Urbs ainda não liberou informações para cadastro de gratuidades na Região Metropolitana de Curitiba

Metrocard

Ônibus da região metropolitana de Curitiba. Empresas aguardam relação de passageiros para gratuidade na nova bilhetagem eletrônica.

Empresas dizem que passageiros que não pagam tarifa terão o direito assegurado

ADAMO BAZANI

A empresa municipal que gerencia os transportes na capital paranaense, Urbs – Urbanização de Curitiba S.A. , ainda não liberou para a Comec – Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba, órgão do governo do estado do Paraná, a relação dos passageiros com direito à gratuidade.

A informação foi divulgada nesta segunda-feira, dia 27 de julho de 2015, pela Metrocard, responsável pela nova bilhetagem eletrônica que vai ser implantada no dia 06 de agosto nos treze municípios vizinhos de Curitiba.

A Metrocard congrega as 17 empresas de ônibus que prestam serviços na região metropolitana.

O relatório, hoje com a Urbs, é necessário para que os passageiros que contam com gratuidade possam ter acesso liberado nos ônibus metropolitanos. Em nota, a Metrocard diz, entretanto que, mesmo ainda sem a resposta da Urbs, os passageiros dispensados de pagar a tarifa, vão continuar contanto com o benefício.

“O acesso a essas informações (relação dos passageiros) é fundamental para que seja elaborada e disponibilizada uma lista de liberações nos validadores do novo sistema de bilhetagem eletrônica, a fim de que os portadores de gratuidades usufruam normalmente do benefício até que realizem seu recadastramento e obtenham os novos cartões.  Ainda no aguardo da devolutiva da URBS com o envio do relatório para que a atualização possa ser feita o mais breve possível, a Metrocard reitera que os direitos dos passageiros que têm gratuidade garantida por lei serão rigorosamente observados e os beneficiários não perderão, sob qualquer hipótese, o direito de utilizar o serviço de transporte coletivo da RMC, gratuitamente, como a legislação estadual assegura.  Após a liberação da lista de dados supracitada, eles poderão, transitoriamente, utilizar os cartões emitidos pela URBS até que o processo de recadastramento seja concluído.”

A Urbs ainda não deu previsão de quando será liberada a relação de passageiros para a Comec e à Metrocard.

A Metrocard fez a primeira solicitação para a Comec, que repassou o pedido à Urbs.

A criação de um novo sistema de bilhetagem na região metropolitana foi necessária devido à desintegração do gerenciamento dos recursos dos transportes. Antes, a gestão era de responsabilidade da Urbs, mesmo nas cidades vizinhas da capital. Com um mesmo cartão, era possível usar os ônibus da RIT – Rede Integrada de Transporte em Curitiba e em 13 municípios do entorno.

A separação ocorreu depois de desentendimentos políticos entre o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, do PDT, e o governador do Paraná, Beto Richa, do PSDB.

Não houve consenso entre o estado e a prefeitura sobre os custos dos sistemas de Curitiba e da região metropolitana e a respeito dos subsídios para que as integrações fossem mantidas.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: