Monotrilho da linha 15 Prata tem ampliação de horário adiada pelo governo de São Paulo

monotrilho linha 15 Prata

Trem do monotrilho da linha 15 Prata no Pátio Oratório. Ampliação do horário de funcionamento é adiada e obras vão sofrer mais atrasos. Foto: Metrô

Monotrilho da linha 15 tem ampliação de horário adiada pelo governo do estado

Segundo o Metrô, Bombardier atrasou a liberação de novos trens. Bombardier responsabiliza o governo

ADAMO BAZANI – CBN

Informações Folha de São Paulo

O monotrilho da linha 15 Prata, previsto para ligar a Cidade Tiradentes, na zona Leste de São Paulo, até o Ipiranga, na zona Sudeste, teve a ampliação de horários de funcionamento adiada pelo governo do estado de São Paulo.

Em março, o secretário de transportes metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, disse que no mês seguinte, o funcionamento entre as estações Oratório e Vila Prudente, o único trecho com condições de operação, seria de 12 horas, entre 7h e 19h. No final de junho, no entanto, ainda o horário de funcionamento é das 9h às 14h . Agora, a nova previsão é até o final deste mês.

O Metrô, responsável pela operação da linha, atribuiu o descumprimento da promessa a atrasos do consórcio das obras e fornecimento de trens, em especial a Bombardier. Segundo o Metrô, atrasos nas sinalizações de linhas, liberação de novos trens, e ajustes nas atuais composições, como no sistema de abertura de portas, já provocaram multas aos consórcios.

A Bombardier rebateu e informou que  “trabalha para atender as necessidades do Metrô, mesmo considerando as limitações de infraestrutura impostas por outras empresas contratadas pelo próprio Metrô e que não são de responsabilidade da Bombardier.”

Neste ano, o jornal Folha de São Paulo revelou que as obras do monotrilho linha 15 ainda sofreram outro problema. Engenheiros “descobriram” galerias de águas que não teriam sido detectadas no projeto. Agora, estas galerias são remanejadas.

Com 2,9 quilômetros de extensão, hoje o monotrilho em cinco horas diárias de operação, transporta mil pessoas por dia: 1,4% da capacidade que seria de 69 mil pessoas no trecho.

Os trens do monotrilho, que opera em elevados, podem ter sete carros, com capacidade para 1.022 passageiros, dos quais 122 sentados e 880 em pé.

A linha ao todo deve ter 26,6 quilômetros de extensão, com capacidade para 500 mil passageiros por dia, segundo o governo do estado. Este total de pessoas atendidas, segundo especialistas, pode estar superestimado.

As 17 estações que deveriam ficar prontas até o final deste ano, agora só devem ser concluídas no fim de 2016.

Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

1 comentário em Monotrilho da linha 15 Prata tem ampliação de horário adiada pelo governo de São Paulo

  1. Amigos, boa noite.

    Nooooooooooooossa

    Nem buzao nem aerotrem.

    Quanto descaso.

    Se nao tivessemos o inicio pela Estrada de Ferro Sorocabana e a Estrada de Ferro Santos a Jundiai – EFSJ, com certeza a CPTM nem existiria.

    O pior e que todas os erros e justificativas sao os mesmos.

    Nessa altura dos acontecimentos, implode tudo que dara menos prejuizo, afinal o aertorem nao parte porque faltou o apito ou porque falta o apito o aerotrem nao parte.

    Bom isso nao importa.

    Implode tudo.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: