Linha 4-Amarela do Metrô recebe propostas nesta quarta-feira

Trem da linha 4 Amarela do Metrô. 13 km deveriam estar prontos em 2014. Foto: Divulgação/ Soon Park Young

Obra deveria ter sido concluída em 2014. Acompanhe cronologia

ADAMO BAZANI

O metrô de São Paulo informou na manhã desta terça-feira, 5 de abril de 2016, que amanhã, dia 6, a partir das 10 h  deve receber as propostas para conclusão da segunda fase da linha 4 Amarela compreendendo a conclusão das estações Higienópolis-Mackenzie, Oscar Freire, São Paulo-Morumbi e Vila Sônia, o terminal de ônibus na Vila Sônia, o pátio para trens também na Vila Sônia um túnel de dois quilômetros para fazer uma ligação para este pátio.

As obras devem custar em torno de R$ 1,3 bilhão e contam com o financiamento do Banco Mundial.

Em nota, o Metrô explica as novas previsões de prazos. A linha, que deveria ter sido concluída em 2014, agora só deve ser finalizada em 2019

“Amanhã (06/04), às 10h, o Metrô de São Paulo vai realizar a sessão de recebimento e abertura dos envelopes com as propostas dos consórcios de empresas interessadas em executar as obras da segunda fase da Linha 4-Amarela.

 O serviço compreende a continuidade das obras civis das estações Higienópolis-Mackenzie, Oscar Freire, São Paulo-Morumbi e Vila Sônia, além do terminal de ônibus anexo a esta última. O vencedor da licitação deve ser conhecido ainda no primeiro semestre deste ano. O contrato a ser assinado prevê os seguintes prazos para conclusão dos trabalhos, após a emissão da ordem de serviço: 12 meses para a estação Higienópolis-Mackenzie; 15 meses para a estação Oscar Freire, 18 meses para a estação São Paulo-Morumbi; e 36 meses para a estação Vila Sônia.”

Podem participar empresas isoladamente ou consórcios. Os participantes devem comprovar volume médio anual de construção de R$ 760 milhões. Em caso de consórcio, a empresa líder tem de comprovar que atendeu uma média anual de 70% desse volume exigido nos últimos cinco anos e as demais integrantes do consórcio devem provar que atenderam isoladamente ao menos 30% desse volume.

Os problemas mais recentes em relação à linha 4 do Metrô, cujo projeto original prevê 13 quilômetros de extensão entre a Luz e Vila Sônia, com 11 estações, começaram em 2015, quando houve rompimento de contrato entre o Consórcio Isolux Corsán-Corviam e o Metrô

A Companhia do Metropolitano alega que rompeu o contrato porque o consórcio não cumpriu os prazos estipulados para o andamento das obras. Já o consórcio diz que foi a iniciativa privada que rompeu o contrato e acusou o Metrô de falta de organização e de cooperação no esclarecimento de questões técnicas.

CRONOLOGIA SEGUNDO TRECHO DA LINHA 4 AMARELA DO METRÔ:

– Novembro de 2012: Assinatura de contrato por R$ 1,8 bilhão com o Consórcio Isulox Corsán-Corviam e o Metrô para construção das estações Higienópolis-Mackenzie, Oscar Freire, São Paulo-Morumbi e Vila Sônia, o terminal de ônibus na Vila Sônia, o pátio para trens também na Vila Sônia um túnel de dois quilômetros para fazer uma ligação para este pátio

– Julho de 2015: Rompimento de contrato entre Metrô e Consórcio Isulox Corsán-Corviam por atraso nas obras. Metrô e Consórcio trocam acusações.

– Novembro de 2015: Metrô abre nova licitação para este trecho.

– 17 de março de 2016: TCE – Tribunal de Contas do Estado de São Paulo suspende licitação para analisar questionamentos de construtora interessada sobre edital.

– 30 de março de 2016: TCE julga improcedentes os questionamentos e autoriza o andamento da licitação.

– 06 de abril de 2016: Metrô recebe propostas.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

2 comentários em Linha 4-Amarela do Metrô recebe propostas nesta quarta-feira

  1. Finalmente essa obras eterna saiu algo, somente a linha 4 tem 6 carros em SP?

  2. ALGUEM SABE QUEM VENCEU A LICITAÇÃO?

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: