Depois de licitação polêmica, GDF admite colapso em sistema de transportes

ônibus

Ônibus no Distrito Federal. Apesar de renovação da frota, população está insatisfeita e governo admite “colapso” no sistema de transportes

Mesmo com licitação, governo do Distrito Federal admite “colapso no sistema de transportes”
Certame foi concluído há cerca de um ano. Renovação de frota não foi suficiente para satisfazer passageiros
ADAMO BAZANI – CBN
A máxima do setor de transportes de que frota nova de ônibus é importante, mas pensar no sistema como um todo buscando transparência, se aplica no caso do Distrito Federal, onde o governo admitiu que o sistema está em “colapso”.
Os serviços passaram por um polêmico processo de licitação que começou em 2011 e só foi finalizado em 2013. Denúncias de manobras para favorecer grupos empresarias, como da família Constantino, por meio de escritórios de advocacia especializados em transportes e que atuam em boa parte do país, marcaram a concorrência que dividiu o sistema em cinco bacias operacionais.
Cada uma delas é operada por empresas que não possuem relações de negócios uma com as outras, pelo menos em tese, já que a suspeita é de um cartel disfarçado.
Os resultados práticos das promessas de melhorias com o certame são pouco sentidos pelos passageiros. Houve renovação de frota, a maior parte com os tradicionais ônibus de motor dianteiro, mas também uma queda sensível no número de veículos de transporte coletivo: de 3,5 mil ônibus para 2,5 mil, o que tem gerado insatisfação nos passageiros, segundo o próprio GDF – Governo do Distrito Federal.
As linhas ainda não estão integradas e diversos terminais prometidos para o final do ano passado sequer deixaram de ser projetos.
O Bilhete Único, que permitiria uma integração tarifária em qualquer ponto do Distrito Federal, o que em São Paulo há desde 2004, não tem prazo para ser colocado em prática.
A situação financeira do sistema não vai bem, pelo menos para os cofres públicos.
Os repasses mensais às empresas de ônibus, apontados como necessários para manter os serviços, subiram de R$ 10 milhões para R$ 40 milhões. As ameaças de greves dos trabalhadores em transportes são constantes.
Nesta semana, a Câmara Legislativa aprovou repasse de R$ 120 milhões para a secretaria de Mobilidade. O dinheiro vai para as viações e só vai ser suficiente para três meses.
Nem mesmo o sistema de BRT, chamado Expresso DF, decolou ainda. Os ônibus são novos, a exclusividade no corredor aumenta a velocidade dos coletivos e o conforto para os passageiros, mas a obra, anunciada como legado da Copa do Mundo, ainda não está finalizada do ponto de vista operacional.
No trecho operado, não há cobrança de passagens, obrigando o governo a repassar mensalmente R$ 4,5 milhões para a empresa Pioneira.
A secretaria de mobilidade estima que até o final deste mês de março, a cobrança passe a ser realizada, o que diminuiria os repasses para R$ 3 milhões.
Sobre as obras dos terminais, o governo espera a conclusão em quatro anos. Sem elas, a integração do sistema fica mais difícil para ser colocada em prática.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

3 comentários em Depois de licitação polêmica, GDF admite colapso em sistema de transportes

  1. Amigos, boa noite.

    Fácil assim; está em colapso e pronto.

    Quem deu causa ?

    Qual a pena ?

    Só o contribuinte é penalizado pelos impostos e pelas leis neste país ?

    E o resto ? Pode fazer o que quer ?

    O Brasil está em colapso moral (se é que a expressão moral ainda continua fazendo parte da nossa língua e do dicionário de português), pois na prática não faz mais.

    Acho que é a festa do caqui e ninguém nos avisou.

    Att,

    Paulo Gil

  2. Esse tal de Rollemberg vai ser um governador tão omisso quanto o AGNULO do partido dos “trabalhadô”. Podem apostar nisso ! A capital federal do país está literalmente no buraco! Basta uma visitinha em qualquer uma das cidades-favelas,digo satélites!
    O problema do Brasil são os políticos e os trocentos partidos politicos (se não aumentou ainda, hoje são “apenas” 31 e a maioria não passa de legendas de aluguel para prostituta do PMDB*sta que faz o mesmo papel do antigo PFL, ora apoiando PSDB*sta e ora apoiando PeTralhas.Acreditem: tem cidades do Brasil onde as prefeituras são desgovernadas por uma aliança espúria entre Petralhas e Tucanalhas, incrível heim ? SOLUÇÃO para Brasília ? SE, e eu disse SE: O guvernador quiser e ter saco roxo ele deveria RELICITAR TUDO de novo e fazer um contrato de 10 anos e com a entrada de 3.500 ônibus no sistema e não apenas 2.500 como afirma a reportagem.

  3. Quem mexeu nos transportes e prejudicou tudo? O PT como sempre!!! Já imaginava que ia dar alguma coisa de errado nisso.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: