Com verbas federais, ABC vai tocar 21 projetos de mobilidade

Publicado em: 12 de novembro de 2015

ônibus Santo André

Ônibus em Santo André. Projetos de mobilidade devem dar prioridade ao transporte coletivo, mas as obras só devem começar entre 2016 e 2017 – Foto: Adamo Bazani

Consórcio diz que fluxo de ônibus terá prioridade em vias que serão duplicadas. Região deve ter um CCO, mas obras vão demorar

ADAMO BAZANI

O Consórcio Intermunicipal do ABC anunciou que nas próximas semanas devem ser assinados os contratos para a elaboração de 21 projetos de mobilidade urbana para a região. Muitos já tinham propostas antigas, mas não saíam do papel por falta de recursos.

Os 21 projetos devem ser elaborados em até 18 meses e só depois é que as obras devem ser iniciadas. Ou seja, a população só deve ver o começo das intervenções entre o final de 2016 e o ano de 2017.

Estes projetos vão custar R$ 26,4 milhões, que fazem parte dos R$ 31,6 milhões liberados pelo Ministério das Cidades. As obras terão custos maiores, mas sem os projetos, não há mais liberação de recursos para as intervenções se concretizarem,

Na quarta-feira, 11 de novembro de 2015, o ministro Gilberto Kassab esteve na região. Do total liberado, R$ 5,2 milhões são para o projeto do Centro de Controle de Operações (CCO) Regional.

Apesar de a notícia ser positiva, revela atrasos de liberação de verbas do Governo Federal para o trânsito e transportes na região. Quando esteve no ABC em 2013, Dilma Rousseff anunciou R$ 2,1 bilhões pelo PAC para a mobilidade em duas fases. Os projetos anunciados nesta quarta fazem parte da primeira fase do Plano de Mobilidade do ABC, orçado em R$ 1 bilhão. No entanto, pelo cronograma previsto pelo Governo Federal na época, muitas destas obras já deveriam estar em execução e não ainda na elaboração de projeto.

Segundo nota do Consórcio, os 21 projetos preveem intervenções em três eixos: Ligação Leste-Oeste, Corredor Sudeste e Eixo Guido Aliberti / Lauro Gomes / Marginal Córrego Taioca. As obras, promete a entidade que reúne os sete prefeitos da região, vão priorizar espaços para os ônibus e já devem se adequar ao monotrilho da linha 18, que não tem mais prazo para ser concluído por dúvidas técnicas e faltas de recursos.

Confira as intervenções:

 Eixo Ligação Leste-Oeste

1 – Implantação de tratamento preferencial para o transporte coletivo ao longo do corredor formado pelas avenidas Da. Ruyce Ferraz Alvim e Antônio Dias Adorno em Diadema;

2 – Construção de viaduto na Av. Da. Ruyce Ferraz Alvim sobre a Rodovia dos Imigrantes, com projeto compatível com o corredor preferencial ao transporte coletivo a ser implantado nesta via, em Diadema.

Eixo Av. G. Aliberti / Av. L. Gomes / Av. Marg. Córrego Taióca

3 – Construção de viaduto de acesso da Av. Guido Aliberti para a Av. dos Estados (sentido São Paulo) em São Caetano do Sul;

4 – Construção da pista da Av. Guido Aliberti no Município de São Paulo no trecho da Av. dos Estados até a Av. Almirante Delamare e construção do tabuleiro sobre o Ribeirão dos Meninos, na Av. Guido Aliberti, próximo à Av. Almirante Delamare;

5 – Duplicação do viaduto sobre a ferrovia e adequação geométrica de circulação do cruzamento da Rua Conselheiro Antônio Prado com a Av. Guido Aliberti (considerando a implantação no local de uma estação do Monotrilho da Linha 18), em São Caetano do Sul;

6 – Adequação geométrica da Av. Guido Aliberti no trecho da Av. Almirante Delamare até a Av. São  João Batista  para implantação de tratamento preferencial para transporte coletivo em São Caetano do Sul;

7 – Construção da pista da Av. Guido Aliberti no Município de São Paulo no trecho da Av. Nelson Braido/Av. Fernando Simonsen até o Ribeirão dos Couros (limite com São Bernardo do Campo) e construção do tabuleiro sobre o Ribeirão dos Meninos, próximo ao bairro Cerâmica;

8 – Construção de viaduto na Av. Lauro Gomes de transposição em desnível no cruzamento com a Av. Pereira Barreto, incluindo a reconfiguração geométrica dos acessos para o Caminho do Pilar, em Santo André e para a Rua Thales dos Santos Freire;

9 – Construção da Marginal Córrego Taióca (lado Santo André), desde a Av. Pereira Barreto até a conexão com a Av. São Bernardo do Campo, com tratamento preferencial para o transporte coletivo;

10 – Construção da Marginal Córrego Taióca (lado São Bernardo do Campo), desde a Av. Pereira Barreto até a conexão com a Av. São Bernardo do Campo, com tratamento preferencial para o transporte coletivo;

11 – Construção da via Marginal ao Córrego Taióca Antigo desde a Estrada João Ducim até a Av. Adriático, contemplando tratamento preferencial para o transporte coletivo em Santo André;

12 – Duplicação da Av. São Bernardo do Campo com tratamento preferencial ao transporte coletivo até o Terminal de Vila Luzita, prevendo, a médio prazo, a implantação do monotrilho em Santo André.

Eixo Corredor Sudeste

13 – Implantação de tratamento preferencial ao transporte coletivo da Av. Goiás em São Caetano do Sul ;

14 – Implantação de tratamento preferencial ao transporte coletivo e eliminação de estacionamento no binário das ruas Goiás e Alegre em São Caetano do Sul;

15 – Implantação de tratamento preferencial para o transporte coletivo na Av. D. Pedro II, em Santo André ;

16 – Duplicação da Av. Industrial desde o viaduto Presidente Castelo Branco em Santo André até o limite com São Caetano do Sul ;

17 – Extensão da Av. Itambé (paralela à ferrovia), desde a Estação de Santo André até o Terminal Rodoviário (TERSA) ;

18 – Implantação de tratamento preferencial ao transporte coletivo na Av. Santos Dumont e Av. Giovani Batista Pirelli em Santo André;

19 – Construção de viaduto de transposição da Av. Giovanni Batista Pirelli sobre a Marginal Cassaquera em Santo André ;

20 – Ampliação da capacidade e implantação de tratamento prioritário para o transporte coletivo na Av. Capitão João e Av. João Ramalho em Mauá;

21 – Ampliação de capacidade e implantação de tratamento prioritário para o transporte coletivo na Av. Humberto de Campos em Ribeirão Pires.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. J disse:

    GOVERNO PTRALHA DE NOVO PROMETENDO MUNDOS E FUNDOS PRA SE MANTER NO PODER…E AINDA Q TUDO ISSO SAIA DO PAPEL…O RESTO DA GRANDE SP E A CAPITAL MESMO…Q SE DANE NÉ! “TA SERTÚ!!” !!

    1. mobilidade.sa disse:

      Uma coisa não tem nada a ver com a outra. O fato do ABC ser contemplado com os recursos não significa que está sendo privilegiado e sim que o consórcio cumpriu seu papel de definir os projetos e apresenta-los de forma técnica ao governo, que é quem detém os maiores montantes de recursos. O que a capital e o restante da Grande São Paulo apresentou de propostas que pleiteavam recursos?

      Não devemos politizar demais estas questões. Se for assim, onde estão as críticas ao governo do estado que praticamente ignora os investimentos em mobilidade na região do ABC? Cadê as críticas à precariedade dos ônibus da EMTU? Cadê as críticas aos sofríveis serviços da CPTM? Cadê as críticas ao prometido e alardeado monotrilho da L18 que não tem nem mais previsão de início das obras, com desculpas apoiadas na falta de recursos federais para desapropriações?

      A L18 também teria sido uma promessa de mundos e fundos para ajudar na reeleição do Alckmin e que agora, já reeleito, fica arrumando desculpas para não cumprir o que prometeu?

      Por outro lado, todos estes problemas na esfera estadual passam além da fraca gestão deste governo, por uma conveniência e leniência total dos gestores do ABC nas relações com o governo do estado.

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    E as enchentes do ABCDM ????????

    BRR – Barcos Rapid Rios …

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta