Licença remunerada para 1,5 mil funcionários da Mercedes-Benz começa na próxima quarta-feira

Ônibus Mercedes-Benz. PPE não foi suficiente para adequar mão de obra à demanda.

Afastamento será por tempo indeterminado. Montadora diz que medida é por causa do baixo desempenho nas vendas e produção de ônibus e caminhões

ADAMO BAZANI

A Mercedes-Benz anunciou que a partir da próxima quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016, coloca em licença remunerada aproximadamente 1.500 funcionários da planta de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, onde são produzidos caminhões, chassis de ônibus, motores, câmbios e componentes. O número representa 15% dos aproximadamente dez mil trabalhadores da unidade, a maior da empresa no Brasil e uma das maiores no mundo.

De acordo com a Mercedes Benz, atualmente há um excedente de dois mil funcionários na planta.

O afastamento é por tempo indeterminado, no entanto, em maio será realizada uma avaliação com base nos números do mercado, que pode definir o futuro destes trabalhadores. Todas as possibilidades são levadas em conta, como volta ao trabalho ou mesmo demissões com o fim do PPE – Programa de Proteção ao Emprego, que permite redução na jornada de trabalho e nos salários de 30%, com metade deste percentual sendo restituída por recursos do FAT – Fundo de Amparo do Trabalhador.

Os dez mil trabalhadores, incluindo os 1,5 mil que serão afastados, estão incluídos no PPE, que no caso da Mercedes-Benz contempla uma redução de 20% na jornada e nos salários.

Segundo a Mercedes-Benz, o PPE não foi suficiente para ajusta a força de trabalho à demanda por causa do baixo desempenho das vendas e produção de ônibus caminhões motivado pela crise econômica e dificuldades de financiamentos.

De acordo com o balanço da Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, as vendas de ônibus e caminhões em 2015 tiveram queda acumulada de 45,53%, com 92 mil 110 veículos pesados emplacados. A queda nas vendas de caminhões foi a maior, chegando a 47,62%. Somando os diversos segmentos, neste ano foram emplacados 71 mil 787 caminhões. Já as vendas de ônibus acumularam perdas de 36,57% em 2015 em relação a 2014.

No ano passado, foram emplacados 20 mil 323 ônibus, entre rodoviários, urbanos e micro-ônibus.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: