Greve em Curitiba: Justiça recomenda volta dos ônibus. Possível locaute deve ser investigado

ônibus

Ônibus depredado por passageiros irritados com a greve na cidade de Itaperuçu, região metropolitana de Curitiba. Justiça sugere retorno dos serviços em todos os municípios da RIT e dá ultimato para empresários e trabalhadores. Ministério Público e Polícia devem ser acionados pela prefeitura para investigarem possível locaute. – Imagem Brasil Urgente – Curitiba

Greve em Curitiba: Desembargadora dá ultimato e sugere volta dos ônibus
Motoristas, cobradores e empresários têm até às 15h deste sábado para aceitarem ou não as propostas. Ônibus devem ser colocados nas ruas antes. Possível locaute deve ser investigado
ADAMO BAZANI – CBN
Como o Sindimoc – Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região e o Setransp – Sindicato das Empresas de Transporte Urbano e Metropolitano de Curitiba e Região não mostraram disposição em chegar a um consenso sobre os reajustes da categoria, terminado com a greve, a justiça trabalhista deu nesta sexta-feira o ultimato para todas as partes envolvidas nas negociações.
No início da noite desta sexta-feira, a desembargadora Ana Carolina Zaina, do Tribunal Regional do Trabalho da 9.ª região, recomendou que a partir da zero hora deste sábado todos os ônibus escalados voltem a operar na RIT – Rede Integrada de Transporte. Mas o retorno não é obrigatório já que empresários e trabalhadores têm até às 15 horas deste sábado para darem uma resposta. O sindicato dos trabalhadores vai fazer uma assembleia na manhã deste sábado, às 9h, na praça Rui Barbosa.
Foram vários índices e propostas de trabalhadores e empresários que pareciam ser feitos para que não se chegasse a um acordo tão já.
Então, a desembargadora estipulou uma última possibilidade: aumento salarial de 9,28% (5,26% INPC + 3,82%), manutenção da data-base da categoria trabalhista em 1º de fevereiro, abono de R$ 300 e reajuste de 10,5% na cesta básica.
Com este reajuste, os motoristas passarão a receber R$ 1.814,93, e os cobradores R$ 1.028,10.
Caso não haja um acordo, haverá o dissídio coletivo.
Funcionários das empresas e o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, chegaram a dizer que suspeitam que a greve é uma ação conjunta entre empresários e trabalhadores (locaute) para pressionar o aumento das tarifas.
A magistrada disse que se isso mesmo ocorrer, o fato é inadmissível:
“A população foi às ruas e disse não ao aumento do transporte coletivo. Um reajuste dos trabalhadores não pode ser justificativa para pressionar a tarifa cobrada da população”.
Em entrevista à RPC TV, afiliada da TV Globo, nesta quinta-feira, dia 27 de fevereiro de 2014, um motorista, que não pode ser identificado, afirmou que empresários deram a ordem, naquele dia para que os ônibus não saíssem da garagem. Segundo ele, nem todas as decisões quanto ao movimento foram tomadas pelos trabalhadores. “Quem quer esta greve são os patrões para aumentar a passagem”, afirmou o motorista.
Na mesma manhã, o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, chegou a dizer que suspeita que o movimento seja um locaute, quando a greve é combinada entre empresários e trabalhadores, o que é ilegal.
O suposto locaute, segundo Gustavo Fruet, seria uma forma de pressão para o reajuste no valor das tarifas de ônibus.
“É inaceitável a gente ouvir os depoimentos sobre a forma como isso está sendo conduzido. Se ficar comprovado que esta greve é uma articulação para forçar o reajuste da tarifa, vou pedir a prisão do presidente do Sindicato dos Empresários e do presidente do Sindicato dos Trabalhadores.” – disse o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, à RPC TV, afiliada da Rede Globo no Paraná.
A prefeitura disse que vai acionar polícia e Ministério Público.
O Setransp (empresas) diz que não há lógica em afirmar que os empresários estão incentivando um movimento que tem trazido prejuízo às companhias de ônibus. O Sindimoc também nega o locaute (greve combinada entre patrões e empregados) e fala que a luta é contra a defasagem salarial da categoria.
NÚMEROS:
A RIT – Rede Integrada de Transporte atende a aproximadamente 2,3 milhões de passageiros por dia. Os municípios que possuem a mesma tarifa e permitem transferências gratuitas entre eles nas estações tubo dos corredores ou nos terminais são: Almirante Tamandaré, Pinhas, São José dos Pinhas, Araucária, Contenda, Colombo, Campo Largo, Campo Magro, Bocaiúva do Sul, Rio Branço do Sul, Itaperuçu, Piraquara e Fazenda Rio Grande.
Segundo a Urbs, a frota da RIT é cerca de 2 mil ônibus. São 355 linhas e 14 mil funcionários da área operacional dos transportes.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

1 comentário em Greve em Curitiba: Justiça recomenda volta dos ônibus. Possível locaute deve ser investigado

  1. Esses caras tem que chegar num acordo daeeeewwwwwwwwwwwww!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: