Estudo da Unicamp propõe mudanças nos transportes de Campinas

onibus
Ônibus em Campinas. Prefeitura dever levar em consideração propostas da Unicamp em licitação que deve ser iniciada até março

De acordo de acordo com levantamento, empresas de ônibus não poderiam vender bilhetes e atual tarifa é insuficiente para custear os serviços

ADAMO BAZANI

Estudo sobre o sistema de transportes de Campinas desenvolvido pelo Núcleo de Economia Social, Regional e Urbana da Unicamp, sob supervisão do professor Miguel Juan Bacic, mostra que diversos aspectos do sistema da cidade precisariam ser alterados para melhoria dos serviços à população e redução dos custos.

Os trabalhos foram encomendados em 2014 e deveriam ser entregues no final de 2015, no entanto, somente no segundo semestre do ano passado os dados foram consolidados.

De acordo com o estudo da universidade, os atuais R$ 3,80 de tarifa são insuficientes para custear o sistema de transportes. Sendo assim, são necessários subsídios. Neste mês de janeiro, a prefeitura repassou R$ 7 milhões para o sistema, ou seja, 40% a mais em comparação a janeiro do ano passado.

A Unicamp também apontou como um problema para a realidade de Campinas o fato de as empresas de ônibus comercializarem o bilhete de transportes. Segundo os estudos, para que o processo seja mais racionalizado e transparente, a bilhetagem deveria ficar a cargo de empresas terceirizadas ou então da própria prefeitura.

Segundo o estudo, as empresas de ônibus deve formar SPEs – Sociedades de Propósito Específico, a exemplo do que pede a licitação dos transportes na cidade de São Paulo. Com isso, elas só operariam os transportes coletivos e se isolariam de outros fins.

A Unicamp também sugere a criação de um software pelas empresas para que o município acesse dados de arrecadação e de operação em tempo real.

Os contratos, ainda de acordo com a Universidade, devem ser avaliados a cada três anos, incluindo os das cooperativas.

De acordo com a secretaria de Transportes, a licitação que deve ser feita até março deve levar em conta as proposta da Unicamp.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes