Investimentos públicos em transportes devem cair R$ 3 bi neste ano, diz Ipea

ônibus

Ônibus urbano. Setor de transportes vai receber menos investimentos públicos. Brasil é um dos países denominados emergentes que menos aplicam recursos para o setor. Foto: Adamo Bazani

Investimentos públicos em transportes devem cair 3 bi neste ano, diz Ipea
Em 2015, total para o setor de transportes deve somar mais de R$ 30 bi. Setor recebe seis vezes menos recursos que em outros países em desenvolvimento
ADAMO BAZANI – CBN
O ajuste fiscal promovido pelo Governo Federal e alto nível de endividamento dos estados e municípios devem provocar uma redução de R$ 3 bilhões em investimentos para o setor de transportes neste ano.
A previsão foi divulgada nesta terça-feira, dia 07 de abril de 2015, pelo Ipea – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.
De acordo com a projeção, a média de R$ 14 bilhões de investimentos públicos diretos anuais deve ser reduzida para R$ 11 bilhões até dezembro.
No entanto, o setor privado, mesmo com o mau desempenho econômico do País, deve investir mais, somando neste ano R$ 18,7 bilhões, dos quais R$ 5, 17 bilhões pelo Programa de Investimento em Logística – PIL e mais R$ 13,5 bilhões em outros tipos de projeto.
Entre investimentos públicos e privados, o setor de transportes no Brasil deve receber neste ano R$ 30,27 bilhões. O valor representa 0,55% da média do PIB – Produto Interno Bruto.
O índice está dentro da média de 0,6% do PIB destinados para os transportes entre os anos de 2010 e 2014.
Este número, no entanto, apesar de parecer grande mostra que a mobilidade recebe ainda pouca atenção do poder público e os investidores privados não têm condições melhores para aplicarem mais recursos. Segundo o Ipea, outros países considerados emergentes como Colômbia, China e Rússia, além de terem um PIB maior, aplicam 3,4% em média por ano do Produto Interno Bruto para a mobilidade e transporte de cargas: seis vezes mais que o Brasil.
Para 2016, o cenário ainda deve continuar pouco animador. De acordo com previsão do Ipea, os investimentos vão subir pouco e devem alcançar R$ 31,89 bilhões.
O setor ferroviário não foi incluído no PIL deste ano, dependendo de outras fontes de projetos.
Os investimentos em transportes considerados pelo Ipea abrangem corredores de ônibus, metrô, trens, estradas, hidrovias e ferrovias para carga.
O Ipea não calculou os problemas financeiros enfrentados por empreiteiras que se envolveram em esquemas de corrupção e que podem reduzir ainda mais os níveis de investimento para 2015 e 2016.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

5 comentários em Investimentos públicos em transportes devem cair R$ 3 bi neste ano, diz Ipea

  1. Amigos, boa noite.

    Não precisamos de recursos, precisamos é de trabalho;.

    Assim, não fica esse montão de obras faraônicas, inacabadas e paradas de norte a sul, de leste a oeste do Brasil.

    Todos os recursos são lançados nessa alínea (999999) – prejuízo.

    Assim, nem o mais renomado contador do mundo, consegue fazer com que a conta fique positiva, pelo menos com as obras terminadas e em operação.

    O resto é contingência econômica óbvia.

    .” Aumentou o preço do Diesel, o preço do frete também irá aumentar.

    Caso não queiram aumentar o preço do frete em função do aumento do Diesel, também dá:

    Se antes do aumento do Diesel o preço do frete era R$ 1000,00 a tonelada de Sampa ao Mato Grosso, façam o seguinte:

    Mantenham o preço do frete de Sampa a Mato Grosso – R$ 1.000,00 a 0,5 tonelada.

    Simples né, igual aos produtos de supermercado e a tabela do imposto de renda sem correção.

    Brasilllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllll

    Att,

    Paulo Gil

  2. William de Jesus // 8 de abril de 2015 às 01:47 // Responder

    Boa noite!

    Isso é evidente. Mais precisamente em SP, os motivos são:

    – Crise economica: com tudo caro por aí, melhor segurar o fusquinha por mais um tempo;
    – Insegurança: comprar ônibus sem a certeza de que terão segurança nas ruas? No maximo, serão cabritos, então;
    – Licitação: Nenhuma empresa trará carros novos enquanto não sair a licitação. Será uam verdadeira dança das cadeiras. Muitas vão ficar, mas muitas também vão sair. Isso sem contar as obrigações das empresas, como ônibus com ar condicionado. Nem todas tem cacife para tal;

    Enfim, novamente espero que esse ano fique estacionado onde está. Se piorar, fujam para as colinas!!

  3. Adeus investimentos em corredores aqui em SP,isso compromete os corredores Radial 1 e 2 que dependem do PAC,espero que não atrasem porque o Term Itaquera as boras estão paradas.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: