Desembolsos do BNDES para ônibus e caminhões novos e transportes urbanos caem, mas economia verde recebe mais recursos

Ônibus elétrico-híbrido. Economia verde, que inclui veículos de transporte coletivo menos poluentes, contou com maiores desembolsos do BNDES, mas recursos e procura são considerados insuficientes.

Setor de infraestrutura que inclui obras de transportes como metrô e corredores de ônibus mesmo assim recebeu a maior parte dos financiamentos.

ADAMO BAZANI

Diante da crise econômica, o BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social realizou menos desembolsos entre janeiro e outubro de 2015 em comparação com semelhante período do ano passado.

De acordo com balanço divulgado pelo banco nesta quinta feira dia 19 de novembro de 2015, foram liberados nestes dez meses R$ 105 bilhões e 500 milhões, o que representa queda de  28%.

As aprovações de liberação de recursos caíram 46% entre janeiro e outubro deste ano, somando R$ 81 bilhões de reais.

Nos primeiros dez meses deste ano, a maior parte dos desembolsos foi para o setor de infraestrutura, que representou R$ 40,8 bilhões. Neste segmento, os destaques foram para energia elétrica com R$ 14,6 milhões reais e transportes com R$ 6,2 bilhões, incluindo operações de financiamento para transportes por um ônibus urbano, metroviário, aéreo aquaviário e dutoviário.

No entanto, comparando os acumulados de últimos doze meses, entre outubro do ano passado e outubro deste, a queda de desembolsos para infraestrutura é de 15%. Neste período, foram liberados R$ 57,1 bilhões.

O PSI – Programa de Sustentação do Investimento, principal linha de financiamento para ônibus e caminhões novos, liberou entre outubro de 2014 e outubro de 2015, 43% menos recursos em comparação aos 12 meses anteriores, com um total de R$ 42,4 bilhões, segundo balanço do BNDES. As dificuldades encontradas por empresas frotistas por causa da crise e a linha que, apesar ser ainda vantajosa, está mais cara podem ajudar a explicar o fato.

OUTROS SETORES:

Para o setor da indústria, os desembolsos dos dez meses de 2015 atingiram R$ 30 bilhões – participação de 28%, seguido por comércio e serviços, com R$ 23,3 bilhões, e agropecuária, que recebeu R$ 11,5 bilhões.

Segundo o BNDES entre o total de desembolsos, 30% tiveram como destino micro, pequenas e médias empresas, totalizando R$ 31,4 bilhões de reais em aproximadamente 780 mil operações de financiamento.

ECONOMIA VERDE:

O BNDES destaca o crescimento das liberações dos segmentos que formam a chamada “economia verde”, que e tiveram alta, entre janeiro e outubro deste ano, de 10,7% na comparação com o mesmo período do ano passado, totalizando R$ 23 bilhões de reais. Neste tipo de segmento, com base classificação internacional, estão projetos relacionados a fontes de energias renováveis, a eficiência energética, produção florestal, modais de transportes híbridos e elétricos, como ônibus à bateria, saneamento e melhorias agrícolas.

No entanto, especificamente sobre os ônibus menos poluentes, os financiamentos ainda contam com um total de desembolso ainda não significativo. Um dos motivos é a falta de estímulos e até exigências dos poderes locais para uma mobilidade mais limpa, refletindo uma procura ainda pequena por esta frota.

Veja nesse link o relatório do BNDES da evolução dos desembolsos:

ADAMO-Bol_Desempenho_e_Setorial

 Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: