Bombardier e Solaris testam ônibus elétrico com tecnologia por indução

solaris bus

Solaris Urbino 12 Electric pode ganhar escala comercial maior e é aposta de autoridades alemãs para combater a poluição. Divulgação Solaris.

São quatro veículos operando em Berlim. Recarga é feita em sete minutos

ADAMO BAZANI

A Bombardier e a Solaris formaram uma parceria e testam quatro ônibus elétricos com tecnologia de recarga por indução, em Berlim, na Alemanha.

O objetivo é, após ajustes determinados pelos testes, começar a oferecer os veículos comercialmente em maior escala.

Os veículos percorrem um trajeto de 6,1 quilômetros e as recargas são feitas por placas instaladas nos terminais localizados nos extremos da linha 204 que liga a estação de Südkreuz à Universidade Tecnológica de Berlim.

O carregamento é feito num tempo que varia de quatro a sete minutos.

Os veículos são feitos pela Solaris Bus & Coach, marca polonesa, e as baterias, estações de recarga pela Bombardier. O sistema elétrico é marca Vossloh Kiepe.

As baterias, instaladas no teto dos ônibus, são de lítio.

Os ônibus modelo Solaris Urbino 12 Electric possuem 12 metros de comprimento, pesam 18 toneladas e têm capacidade para 70 passageiros, dos quais, 33 sentados. A velocidade máxima com o equipamento elétrico é de 65 quilômetros por hora.

Os veículos são operados pela empresa de transportes públicos Berliner Verkehrsbetriebe – BVG e foram financiados pelo programa E-Bus-Berlim. Os investimentos foram de 4,1 milhões de euros pelo Ministério dos Transportes e Ministério de Infraestrutura Digital da Alemanha. A Universidade Tecnológica de Berlim faz o acompanhamento técnico.

Com os ônibus, as autoridades querem poupar a atmosfera de 260 toneladas de gás carbônico por ano.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

4 comentários em Bombardier e Solaris testam ônibus elétrico com tecnologia por indução

  1. Muito caroooooooooo!!

  2. Amigos, boa noite.

    Que timão.

    É isso ai, ou o planeta Terra sufoca no efeito estufa.

    Att,

    Paulo Gil

  3. Tem que testar e aprimorar mesmo, pode fazer grande diferença.
    Investimento válido e benvindo!

  4. José Amarildo Felício da Silva // 11 de setembro de 2015 às 22:32 // Responder

    Amigos do Bus, pena que no Brasil todos os investimentos referente às renovações de frota têm que ser realizados pela iniciativa privada. Em algumas cidades americanas as frotas de ônibus pertencem às prefeituras.é bom lembrar que veículos desse tipo custam cerca de 1.7 milhão de dólares.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: