Cinco ônibus da Unesul tomabram em menos de um mês

Unseul

Ônibus da Unesul tombado na última terça-feira: seis pessoas morreram. Em menos de um mês foram outras quatro ocorrências de tombamento. Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

Ônibus da Unesul tombaram cinco vezes em menos de um mês
Reportagem do Zero Hora mostra relação de acidentes com veículos da empresa. No caso mais recente, suspeita é de alta velocidade
Reportagem do jornal Zero Hora mostra que em menos de um mês, cinco ônibus da empresa Unesul estiveram envolvidos em casos de tombamento. O último caso foi o mais grave, com mortos e suspeita de alta velocidade.
CONFIRA:
O tombamento ocorrido nesta terça-feira, em Glorinha, é, pelo menos, o quinto ocorrido em menos de um mês envolvendo ônibus da empresa Unesul. Os outros quatro, ocorridos em dezembro, no entanto, não terminaram em morte.
Procurada no início da noite desta terça, a assessoria de imprensa da Unesul disse que “neste momento, não pode confirmar este tipo de informação”. Mais cedo, a empresa divulgou uma nota dizendo que está “prestando todo o apoio e assistência possível aos passageiros e às famílias das vítimas”.
Abaixo, veja quando e como aconteceram os acidentes que antecederam este que matou seis pessoas e deixou, pelo menos, 27 feridos.
Últimos tombamentos de ônibus da Unesul:
– 15 de dezembro: ônibus da empresa com destino a Getúlio Vargas tombou no km 15 da ERS-135, entre Passo Fundo e Coxilha. O coletivo teria sido atingido na lateral por um Golf, que realizava uma ultrapassagem, tombando em seguida com cerca de 35 passageiros a bordo. Ninguém ficou gravemente ferido.
– 18 de dezembro: ônibus que fazia a linha entre Passo Fundo e Porto Alegre saiu da pista e tombou na BR-386, em Triunfo. Nenhum dos 34 passageiros ficou ferido. A suspeita da Polícia Rodoviária Federal (PRF) é que o motorista tenha dormido ao volante.
– 22 de dezembro: coletivo que viajava com 16 passageiros tombou no km 166 da BR-163, em Lindoeste, no Paraná. Segundo a PRF, chovia na hora do acidente e o motorista teria perdido o controle da direção do veículo, caindo em um barranco. Uma mulher ficou gravemente ferida.
– 31 de dezembro: ônibus saiu da pista e caiu numa vala lateral da BR-386, em Lajeado. O coletivo seguia de Porto Alegre para Erechim. O motorista teria sofrido um mal súbito e perdido o controle do veículo. O ônibus estaria lotado, mas apenas um passageiro ficou levemente ferido.

MOTORISTA SÓ RECEBE TREINAMENTO POT DEZ DIAS:

Dez dias é o tempo médio de treinamento prático monitorado que os motoristas de ônibus intermunicipais recebem antes de assumir uma rota no Rio Grande do Sul, conforme levantamento feito por ZH com três grandes empresas do setor. Sem uma regulamentação prevista em lei, cabe a cada empresa fixar as próprias diretrizes quanto ao período de adaptação às linhas.
O motorista do ônibus que tombou na ERS-030 na tarde de terça-feira, causando a morte de seis pessoas e deixando outras 15 feridas, estava há cerca de um mês na Unesul. A empresa, no entanto, informa que Jéferson Padilha da Silva, 38 anos, era experiente e já havia percorrido a ERS-030 em linhas de outras duas empresas pelas quais havia passado entre 2001 e 2012, ambas de transporte coletivo de passageiros da Região Metropolitana.

Para conduzir ônibus intermunicipais, além de habilitação na categoria D ou E, o motorista deve ter curso obrigatório para transporte coletivo de passageiros, com 50 horas-aula. O aluno precisa ser maior de 21 anos, não ter cometido infração grave ou gravíssima ou ser reincidente em infrações médias durante os últimos 12 meses e não estar cumprindo suspensão ou cassação do direito de dirigir. Mas nem Detran nem Daer regulamentam o tempo mínimo que o motorista precisa para se adaptar ao itinerário.
As empresas consultadas pela reportagem — Ouro e Prata, Planalto e Unesul — informaram submeter motoristas a exames de direção e psicotécnico, além de oferecer de duas a três semanas de instrução teórica, antes das saídas com facilitadores para reconhecimento de rota.
Para o diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários Intermunicipais, Interestaduais, Turismo e Fretamento do RS (Sindirodosul), Antonio José Rubim, o período de prática é pouco:

— A preparação é muito teórica. Deveria ter pelo menos 30 dias de prática com um motorista experiente para que o novo esteja totalmente adaptado ao trajeto.

Outra dificuldade, segundo Rubim, seria a disponibilidade de profissionais no mercado, já que a remuneração tem sido pouco atrativa. O salário base da categoria é R$ 2.072,35 para jornadas de oito horas, com escalas aos finais de semana e feriados.
* Zero Hora

2 comentários em Cinco ônibus da Unesul tomabram em menos de um mês

  1. Mesmo com um treinamento, há muitos motoristas por aí que infelizmente não sabem conduzir um veículo de forma cuidadosa. Um fiscal à paisana poderia pegar facilmente motoristas de ônibus de qualquer tipo, urbano ou rodoviário, acima de limite de velocidade, não respeitando sinalização, fazendo curvas acima de um limite de velocidade estabelecido… fora as ocorrências corriqueiras, como dirigir falando ao celular e distraído, ou as vezes até quebrando a proibição de som alto no ônibus e colocando um funk em um radinho.

    Acho que o ideal seria a própria população ter maior poder de fiscalização e punição.

  2. Amigos, bom dia.

    Este indice, nao nos remete a falta de treinamento, e sim a falta de pratica na operacao do buzao,.

    No Brasil, apos o aumento da escolaridade da populacao, algumas profissoes nao remunerem de acordo com a responsabilidae, risco, seguranca,, esforco, e etc, passando entao a nao serem atrativas aos profissionais, a exemplo do deficit de pilotos de caminhao.

    Este sera um grande problema que a Uniao, ja devia ter comecado a tratar com muito carinho, pois a partir do aumento de escolaridade e da tecnologia, ninguem mais quer quebrar pedra com pontalete e sim com martele eletrico.

    Caso optrm em manter a operacao no pontalete, deve haver uma compensacao financeira real.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: