Metrô de São Paulo define consórcio para construir estações do monotrilho linha 17

Monotrilho da linha 17 deveria ter sido concluído em 2012. Foto: Marcio Staffa

Obras fazem parte do lote 2 da linha e devem ter início ainda neste primeiro semestre

ADAMO BAZANI

O metrô de São Paulo informou agora há pouco que contratou o consórcio TIDP, formado pelas empresas Tiisa – Infraestrutura e Investimentos S/A e DP Barros Pavimentação e Construção LTDA, para as obras de três estações da linha 17-Ouro do Monotrilho, na zona sul de São Paulo.

As estações são: Campo Belo (integrada com a Linha 5-lilás do Metrô), Vila Cordeiro e Chucri Zaidan. As obras devem custar em torno de R$ 74 milhões e deverão ser concluídas entre o final de 2017 e início de 2018.

O contrato contempla as obras civil bruta, de acabamento, comunicação visual, hidráulica e paisagismo das três estações que compõem o Lote 2 da linha. Os trabalhos devem iniciar neste primeiro semestre de 2016.  Quando concluídas, essas três estações deverão receber 80 mil passageiros diariamente, com a Linha 17-Ouro operando de Congonhas / Jd. Aeroporto a Morumbi-CPTM. A previsão é que sejam entregues à população em 17 meses após a assinatura do contrato. Informa o Metrô em nota.

Este mesmo consórcio já atua nas obras das estações Vereador José Diniz, Brooklin Paulista, Jardim Aeroporto e Congonhas, do monotrilho da linha 17.

A linha 17 Ouro do monotrilho deveria ter 17,7 quilômetros de extensão, com 18 estações entre Jabaquara, Aeroporto de Congonhas e região do Estádio do Morumbi ao custo de R$ 3,9 bilhões com previsão de entrega total em 2012. Hoje, o orçamento está 41% mais caro somando R$ 5,5 bilhões e a previsão para a entrega de 8 estações até 2017. Atualmente, o custo por quilômetro seria de R$ 310 milhões. O monotrilho, se ficar pronto, não deve num primeiro momento servir as regiões mais periféricas.  Assim, os trechos entre Jabaquara e a Aeroporto de Congonhas e entre depois da Marginal do Rio Pinheiros até a região do Estádio São Paulo-Morumbi, passando por Paraisópolis, estão com as obras congeladas. Com este congelamento, não haverá as conexões prometidas com a linha 4 Amarela do Metrô na futura estação São Paulo – Morumbi, e nem com estação Jabaquara e da Linha 1 Azul do Metrô e Terminal Metropolitano de Ônibus e Trólebus Jabaquara, do Corredor ABD. Segundo o site do próprio Metrô, quando estiver totalmente pronto, este sistema de monotrilho atenderá 417 mil e 500 passageiros por dia.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

2 comentários em Metrô de São Paulo define consórcio para construir estações do monotrilho linha 17

  1. Curioso que várias obras a previsão e só na eleição, piada.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: