Bicicletas e transporte público tornam cidades sustentáveis, diz estudo

ônibus Frankfurt

Ônibus que prestam serviço em Frankfurt, cidade considerada a mais sustentável, de acordo com estudo internacional. Transportes públicos e não motorizados aumentam a qualidade de vida, comprova levantamento. Divulgação.

Bicicleta e transporte público fazem das cidades da Europa as mais sustentáveis do mundo
São Paulo e Rio de Janeiro só aparecem nas posições de números 31 e 40 num ranking de 50 cidades
ADAMO BAZANI – CBN
O que é uma cidade sustentável?
De uma maneira direta é aquela que investe no bem estar dos seus moradores e frequentadores sem comprometer os recursos naturais e econômicos que vão servir às futuras gerações. Em resumo, é uma cidade que respeita a vida.
A ONU – Organização das Nações Unidas define um crescimento sustentável como: “o desenvolvimento que atende às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazer suas próprias necessidades.”
Para uma cidade ser sustentável, portanto, ela deve oferecer meios para que as pessoas vivam melhor, respeitando os aspectos sociais, econômicos e ambientais.
E a prioridade no espaço urbano ao transporte coletivo e os meios não motorizados de deslocamento é uma ação fundamental para que hoje uma cidade seja considerada sustentável.
Exemplo disso é o levantamento feito pela consultoria internacional Arcadis em 50 cidades do mundo. Os trabalhados foram realizados ao longo de 2014 e os resultados disponibilizados recentemente.
Todos os municípios que figuram entre os dez primeiros têm uma rede de transporte público de qualidade que integra ônibus e modais ferroviários. Além disso, os deslocamentos não motorizados ganham destaque, de acordo com os pesquisadores.
Foram analisados três indicadores para os resultados finais.
O transporte público e as ciclovias, além de moradias de baixo custo e próximas aos locais do trabalho pesaram no indicado “Pessoas”. Este índice mede aspectos como o equilíbrio de vida social e trabalho, o transporte, a saúde, e o peso dos impostos frente à qualidade dos serviços públicos. Como as pessoas se relacionam com as cidades.
Roterdam ficou em primeiro lugar neste indicador. Segundo a consultoria internacional, a rede de transportes integrada entre ônibus, trens e metrô foi fundamental para a cidade conquistar o primeiro lugar neste quesito. Além disso, os custos de moradia são até 60% menores que as outras nove primeiras colocadas, além do fato de as pessoas residirem mais perto de casa.
Neste indicador, São Paulo e Rio de Janeiro ficaram nas posições de número 39 e 46, respectivamente, num ranking de 50 cidades.
Os outros indicadores foram “Planeta” que evidencia ações diretamente ligadas ao meio ambiente e “Lucros”, que mostra as possibilidades de abertura de negócios e crescimento econômico de cada cidadão.
No ranking geral, que faz uma média destes três indicadores, Frankfurt foi a campeã. Já São Paulo apareceu em 31º e o Rio de Janeiro em 40º.
Ainda segundo a consultoria, vários aspectos pesaram para a liderança de Frankfurt. Em 1990, a cidade integrou a Aliança do Clima das Cidades Européias, quando se comprometeu a reduzir em 10% as emissões de gás carbônico a cada cinco anos. Frankfurt assumiu o compromisso de até 2050 ter 100% de sua energia gerada a partir de fontes renováveis, incluindo os veículos de transporte coletivo.
Aproximadamente 1/3 de sua área conta com vegetação, como o cinturão verde no entorno do rio Meno.
A cidade não tem um vasto território, sendo boa parte dos trajetos curtos. Aproximadamente 15% são feitos por bicicletas.
O estudo é mais um que mostra que a mobilidade urbana influencia diretamente na qualidade de vida das pessoas e que os deslocamentos majoritariamente de carro não contribuem mais para o desenvolvimento sob qualquer aspecto sejam sociais, econômicos e ambientais.
É importante destacar, no entanto, que muito mais que restrição aos carros, o transporte público e os espaços para deslocamento a pé ou de bicicleta oferecem qualidade, conforto, segurança pelo fato de terem sido colocados como prioridade nas agendas de investimento destas cidades.
O estudo completo você pode conferir aqui:
http://www.sustainablecitiesindex.com/
Os resultados gerais são:
1. Frankfurt
2. London
3. Copenhagen
4. Amsterdam
5. Rotterdam
6. Berlin
7. Seoul
8. Hong Kong
9. Madrid
10. Singapore
11. Sydney
12. Toronto
13. Brussels
14. Manchester
15. Boston
16. Paris
17. Melbourne
18. Birmingham
19. Chicago
20. New York
21. Houston
22. Philadelphia
23. Tokyo
24. Rome
25. Washington
26. Kuala Lumpur
27. San Francisco
28. Los Angeles
29. Dallas
30. Santiago
31. Sao Paulo
32. Mexico City
33. Dubai
34. Abu Dhabi
35. Shanghai
36. Istanbul
37. Johannesburg
38. Buenos Aires
39. Beijing
40. Rio de Janeiro
41. Doha
42. Moscow
43. Jeddah
44. Riyadh
45. Jakarta
46. Manila
47. Mumbai
48. Wuhan
49. New Delhi
50. Nairobi
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

3 comentários em Bicicletas e transporte público tornam cidades sustentáveis, diz estudo

  1. Amigos, boa noite.

    Vejam os modelitos da foto.

    Esse Fiat trucadinho e sensacional e lembra o famoso Carolina da legitima.

    Olhem os outros buzoes alem de lindos vejam a largura dos buzoes, com certeza nao tem um corredor com 54 cm de largura util.

    Se lembrarem eu dei a sugestao dos carros especiais serem micros, mas ninguem botou fe, agora aprendam ai.

    E ao que me parece a abertura das portas sao de correr externamente ou de deslocamento externo.

    Att,

    Paulo Gil
    “Buzao e emocso e a Paixao”

    • Amigos, boa noite.

      A foto acima, ensina mais uma para o buzao de Sampa, numerar as linhas de forma simples e visivel; 25, 29 e 60.

      Simples assim.

      Att,

      Paulo Gil

  2. Amigos, boa noite.

    FIAT, por favor tragam esse micro trucadinho para os Tupiniquins aqui do 3o mundo.

    Nos ajudem a evoluir e parem de trazer modelos arcaicos.

    Att,
    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: