Empresas de ônibus de Salvador fazem treinamento para respeito aos ciclistas

ônibus

Ônibus em Salvador. Empresas, prefeitura e movimento de cicloativistas realizam treinamento para motoristas de ônibus. Houve também ações no Paraná e no Rio Grande do Sul.

Empresas de ônibus de Salvador realizam treinamento para condutores sobre ciclistas
No Rio Grande do Sul e no Paraná, viações e cicloativistas também desenvolveram trabalhos com bons resultados
ADAMO BAZANI – CBN
Um tipo de veículo é praticamente um gigante nas vias, tanto é que nem consegue passar em todas as ruas, e tem torque e potência altos.
Já o outro, movido basicamente pela força humana, é pequeno e aparentemente frágil.
Com características tão diferentes, ônibus e bicicletas cada vez mais dividem espaço nas vias em todo o Brasil com o crescimento do número de pessoas que optam por se descolar de bicicleta. Muitas delas, inclusive, acabam seguindo depois viagem nos coletivos.
Não são raros os acidentes envolvendo ônibus e bicicletas. Além de preservar vidas, evitar ocorrências deste tipo é uma forma de criar uma convivência pacífica entre os dois meios de transportes que, junto com os trens e metrô, são apontados como solução de mobilidade urbana.
Na capital baiana, uma parceria entre a prefeitura e o “Movimento Salvador Vai de Bike” criou o Programa “Vou de Boa, Respeito o Ciclista” com uma série de atividades de conscientização.
Fazem parte das ações, treinamentos especiais realizados com motoristas de ônibus das empresas de Salvador.
Com palestras, atividades práticas em locais e até uso de simuladores computadorizados, os condutores de ônibus vivenciam como é pedalar nem vias movimentadas e repentinamente ser pressionado por um veículo de grande porte.
Os treinamentos já capacitaram 923 motoristas em 25 garagens das empresas Ondina/Central, União, Rio Vermelho, Verdemar e BTU.
Entre esta quinta-feira, 11 de dezembro de 2014, e sábado, 13 de dezembro de 2014, será a vez dos condutores da empresa Axé receberem os treinamentos.
Cada vez mais esta necessidade de convivência harmoniosa tem preocupado empresas de ônibus e ciclistas.
E um dos segredos do respeito é um ter a noção da limitação do outro.
Por incrível que pareça, quem está no comando dos gigantes coletivos também têm várias dificuldades, principalmente em relação aos chamados “pontos-cegos”, que são regiões na lataria dos ônibus mais difíceis de serem visualizadas pelos motoristas por causa do tamanho dos veículos.
As empresas de ônibus Viação Nobel e Leblon Transporte de Passageiros, que operam nas cidades de Fazenda Rio Grande e Curitiba, no Paraná, além de capacitarem os motoristas, preparam um material disponível para consulta que mostra onde ficam os “pontos-cegos” dos ônibus em relação a ciclistas e pedestres.
É importante quem pedala saber de qual região do ônibus deve ser mantida uma distância de segurança sempre que possível.
CONFIRA AS FOTOS E AS EXPLICAÇÕES NESTE LINK:
https://blogpontodeonibus.wordpress.com/2014/03/22/acidentes-com-bicicletas-e-onibus-respeito-bom-senso-e-informacao-podem-evitar-tragedias/
A empresa de ônibus Sudeste Transporte Coletivos, do Consórcio Unibus, de Porto Alegre, realizou treinamento com o mesmo objetivo.
Eles foram colocados em bicicletas fixas, na garagem, e submetidos a diversas situações de perigo vividas pelos ciclistas.
Os condutores sentiram como é ter um veículo de 17 toneladas (ou mais) passando em alta velocidade, tirando “uma fina” das bicicletas.
Os motoristas se assustaram quando perdiam o equilíbrio pelo vento provocado pela velocidade dos ônibus.
Também enfrentaram freadas bruscas dos gigantes e buzinaços.
O objetivo é sensibilizar os motoristas de ônibus quanto à fragilidade das bicicletas e a necessidade de respeito em relação a condutores de veículos de menor porte.
Até o final do ano, a Sudeste Transporte Coletivos pretende capacitar 300 motoristas.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

1 comentário em Empresas de ônibus de Salvador fazem treinamento para respeito aos ciclistas

  1. Amigos, boa noite.

    A iniciativa e valida.

    Porem nas capitais do Brasil, essa convivencia buzao bike, na mesma rua e inpossivel, pois os problemas vao contuar acontecendo independente do piloto ou do ciclisa, simplesmente e um contrasenso, poid essa mistura nunca dara liga.

    As prefeituras e que devem fazer um curso sobre como e onde construir ciclovias para que o ciclista trafeguem em seguranca.

    Lembrando que as bikes voltem a ter placas, pois as bikes nao cumpre a sua parte no cumprimento ao CTB (nao estou generalizando), mas grande parte provocam situacoes de risco, alem da dificuldade de compatilidades de veiculos e as bikes numa mesma via.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: