Lucro da Marcopolo cai 60,8% em 2015. Empresa terá três forças-tarefas para 2016

Ônibus exportado pela Marcopolo. Mercado externo foi salvação para 2015 e continua sendo foco para 2016.

Uma das apostas da empresa para reduzir as perdas em 2016 é o mercado externo. A ordem é cortar custos

ADAMO BAZANI

A Marcopolo, fabricante de carrocerias de ônibus que possui ações na Bolsa de Valores de São Paulo, divulgou ao mercado nesta terça-feira, 23 de fevereiro de 2016, relatório sobre o desempenho em 2015.

Seguindo as demais fabricantes de veículos pesados atingidas pela retração econômica brasileira, a empresa com sede em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, registrou queda de 60,8% no lucro líquido totalizando R$ 86,9 milhões.

A receita líquida consolidada da fabricante em 2015, na comparação com 2014, teve recuo de 19,4%, totalizando R$ 2,739 bilhões. Em 2014, esta receita foi de R$ 3,4 bilhões.

O Ebitda, que na sigla em inglês significa o lucro antes de incidência de juros, impostos depreciação, e amortização, registrou em 2015, queda de 30,6% na comparação com 2014, chegando a R$ 212,5 milhões.

O faturamento da Marcopolo caiu 43,9% em 2015 ante 2014, passando de R$ 2,25 bilhões para R$ 1,26 bilhão.

O endividamento financeiro líquido da Marcopolo caiu de R$ 1,2 bilhão em 2014 para R$ 1,1 bilhão no final de 2015.

Em nota, a Marcopolo diz que, mesmo com a queda na produção em unidades, a empresa conseguiu percentualmente maior participação no mercado de carrocerias de ônibus.

“A significativa retração da demanda brasileira por ônibus foi o principal motivo para a queda da receita. O mercado nacional caiu 38,4%, com a fabricação de 17.511 unidades (contra 28.429 unidades de 2014). Em que pese a retração do mercado nacional, a participação de mercado da Marcopolo aumentou para 40,7% em 2015, contra 39,6%, em 2014.”               

A produção específica do Grupo da Marcopolo em todo o mundo diminuiu 37,5%, passando de 17,7 mil ônibus em 2014 para 11 mil ônibus em 2015. Deste total, 8,9 mil ônibus fabricados nas plantas brasileiras em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, e em Xerém, distrito de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, número que é 42,7% menor que a produção da marca em 2014.

No caso da Volare, divisão de ônibus de pequeno porte, segundo a Marcopolo, além da crise econômica brasileira, a menor demanda de veículos escolares para o programa Caminho da Escola e o atraso do Governo Federal para pagar os miniônibus já entregues ao programa também contribuíram para a retração.

MERCADO EXTERNO:

A desvalorização do real frente ao dólar pode ser sentida pela Marcopolo que teve um desemprenho curioso no mercado exterior. Enquanto as exportações subiram 8,5% em 2015, com 1766 ônibus, excluindo os kits montados, contra 1628 ônibus exportados em 2014, a produção nas unidades do exterior caiu 5,1%, somando, em 2015, 2254 ônibus.

O mercado externo foi sem dúvida o que impediu que a Marcopolo tivesse perdas ainda maiores. Somando as exportações e os negócios feitos no exterior, as receitas relativas à comercialização de ônibus em outros países e para outros países teve alta de 28,5% passando de R$ 1,148 bilhão para R$ 1,475 bilhão, em 2015.

“Em relação às operações no exterior, a Marcopolo produziu 2.254 ônibus nas unidades da África do Sul, Austrália e México, contra 2.376 no ano anterior. A África do Sul registrou crescimento de 3,7% e fabricou 334 ônibus, em 2015, contra 322, em 2014. Na Austrália, o desempenho foi praticamente estável, com a produção de 428 unidades, contra 435 no ano anterior. No México, a produção atingiu 1.492 unidades em 2015, contra 1.619 em 2014.” – diz a Marcopolo em nota.

ESTRATÉGIAS PARA 2016:

A Marcopolo acredita que apesar do represamento de renovação de frota ser grande, somente com a recuperação do quadro econômico e político brasileiro é que haverá uma reação de fato dos empresários de ônibus, tanto urbanos como rodoviários.

Segundo a empresa três medidas básicas são necessárias para enfrentamento da situação que ainda inspira cuidados: o fortalecimento das exportações, redução de despesas e aumento da eficiência na produção e vendas. Acompanhe a nota completa:

“De acordo com a direção da Marcopolo, a companhia segue engajada na adoção de três forças-tarefas para acelerar as atividades críticas que colaborem para superar as dificuldades advindas de um mercado interno ainda estagnado em um nível bem abaixo do histórico. As ações incluem o fortalecimento da atuação nos mercados de exportação e ampliação do portfólio de clientes, medidas para a redução de despesas e custos indiretos, e do aumento da eficiência operacional por intermédio da adoção dos conceitos LEAN, além da melhoria do capital de giro pela redução de estoques e recebíveis. 

As exportações a partir do Brasil seguem aquecidas, impulsionadas principalmente pela taxa de câmbio mais competitiva. As ações da companhia visando a cobertura de novos mercados e a ampliação do portfólio de clientes no exterior já trazem reflexo nos negócios fechados e naqueles em andamento. Em relação às unidades controladas da Marcopolo no exterior, a empresa espera um ano melhor na Austrália, onde o programa de transformação está refletindo na melhora da eficiência operacional. No México, a Marcopolo pretende intensificar a sua presença, especialmente no segmento de rodoviários, tanto por intermédio da continuidade da parceria com a Mercedes, como também pelas novas oportunidades de encarroçar com outras marcas de chassis. 

Apesar das dificuldades advindas do momento político e econômico brasileiro, a companhia segue acreditando na necessidade de investimentos em sistemas de mobilidade urbana e na renovação da frota brasileira de ônibus. Acredita também que a retração da demanda em 2015 e nesse início de 2016 representa um represamento de pedidos que deverá se reverter em novos negócios assim que as condições econômicas e políticas do país permitirem.”

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

1 comentário em Lucro da Marcopolo cai 60,8% em 2015. Empresa terá três forças-tarefas para 2016

  1. com o financiamento como esta ,vai ser dificil para os empresarios.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: