Contra 500 demissões, metalúrgicos entram em greve na Mercedes-Benz do ABC

ônibus

Ônibus Mercedes-Benz. Metalúrgicos fazem greve na montadora contra 500 demissões Divulgação

Contra demissões, metalúrgicos entram em greve na Mercedes-Benz

Fabricante de ônibus e caminhões anunciou corte de 500 trabalhadores por causa do baixo volume de vendas

ADAMO BAZANI – CBN

Os metalúrgicos da Mercedes-Benz, de São Bernardo do Campo, entraram em greve por tempo indeterminado na manhã desta quarta-feira, dia 22 de abril de 2015.

O principal motivo foi o anúncio de 500 demissões por parte da montadora de caminhões e ônibus, que alega queda nas vendas e produção devido ao mau desempenho econômico brasileiro. Estes veículos são bens de capital e o mercado deles reflete o nível de investimentos de outros setores da economia, diferentemente de carros e motos que são, em sua maioria, bens de consumo.

E é justamente os segmentos de caminhões e ônibus os mais prejudicados no setor de automóveis, de acordo com a Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores.

Os 500 trabalhadores da Mercedes-Benz relacionados para demissão no dia 04 de maio faziam parte do grupo de 712 funcionários que estavam em lay-off, suspensão de contratos de trabalho.

As outras unidades da Mercedes, que ofereceram estabilidade aos trabalhadores, operam normalmente.

A fábrica de São Bernardo do Campo é a principal da montadora no País, onde são produzidos ônibus, parte da linha de caminhões e peças.

Segundo a Mercedes-Benz, a planta tem cerca de 10,5 mil funcionários. A montadora diz que está com 40% de capacidade ociosa e quem além dos 500 trabalhadores que tiveram demissão anunciada, há 1,2 mil empregados considerados “excedentes”.

A Mercedes-Benz informou que, por enquanto, mantém os investimentos de R$ 3,2 bilhões até 2018 para modernização das fábricas e desenvolvimento de novas versões de ônibus, caminhões e da van Sprinter em todo o Brasil.

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC quer que as demissões sejam revertidas e cobra também do governo federal medidas para a manutenção de empregos.

Outras produtoras de veículos comerciais, como a Scania, Volvo e Marcopolo (carrocerias de ônibus) adotaram medidas de redução de jornada de trabalho por causa da situação econômica atual.

Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

2 comentários em Contra 500 demissões, metalúrgicos entram em greve na Mercedes-Benz do ABC

  1. Amigos, boa noite.

    Assinale uma das alternativas:

    a) É a Lei da demanda – oferta X procura;

    b) Patrão e colaborador, nunca se entenderão;

    c) Greve, um mal necessário;

    d) Gato e rato nunca irão se entender;

    e) PrevisíveLLLLLLLLLLL com a gestão pública atual, nos moldes da Idade da Pedra Lascada.

    f) Todas as alternativas são verdadeiras.

    Att,

    Paulo Gil

  2. Engracado aqueles 260 que foram dispensado em dezembro 2014 e nao fizeram nada por nos pelo contrario pediram para assinar que esas luta possa da algún resultados.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: