Governo Federal libera R$ 3,8 bilhões para mobilidade no DF e seis estados

ônibus

Ônibus em Goiânia, uma das cidades que receberam nesta quinta-feira a liberação de recursos federais para mobilidade urbana. Governo Federal anunciou R$ 3,8 bilhões para o setor em seis estados e o Distrito Federal.

Governo Federal libera R$ 3,8 bilhões de investimentos em Mobilidade Urbana para seis estados e o DF
Entre as obras previstas estão alargamentos de vias e construção de sistemas de VLT – Veículos Leves sobre Trilhos e corredores de ônibus modernos BRT – Bus Rapid Transit
ADAMO BAZANI – CBN
O Governo Federal anunciou nesta quinta-feira, dia 13 de março de 2014, a liberação de R$ 3,8 bilhões do PAC – Programa de Aceleração do Crescimento e do Pacto da Mobilidade Urbana.
Deste total, R$ 2,27 bilhões são provenientes do Orçamento Geral da União –OGU e R$ 1,58 bilhão de empréstimos também pelo Governo Federal.
Além de Brasília, recebem os recursos as cidades de Goiânia (GO), Natal (RN), Palmas (TO), João Pessoa (PB), São Luís (MA) e Campo Grande (MS).
Cada cidade possui um cronograma diferente de obras. Os recursos vão ser usados para intervenções como readequação de vias, elaboração de projetos, compras de equipamentos, construção de sistemas de VLT – Veículos Leves sobre Trilhos e de corredores de ônibus modernos BRT – Bus Rapid Transit, além de modernização de sistemas ferroviários.
A presidente Dilma Rousseff enfatizou que além de melhorar a qualidade de vida das pessoas nas cidades, as obras de mobilidade urbana também trazem um impacto positivo na indústria brasileiro.
“Eu gostaria de falar para vocês que uma obra de mobilidade urbana essencial, ela também implica numa outra questão, ela é demanda para a produção de equipamentos no Brasil, para a produção de metrôs, para a produção de ônibus, para a produção de equipamentos que são necessários e que também implicam na geração de empregos. Assim sendo, faz parte, eu acho, do nosso desenvolvimento sermos capazes de olhar os programas de mobilidade com o sentido que eles têm. Eles têm o sentido de desenvolver a cidade e de desenvolver também o país”. – disse num dos discursos nos eventos dos anúncios da liberação das verbas.
A Assessoria de Imprensa do Planalto divulgou a relação das principais obras previstas nos estados que devem contar com os recursos para mobilidade urbana:
TOCANTINS:
O Tocantins receberá R$ 466,2 milhões do Pacto da Mobilidade Urbana, com R$ 227,7 milhões do OGU e R$ 238,5 milhões de financiamento público com juros subsidiados. Os recursos serão disponibilizados à prefeitura de Palmas para obras de BRT, corredores e terminais de ônibus e sistema de informação. Entre as obras, o governo federal irá apoiar a implantação do BRT Palmas com investimentos de R$ 386,4 milhões, sendo R$ 174 milhões do OGU e R$ 212,4 milhões de financiamento público. A obra terá 27,2 quilômetros de extensão no sentido norte-sul do principal eixo estruturante do transporte público da cidade.
GOIÁS:
Goiás receberá R$ 570,43 milhões do Pacto da Mobilidade Urbana, com R$ 250,43 milhões do OGU e R$ 320 milhões de financiamento público com juros subsidiados. Para o governo do estado serão destinados R$ 25 milhões e para a prefeitura de Goiânia R$ 545,43 milhões. Ao todo, o estado do Goiás tem investimentos de R$ 2,08 bilhões em obras de mobilidade urbana do PAC Grandes e Médias Cidades. Entre as obras, o BRT Norte-Sul receberá R$ 390 milhões para implantação de 22 quilômetros de faixas exclusivas de ônibus, construção de estações de embarque e desembarque específicas e novo modelo operacional de linhas.
RIO GRANDE DO NORTE:
O Rio Grande do Norte receberá R$ 334,8 milhões do Pacto da Mobilidade Urbana. Os recursos são do OGU distribuídos da seguinte forma: R$ 23,12 milhões para a prefeitura de Natal e R$ 311,7 milhões destinados para a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), que irá modernizar os Sistemas de Trens Urbanos de Natal já existentes e adequar a via permanente. Esta obra terá 21,3 quilômetros de extensão. Ao todo, o Rio Grande do Norte tem investimentos de R$ 1,63 bilhão em obras de mobilidade urbana do PAC.
DISTRITO FEDERAL:
O Distrito Federal vai receber R$ 1,59 bilhão do Pacto da Mobilidade Urbana, sendo R$ 853,1 milhões do OGU e R$ 737,1 milhões de financiamento público. Os recursos são para obras do BRT Eixo Norte e metrô e aquisição de trens para o metrô e VLT. Ao todo, o Distrito Federal tem investimentos de R$ 4,12 bilhões em obras de mobilidade urbana do PAC.
MARANHÃO:
O Maranhão vai receber investimentos de R$ 245,1 milhões do Pacto da Mobilidade Urbana. Desse total, R$ 155,1 milhões são do OGU e R$ 90 milhões de financiamento público. A prefeitura de São Luis irá receber R$ 57,78 milhões do OGU para a obra do BRT e elaboração de oito projetos de VLT, BRT e faixas exclusivas de ônibus. Ao todo, o estado tem investimentos de R$ 1,03 bilhão para obras de mobilidade urbana do PAC.
PARAÍBA:
A Paraíba recebe investimento de R$ 566,8 milhões do Pacto da Mobilidade Urbana. Deste total, R$ 376,8 milhões são do OGU e R$ 190 milhões de financiamento. Os recursos estão destinados para as obras do VLT Metropolitano, implantação de novas vias e corredores de ônibus. Ao todo, o estado tem investimentos de R$ 1,03 bilhão em obras de mobilidade urbana do PAC.
MATO GROSSO DO SUL:
O Mato Grosso do Sul vai receber R$ 72,8 milhões do Pacto da Mobilidade Urbana para elaboração de projetos e aquisição de equipamentos. Os recursos são do OGU. Ao todo, o estado tem investimento de R$ 316,6 milhões para empreendimentos de mobilidade do PAC.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

5 comentários em Governo Federal libera R$ 3,8 bilhões para mobilidade no DF e seis estados

  1. Alô Adamo,

    O “João Pessoa (PA)” esta certo mesmo? Se for João Pessoa, Paraiba, o UF é PB e não PA de Pará.

    Beleza? Flws e sucesso. o/

  2. Este dinheiro vai virar dinheiro de campanha politica, como em São Paulo, dizem que compraram 140 ônibus articulados com todo aqueles bilhões, e ainda colocam cartazes fazendo propaganda nos outros restantes de 15000 ônibus velhos e sujos que rodam pela cidade, com seus intervalos enormes, e melhor gastar com a COPA infelizmente, há e tem mais a empresa VIP so esta comprando ônibus apaches com motores dianteiro, porque a prefeitura abriu uma brecha que virou um buraco, criando mais desconforto para os passageiros e motoristas, e viva o secretario Jilmar Tato que tudo ve e tudo permite, em prol do lucro a qualquer preço.

  3. Em SP que e bom nada de corredor BRT sair ne so no enrolo desses deputados FDP.

  4. Questiono as obras de VLT (sistema de bondes modernos sobre trilhos que são MUITO MAIS CAROS do que os já consagrados e eficientes corredores exclusivos de ônibus no estilo BRT a exemplo do que já roda em Santiago, Rio e Santa Fé de Bogota! Questiono porquê sei que eles NÃO ficarão prontos assim como os 6 km de metrô de Salvador que eram prometidos para serem entregues ainda no distante ano de 2000!
    Mas o que me espanta mesmo é a DIFERENÇA GRITANTE de recursos distribuídos a estas 7 cidades e que NADA TEM HAVER com o tamanho dela ou com sua importância perante aos outros Estados do Brasil.
    UM ABSURDO liberar-se 566 milhões para as obras do bizarro VLT Metropolitano de JOÃO PESSOA-PB e liberar a mesma quantidade (570 milhões) para obras mais úteis na cidade de GOIÃNIA-GO que é bem maior do que João Pessoa!
    O correto teria sido então liberar algo em torno de 900 milhões de reais para Goiânia ou então REDISCUTIR o insistente projeto de VLT de João Pessoa-PB e liberar não 566 mas sim 300 milhões de reais para que a prefeitura e o Estado façam obras do BRT Metropolitano e não do VLT! Um delírio da mente de um coronel nordestino!
    Enquanto o Nordeste recebe e BEM TARDE por sinal! dinheiro para as obras de mobilidade, o SUL DO BRASIL geme pela falta de recursos há quase 20 anos desde que o ninho tucano assumiu em janeiro de 1995 e posteriormente em janeiro de 2003 a petralhada tomou conta ! Nunca em toda minha vida vi tanto, mas TANTO mal uso do dinheiro público com obras bizarras ou baratas e simples demais feitas com materiais de terceira categoria! O BRT do Rio foi uma obra fantástica mas já mostra sinais de que os materiais usados na obra são de quinta categoria! (ou seria terceira?) Não sei, mas a verdade é que a pintura cinzenta dos ônibus com aspectos de sujos é de fato uma pintura fardada de quinta categoria !!!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: