Alckmin centraliza decisão sobre sigilos para os transportes metropolitanos e regionais

Trem da manutenção da CPTM. Decisões sobre o que vai ser ou não segredo foram centralizadas

Pelas novas resoluções, alguns só podem ser controlados diretamente pelo próprio governador, vice governador, secretários de estado e Procuradores

ADAMO BAZANI

Quatro meses depois de ter revogado os sigilos sobre documentos da CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, Metrô, serviços de ônibus intermunicipais gerenciados pela EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos, SAP – Secretaria de Administração Penitenciária, Polícia Militar e Secretaria de Segurança Pública, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, decretou uma nova forma de restrição de acesso aos dados operacionais, de planejamento, sindicâncias e investigações. Informações relativas à Estrada de Ferro Campos do Jordão também foram colocadas em sigilo.

Os segredos podem variar de cinco anos a 100 anos dependendo do tipo de informação.

Agora, de acordo com as novas resoluções, somente o governador, vice-governador, secretários de estado e procuradores podem decidir sobre os novos sigilos. Eles não podem passar para subordinados a função de determinar sobre o que deve ou não ser colocado em segredo.

No caso da CPTM são dados sigilosos documentos técnicos sobre sistema de sinalização, freios e tráfego dos trens. Também não podem ser disponibilizadas informações sob segredo de Justiça, de inquéritos ações penais, apurações de corregedoria e faltas disciplinares.

Em relação ao Metrô, foram classificados como sigilosos relatórios de desempenho da manutenção, análises de ocorrências, diário operacional, documentos técnicos de sistemas, ficha de ocorrência com os trens e apurações de incidentes graves.

Sobre a Estrada de Ferro Campos do Jordão informações sobre a frequência de rádio e dos documentos técnicos sobre a operação e manutenção dos trens, além de apurações preliminares relacionadas aos servidores comunicação também agora são sigilosas.

A STM – Secretaria de Transportes Metropolitanos tem como sigilosos dados relacionados aos servidores públicos e ao plano diretor de informática.

A Secretaria de Administração Penitenciária classificou como sigilosos dados como entrada e saída de armas e munições, instalação de bloqueadores de celular e monitoramento eletrônico, ações contra facções criminosas e dados pessoais.

Na Secretaria de Segurança Pública tornam sigilosos os dados pessoais de vítimas e testemunhas, além de informações que possam comprometer investigações em andamento. Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

1 comentário em Alckmin centraliza decisão sobre sigilos para os transportes metropolitanos e regionais

  1. Esse governador mais uma vez mostra a que veio. Nem precisa instituir o sigilo de informações de interesse público, já que tem o judiciário e o MP aos seus pés.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: