Motoristas e cobradores de São Paulo rejeitam propostas das empresas de ônibus

Publicado em: 14 de maio de 2015

ônibus greve

Em protesto na última terça-feira, motoristas e cobradores de ônibus de São Paulo fecharam terminais. Folha/Imagem

Motoristas e cobradores de São Paulo não aceitam propostas das empresas de ônibus

Categoria realizou assembleia na tarde desta quinta-feira. Nova paralisação deve ser definida em assembleia na terça-feira, se não houver outra oferta das viações

ADAMO BAZANI – CBN

Motoristas e cobradores de ônibus da Capital Paulista decidiram na tarde desta quinta-feira, 14 de maio de 2015, rejeitar a proposta das empresas de ônibus, de 8,5% de aumento salarial. O Sindmotoristas – Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo promoveu uma assembleia.

Os trabalhadores não definiram uma nova paralisação e espertam uma nova proposta até terça-feira. No entanto, no próximo dia 18 de maio, segunda-feira, trabalhadores das áreas de manutenção, funilaria e borracharia nas garagens devem parar.

Anteriormente, o SPUrbanuss – Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo ofereceu reajuste salarial de 7,21% para os motoristas e cobradores, de acordo com correção do índice inflacionário da Fipe – Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas. Os trabalhadores pediram inicialmente 15,5% de reajuste, sendo 8% referentes a correção inflacionária e 7,5% de aumento real.

Na última terça-feira, dia 12 de maio de 2015, os trabalhadores pararam 33 terminais de ônibus em São Paulo, das 10 h até pouco depois das 12 h, sendo três áreas para ônibus municipais de espaços da EMTU e Metrô e os 29 terminais gerenciados pela SPTrans – São Paulo Transporte.

De acordo com a gerenciadora, 675 mil passageiros foram afetados diretamente com a paralisação. Não houve registros de tumulto ou vandalismo.

O piso salarial de motorista de ônibus em São Paulo é de R$ 2.151,40 e de cobrador é de R$ 1.244,20. A data base é em maio. No ano passado, o aumento foi de 10%.

Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Ricardo Farias disse:

    Ádamo, essa foto ai que você utizou no início da matéria é do dia da paralisação, pois ao olhar com atenção podem ser observados dois Torinos Trólebus na fila do meio, na segunda e terceira posição.

  2. cleber disse:

    Sem falar que a participação de lucro doa funcionários, e uma vergonha, apenas 850 reais!

Deixe uma resposta