Campinas registra uma denúncia por dia pelo mau estado dos ônibus

ônibus Campinas

Frota de ônibus de Campinas apresenta problemas de más condições e conservação inadequada. De acordo com a Emdec, ao menos uma denúncia por dia relata insatisfação dos passageiros em relação à frota. Bancos rasgados, vidros trincados, portas com defeito, assoalho com buracos e até eixos que se soltam dos ônibus marcam o dia a dia de quem usa transporte coletivo na cidade. Reprodução EPTV/Campinas

Campinas tem uma denúncia ao dia por má conservação dos ônibus
Idade média da frota é de 4,9 anos. Situação é pior em linhas rurais. Até eixos se soltam dos veículos
ADAMO BAZANI – CBN
Com informações EPTV e do G1 Campinas e Região
A conservação dos ônibus em Campinas tem deixado muito a desejar segundo a própria Emdec – Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas.
No primeiro semestre deste ano, a gerenciadora recebeu 163 denúncias pelas más condições dos veículos de transporte coletivo, praticamente uma por dia.
No mesmo período de 2013, foram 146 denúncias, o que significa alta de 11,6% nos relatos deste tipo de problema entre o ano passado e 2014.
Além de impossibilitar conforto nas viagens, a má conservação dos ônibus também interfere na segurança de passageiros, funcionários das empresas de transporte e de pessoas e motoristas que transitam ao redor destes coletivos.
Campinas possui 206 linhas atendidas por 1 mil 242 ônibus, dos quais 994 são do sistema convencional e 248 alternativos.
A idade média da frota é de 4,9 anos.
Nas linhas rurais, como a 305 – Cidade Judiciária /Gargantilha, a situação é ainda pior.
As vias com condições de tráfego mais difícil podem explicar o emprego de ônibus mais simples e robustos, mas os veículos possuem problemas mecânicos, em bancos, portas e assoalhos.
Na semana passada, um ônibus da linha 150 perdeu o eixo traseiro em frente ao Terminal Ouro Verde. A empresa VB Transportes disse que o problema se deu por causa de uma lombada irregular. Na manhã desta segunda-feira, outro veículo da empresa na mesma linha apresentava problemas nas portas, que não fechavam completamente.
Sobre a linha 350, a VB Transportes disse que a quantidade de reparos nos veículos por causa das más condições de tráfego chega a ser oito vezes maior que a média das outras linhas.
A Prefeitura de Campinas informou que estuda o que pode ser feito no bairro de Gargantilha, que por ser área de preservação ambiental, não pode passar por grandes alterações.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes
Com informações EPTV e G1 – Campinas e Região.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: