e demais funcionários do sistema de transportes não receberam o reajuste salarial de 7,5%, conforme acordo com as empresas de ônibus em campanha salarial em maio.

As companhias de ônibus filiadas ao SPUrbanuss, que representa as viações que operam subsistema estrutural, não querem ligar o não pagamento do aumento salarial ao atraso dos reajustes dos contratos por parte da Prefeitura de São Paulo e dizem que estão com problemas de caixa.

A situação, no entanto, tem sido pior com as empresas permissionárias, que surgiram das cooperativas, e não são reunidas no SPUrbanuss. O Blog Ponto de Ônibus apurou que algumas empresas não realizaram os pagamentos salariais, mesmo sem os reajustes

Se não houver o pagamento dos reajustes, os motoristas e cobradores de ônibus podem entrar em greve na quarta-feira, 8 de junho de 2016, conforme noticiou o Blog Ponto de Ônibus em primeira mão. Relembre em: https://diariodotransporte.com.br/2016/06/06/sinal-amarelo-empresas-de-onibus-nao-pagam-reajuste-salarial-de-motoristas-e-cobradores-em-sao-paulo/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Vamos ver o que isso vai dar.

Deixe uma resposta