Greve de ônibus em Curitiba: Comec admite discussão para fim de integrações

greve Curitiba

Ônibus em Curitiba. Reunião de Conciliação é tensa e presidente da Comec diz que há discussão sobre o fim do sistema integrado na RIT. Foto: Adamo Bazani

Governo do Paraná promete depositar R$ 5 milhões para pagamento de atrasados
Sindicato dos Motoristas e Cobradores deve analisar proposta
ADAMO BAZANI – CBN
A audiência de conciliação realizada no TRT – Tribuna Regional do Trabalho para tentar colocar fim à greve dos motoristas e cobradores de ônibus em Curitiba e Região Metropolitana está sendo realizada neste momento e é marcada por tensão.
O Governo do Estado do Paraná prometeu R$ 5 milhões para o pagamento do “vale”, espécie de adiantamento de 40% sobre o valor dos salários, que está atrasado e é o principal motivo de paralisação da categoria que desde ontem afeta ao menos 2,2 milhões de passageiros por dia em Curitiba e nas outras 13 cidades que formam a RIT – Rede Integrada de Transporte.
O depósito seria feito até esta quinta-feira, dia 29 de janeiro de 2015.
O presidente do Sindimoc, sindicato que representa os trabalhadores, Anderson Teixeira, chegou a dizer que a categoria só deve voltar ao trabalho depois dos depósitos, mas a justiça trabalhista e o MPT – Ministério Público do Trabalho tentam reverter a situação. Representantes do Sindimoc pediram um tempo na audiência para discutirem a proposta.
Há um verdadeiro impasse político entre a prefeitura, pela Urbs – Urbanização de Curitiba S.A. que geria todo o sistema, mesmo nas outras cidades, e o governo do Estado, pela Comec – Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba quanto aos subsídios referentes às integrações entre os ônibus municipais e os metropolitanos oriundos destas cidades.
Hoje, por R$ 2,85, o passageiro pode circular pelos 14 municípios da RIT com integrações gratuitas. Esta que é uma das principais características da RIT pode acabar.
O presidente da Comec, Omar Akel, disse haver uma discussão para determinar se o sistema continua integrado ou se haverá tarifas diferentes conforme as distâncias entre as cidades e a Capital.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Deixe uma resposta