Faixas e modalidades de Bilhete Único ainda não convenceram a população a deixar o carro em casa

ônibus

Ônibus em São Paulo. Apesar de ações como faixas à direita para o transporte público e mais opções de Bilhete Único, número de registros de viagens em São Paulo cai nos ônibus municipais. Isso não significa que medidas estão erradas, mas são insuficientes e mais deve ser feito para priorizar o transporte público, como os corredores de ônibus, e para aumentar a qualidade dos serviços. Foto: Adamo Bazani.

Faixas e Bilhete Único ainda não convencem mais pessoas a optarem pelos ônibus
Entre 2013 e 2014, o número de passageiros ficou praticamente estável, contrariando previsões da prefeitura de São Paulo
ADAMO BAZANI – CBN
Todos sabem que medidas em prol do transporte público, desde intervenções simples até as mais complexas e que necessitam de maior recurso, são mais que necessárias para ampliar a qualidade de vida da população em qualquer local.
Em São Paulo, no entanto, ações da prefeitura como mais modalidades do Bilhete Único, inclusive com o congelamento do valor dos tipos temporais (mensal, semanal, diário) e a implantação de mais de 460 quilômetros de faixas exclusivas para ônibus, têm melhorado a situação de quem usa o transporte municipal, mas não têm atraído mais gente para o sistema, que é um dos objetivos para a redução do trânsito e da poluição.
É o que mostra balanço da SPTrans – São Paulo Transporte, gestora dos serviços na Capital Paulista. Na comparação entre 2013 e 2014, houve uma pequena queda. Copa do Mundo e alguns feriados que foram emendados podem explicar uma pequena diferença, mas o fato de estas ações não terem pelo menos trazido algumas pessoas a mais para o transporte público por ônibus parece ter surpreendido a administração municipal.
Em 2014 foram registradas 2 bilhões 915 milhões 192 mil e 960 passagens. O número é 9 milhões 19 mil 506 registros de viagens a menos que o total de 2013, que foi de 2 bilhões 924 milhões 212 mil 466.
EMPRESAS DE ÔNIBUS REGISTRARAM CRESCIMENTO E COOPERATIVAS TIVERAM QUEDA:
Cooperativas, do subsistema local e que já estão se transformando em empresas de olho no novo sistema a ser elaborado na licitação deste ano, e as companhias de ônibus, que fazem parte do subsistema estrutural, tiveram desempenho diferentes:
As empresas de ônibus registraram 1 bilhão 650 milhões 406 mil 987 utilizações em 2014 ante 1 bilhão 635 milhões 183 mil 317 de 2013, uma pequena elevação.
Já as cooperativas tiveram queda nos registros de usuários.
Foram 1 bilhão 264 milhões 785 mil 973 em 2014, número inferior aos 1 bilhão 289 milhões. 029 mil 149 passagens.
OPINIÃO – FAIXAS E BILHETE ÚNICO SÃO PRIMEIROS PASSOS:
Os números, entretanto, não podem ser encarados como resultados de um erro da prefeitura ao adotar as políticas de implantação de faixas exclusivas e maior diversidade de opções de uso de integração pelas modalidades do Bilhete Único.
As faixas comprovadamente reduziram o tempo de deslocamento dos passageiros possibilitando uma melhor qualidade de vida com oportunidades para mais descanso ou mesmo para realização de cursos de qualificação, passeios, atividades culturais e com a família.
O maior número de opções do Bilhete Único é alternativa para redução dos custos do deslocamento, mesmo que para uma parcela dos passageiros.
Mas o resultados do balanço da SPTrans mostram que ainda há muito o que ser feito.
As faixas de ônibus e as modalidades do Bilhete Único não convenceram um número significativo de pessoas a deixar o carro em casa, o objetivo de toda a política de mobilidade, o que mostra que isoladamente são medidas insuficientes.
Quanto à redução do tempo de viagem, os resultados são mais positivos em sistemas de BRT, que são corredores de ônibus com maior velocidade, para demandas mais significativas que em faixas pintadas à direita. No BRT, o espaço para os ônibus é mais qualificado, por haver uma maior separação entre os ônibus e demais veículos, há menos interrupções da viagem deixando o sistema mais confiável, ou seja, o número de atrasos tende a ser menor. Eliminar 100% os atrasos é uma tarefa quase impossível até mesmo em sistemas de trens e metrô, mas o passageiro precisa confiar no transporte público, o que ainda não ocorre plenamente.
A prefeitura tenta, ainda sem sucesso diante de vários entraves, inclusive burocráticos num quase permanente imbróglio com o TCM – Tribunal de Contas do Município, implantar os 150 quilômetros de corredores prometidos na campanha.
Além do menor tempo de viagem, o motorista do carro vai ser atraído com a ampliação da qualidade dos serviços. Hoje a lotação dos ônibus, a postura da tripulação, a ausência de mais informações sobre as linhas são alguns dos problemas que desestimulam a troca do privado pelo público.
São Paulo não está no rumo errado, mas sentar-se à beira do caminho sendo que mais ações precisam ser tomadas, é praticamente desperdiçar todas as conquistas até agora, mesmo que pequenas.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

6 comentários em Faixas e modalidades de Bilhete Único ainda não convenceram a população a deixar o carro em casa

  1. Uma coisa que deveria ser observado é o movimento não só do município, mas da Região Metropolitana e de bairros distantes. Pessoas só deixam o carro em casa se o custo-benefício for aceitável ao mesmo. Pessoas moram à 30 km do local de trabalho, isso se por exemplo imaginar que uma pessoa more no Grajaú e trabalha na Zona Norte ou Centro. Ou em São MIguel Paulista, Guaianazes e trabalha na Zona Oeste.

    Ainda há problemas de linhas com atrasos ou altos intervalos, áreas que não são bem servidas por transporte, o movimento de pessoas que moram em cidades vizinhas e foram parar em regiões de condomínios, onde a própria lógica da manutenção do local não permite ou não endossa a movimentação de ônibus públicos…

    Falta também campanhas inteligentes que convide a população a ajudar a montar as rotas e serviços de transporte público. A população hoje é desmotivada a agir politicamente, e o que gera de resultado é isso: um transporte que não atende bem pois a população não cobra devidamente o bom atendimento.

    Antes que usem o MPL como um dos poucos que cobram, digo-lhes – se o MPL fosse realmente funcional, eles ao invés de fazer reclamações com fundamentações ilógicas, conversariam com os politicos de forma direta.

  2. O que falta é muito simples: 100% da frota com ônibus padron, traseiro, ar condicionado e piso baixo. Intervalos curtos e veículos adequados à demanda. Isso na Sptrans e EMTU, além de promover um integração inteligente e efetiva entre as duas.

  3. João Ayrton Lambiase // 23 de janeiro de 2015 às 20:50 // Responder

    O que o prefeito faz com a população, é gozação, deixar o carro em casa com esse transporte público insuficienteque nnós temos ?, porque ele (prefeito) não fica no ponto do onibus apodrecendo e quando o onibus chega está tão lotado, que não cabe um palito em pé, , para ele que vai de helicoptero para a prefeitura é facil falar.

  4. Amigos, boa noits.

    PREVISIVELLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL

    Ha tempos ja comentei isso num post, vou locslizar com cslma e depois posto aqui.

    Nao vou ser repetivo, mas ninguem vai trocar o carro pelo buzao tao cedo enquanto for mantida esta forma arcaica de operacao ala CMTC (um carro de 20 em 20 minutos).

    Mesmo sendo um apaixonado pelo buzao, todas as vezes que eu utilizo o buzao eu me arrependo, apesar de continuar apaixonado pelos buzoes.

    Vou relembrar so alguns itens que imoeddm a troca do carro pelo buzao em Sampa.

    – Sugeira interna do buzao, incluindo insetos como ja relatarsm varias vezes aqui no blog;

    – Bancos horriveis;

    – Degrau ALTO interno;

    – Ponto de corredor sem ralo, e quando chove o passageiro toma banho de agua suja pelos 2 lados;

    – Buzao grande nas vilas o que torna a viagem gastar mais tempo;

    – E a famosa linha carsnguejada zigzagueada, outro dia fiquei pasmo o buzao ia para a lapa, ma ele estava indo sentido contrario, se nao me engano e a 748-R

    – Fiscalizadora que d poe em duvida a reclamacao do contribuinte, da resposta padrao e tudo mai

    E tantos outro s que eu ja relatei e vou postar o link.

    E se preparem para mais uma PREVISIVELLLLLLLLLLLL

    Depois que o “AEROTEM” comecar a operar ( sabe-la quando), ai e que o buzao vai ter queda na utilizacao.

    Alguem duvida ?

    BUZAO EM SAMPA SO POR OBRIGACAO, PELO SERVICO NUNCA NEM EM 2099.

    Att,

    Paulo Gil

  5. O grande problema é que foram seccionadas muitas linhas, tornado as viagens mais cansantivas e demoradas..passageiros que pegavam 1 onibus hj pega 3… e o principal R$3,50 a passagem, muito caro..enquanto for mais barato ir de carro…..os ônibus perderam passageiros….

  6. Trab. em SP (reg. av. paulista) e moro em SBC (ferrazópolis). Um exemplo de cálculo:
    Ônibus = ida R$ 5,45 (linha 218EX1) + R$ 1,95 (integração bom/metrô) + volta R$ 3,5 (metro) + R$ 2,15 (integração bom/metra linha 288) –> R$ 13,05 em 200min de viagem ida e volta.

    Carro = 50km ida e volta / 10 km/l autonomia * R$ 2,7 o litro de gasolina no wal mart de sbc –> R$ 13,5 num total de 100min de viagem ida e volta. (sem considerar seguro/revisão/IPVA)

    Se considerar outros gastos com carro, gasta-se o dobro em dinheiro mas economiza-se metade do tempo! Isto para quem entra as 7 horas e não pega trânsito!

    Enquanto a linha 18 bronze não ficar pronta, irei de carro!!!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: