Oficina em São Paulo vai discutir como melhorar os deslocamentos a pé nas cidades

calçadas

Frota de ônibus acessíveis em São Paulo já é maioria, mas condições inadequadas das calçadas e reformas sem sinalização dificultam os deslocamentos nas cidades. Foto: André Porto

Falta de infraestrutura adequada e de políticas públicas são grandes entraves para melhorar a circulação de pedestres e aumentar a segurança

ADAMO BAZANI

O número de locomoções a pé nas cidades brasileiras supera todas as outras formas de deslocamento.

No entanto, caminhar nas áreas urbanas, inclusive nas regiões centrais, é um grande desafio.  Nas periferias então, a situação se agrava. Existem vias que não possuem calçadas ou qualquer outro espaço para pedestres e os casos de atropelamentos nestas regiões são comuns, mas pouco aparecem na mídia.

Em diversos sistemas de transporte os ônibus e estações de trem e metrô com acessibilidade já são maioria, mas é difícil chegar até eles pelas condições das calçadas.

A situação, entretanto, pode mudar, inclusive com investimentos não muito altos. É o que vai discutir em São Paulo uma oficina com técnicos e especialistas realizada por uma parceria entre Comissão Técnica de Mobilidade a Pé e Acessibilidade da ANTP – Associação Nacional de Transportes Públicos e ONG Cidadeapé.

O evento é gratuito e ocorre neste sábado, dia 20 de fevereiro de 2016, na região central da Capital Paulista sendo voltado tanto para profissionais, especialistas em mobilidade, gestores públicos e população em geral.

O horário é das 9h às 16h, no Colégio Equipe que fica na Rua São Vicente de Paula, 374, perto do Metrô Marechal Deodoro, linha 3 Vermelha.

As inscrições devem ser feitas pela internet: https://docs.google.com/forms/d/1UZPOxUVCwXhBBaZKgSJ_5I_8gkFLjKGi-G2Mcqoa1Ug/viewform

Programação

Parte 1 – O que é mobilidade a pé – discussão

Das 9h às 12h
Responsável: Meli Malatesta

  1. Características da mobilidade a pé
  2. Relação da mobilidade a pé com outros modos de transporte
  3. Rede de mobilidade a pé e sua infraestrutura

Parte 2 – Caminhabilidade na prática

Das 13 às 16 hs
Responsável: Meli Malatesta

  1. Instrumentos de aferição da qualidade da infraestrutura da mobilidade a pé (metodologias)
  2. Método para contagem de pedestres

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: