Greve/paralisação de ônibus em São Paulo: terminais começam a ser liberados

Até ônibus de manutenção foram usados para fechar terminais – Foto: Tatiana Santiago/G1

Normalização dos serviços se dá aos poucos

ADAMO BAZANI

Os terminais de ônibus na capital paulista que foram fechados pela manifestação de motoristas e cobradores de ônibus em campanha salarial foram abertos aos poucos a partir do meio-dia desta quarta-feira, 18 de maio de 2016.

O fechamento dos 29 terminais começou por volta das 10h. Os ônibus também foram parados nas principais vias ao redor destas paradas.

O secretário municipal de transportes de São Paulo, Jilmar Tatto, 1,5 milhão de pessoas foram afetados por causa do horário. Por dia, o sistema atende 6,2 milhões.

O prefeito Fernando Haddad disse que pode multar as empresas e entrar na justiça por frota mínima, caso haja novas paralisações.

Se não houver acordo entre trabalhadores, empresas de ônibus e poder público nesta quinta-feira, 19 de maio de 2016, deve haver outro protesto fechando terminais e parando o ônibus das 14h às 16h.

Os motoristas e cobradores de ônibus reivindicam aumento salarial real de 5% mais a recomposição da inflação, Participação nos Lucros e Resultados – PLR de R$ 2 mil, plano de saúde gratuito, manutenção dos postos dos cobradores e vale-refeição diário de R$ 25.

O SPUrbanuss, sindicato das empresas, ofereceu reajuste de 2,31% nos salários e no vale-refeição.

As companhias de ônibus afirmam que têm sido constantes os atrasos pela prefeitura dos repasses em relação às gratuidades, o que tem prejudicado a condição das companhias negociar com os trabalhadores.

A prefeitura nega atrasos constantes.

A reportagem também apurou que a prefeitura propôs para que seja concedido o aumento da remuneração das empresas, a realização dos repasses de 15 em 15 dias e não mais de cinco em cinco dias, como é feito atualmente.

Pelos contratos, que hoje são regidos por renovações emergenciais ou aditivos pelo fato de a licitação dos transportes ainda não ter sido realizada, a remuneração às empresas de ônibus tem índices de reajuste que variam de acordo com a área operacional atendida.

Na média, no ano passado, esse reajuste da planilha foi de 6,8%

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

1 comentário em Greve/paralisação de ônibus em São Paulo: terminais começam a ser liberados

  1. Tenho medo do que pode acontecer se a prefeitura de s.p não der o a remuneração para as ex cooperativas nos direitos devido como empresas do transporte publico de São Paulo podera nao ser bom para todo o sistema ne..

Deixe uma resposta