BNDES libera R$ 200 milhões para o metrô da linha 4 do Rio de Janeiro e Kassab admite preocupação

Modelo do metrô da linha 4 do Rio de Janeiro. Cada composição tem seis carros, com capacidade para transportar 1.800 pessoas.

Outros R$ 244 milhões devem ser liberados em 15 dias. Uma estação não ficará pronta antes das Olimpíadas

ADAMO BAZANI

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, e o ministro das Cidades, Gilberto Kassab, confirmaram que nesta segunda-feira, 07 de março de 2016, o BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social depositou R$ 200 milhões na conta do Estado para as obras da linha 4 do metrô do Rio de Janeiro, considerada essencial para as Olimpíadas 2016, que vai levar os passageiros dos sistemas de ônibus para a região do Parque Olímpico.

O BNDES ainda deve liberar em 15 dias outros R$ 244 milhões para o governo do estado. Para isso, a administração estadual deve prestar contas sobre o uso da primeira parcela. Luiz Fernando Pezão disse ainda faltam R$ 480 milhões para conclusão da linha a tempo dos Jogos Olímpicos, já contanto com o segundo depósito. Nesta fase devem ser entregues as estações de São Conrado, Jardim Oceânico, Visconde de Albuquerque, Jardim de Alá, Antero de Quental e Nossa Senhora de Copacabana.

A estação da Gávea também estava prevista originalmente até às Olimpíadas, mas só deve ficar pronta em 2017, ao custo de R$ 500 milhões. Ainda não há recursos assegurados para a estrutura.

O Ministro das Cidades, Gilberto Kassab, disse em entrevista coletiva em visita às obras da estação São Conrado que está confiante, mas revela também que tem preocupações em relação ao cronograma.

“Quem não tem preocupação com uma grande obra é porque não tem responsabilidade pública. Diariamente o governador Pezão e sua equipe devem se dedicar muito preocupados que aconteça algum problema e a obra na seja entregue. É uma leviandade afirmar que não existe essa preocupação com uma obra dessa dimensão. Mas a dedicação do governador e sua equipe tem sido muito grande e o que existe é muita confiança de que essa obra seja entregue no prazo”

O chamado Tatuzão, equipamento de escavação, foi reativado, de acordo com o secretário Estadual de Transportes, Rodrigo Vieira. Faltam em torno de 200 metros para concluir os trabalhos. Atualmente o equipamento se encontra sob o canal da Avenida Visconde de Albuquerque.

O secretário também disse que em maio vão começar os testes do sistema de operação e controle. Já os trens vão ser testados entre a Barra da Tijuca e a Zona Sul a partir de junho. No mês de julho, tem início uma operação assistida. Os horários serão ampliados gradativamente até que esteja pronta a operação para as Olimpíadas que vão ser realizadas em agosto.

Em fevereiro, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, enviou e-mail ao COI – Comitê Olímpico Internacional, alertando para um eventual “risco elevado” de a obra não ficar pronta a tempo. Paes revelou que existe um plano de emergência caso a linha 4 do Metrô não fique pronta até as Olimpíadas de 2016. A alternativa é expandir o sistema BRT, de corredores de ônibus de maior capacidade e velocidade, da Barra da Tijuca até a zona sul da capital fluminense. O primeiro trecho da Linha 4 é previsto para ligar a Barra da Tijuca até Ipanema e deve transportar por dia em torno de 300 mil passageiros. A obra desta fase tem previsão para terminar em julho. São seis estações em cerca de 16 quilômetros:   Jardim Oceânico, São Conrado, Gávea, Antero de Quental, Jardim de Alah e Nossa Senhora da Paz . O trecho entre Gávea e a linha 1 do Metro tem previsão agora para 2017.

Logo depois da divulgação do e-mail, o governo do Estado do Rio de Janeiro negou que houvesse problema no cronograma que comprometesse as previsões iniciais.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta