Confira a poluição gerada por passageiro em diferentes modais

sustentabilidade

Estudos internacionais desenvolvidos para São Paulo mostram que o passageiro de ônibus pode emitir cinco vezes menos poluição que o usuário do carro. Se os ônibus forem de tecnologia lima, sugerem os órgãos internacionais, é desenhado o cenário ideal para a mobilidade e para a saúde nas cidades. Foto: Adamo Bazani.

Passageiro de ônibus emite cinco vezes menos carbono do que a pessoa que se desloca de carro, diz estudo internacional para São Paulo
Relatório da Fundação Hewlett para a SPTrans mostra urgência nos investimentos em priorização para o transporte público no espaço urbano e também para a ampliação de redes de trólebus e ônibus elétricos híbridos
ADAMO BAZANI – CBN
Apesar de os veículos de transporte coletivo a diesel por unidade poluírem mais que os carros movidos a gasolina e a etanol, pela capacidade de transportes de passageiros que o ônibus possuem, o transporte público sobre pneus pode significar uma redução importante nas emissões de poluentes que por ano, em São Paulo, por exemplo, matam de duas a três vezes mais que os próprios acidentes de trânsito.
Estudo realizado pela Fundação Hewlett, entidade internacional formada por estudiosos em meio ambiente e urbanização, feito especialmente pela SPTrans, São Paulo Transportes, gerenciadora do sistema da Capital Paulista, desde 2007, revela a necessidade urgente de mais incentivos para a operação de ônibus na cidade, com a criação de espaços exclusivos para a circulação do transporte coletivo e formas de incentivar as companhias de ônibus a oferecerem tarifas mais baixas para que mais pessoas se sintam estimuladas a deixar o carro em casa.
Usando como base a tecnologia de emissão de poluentes com base nas normas internacionais Euro III dos ônibus a diesel, que não é mais fabricada no Brasil, mas que ainda representa uma parcela significativa da frota, os resultados de emissão de gás carbônico por quilômetro percorrido por motoristas de carro e passageiros de ônibus mostram que é no transporte coletivo que está uma das principais atitudes em prol da saúde das pessoas e da preservação do meio ambiente.
Uma pessoa num carro grande, utilitário do tipo SUV, emite por quilômetro que percorre de 200 gramas a 250 gramas de CO2 – gás carbônico, sendo o veículo movido a gasolina.
Num carro a gasolina de médio porte, a emissão de gás carbônico a cada quilômetro percorrido por pessoa varia entre 150 e 200 gramas.
Levando em consideração uma lotação de apenas 44 pessoas, ou seja, somente usuários sentados, o deslocamento de passageiros de ônibus simples a diesel com tecnologia Euro III é responsável por emissões de 30 gramas a 40 gramas de gás carbônico, percorrendo o mesmo quilômetro.
E São Paulo não investe mais em trólebus não é por falta de aviso. De acordo com a Fundação Hewlett no estudo para a SPTrans, a emissão de gás carbônica por pessoa que anda de ônibus 100% elétricos é de menos 5 gramas por quilômetro. O ônibus em si não emite nenhum gás carbônico, mas é colocada na conta a geração da energia elétrica na fonte e até mesmo a respiração dos passageiros. O número é o mesmo dos passageiros do metrô e dos trens pesados.
Ainda de acordo com o estudo, em corredores e faixas simples, os ônibus convencionais a diesel, ainda com tecnologia Euro III, podem consumir cerca de 20% menos, o que significa também redução ainda maior de poluição por passageiro transportado.
Isso porque, sem o para e anda nos congestionamentos, os ônibus conseguem atingir um desempenho e uma velocidade maiores. E quanto melhor o desempenho, menor é a poluição. É em baixas rotações que o motor mais polui.
A maior utilização de ônibus elétricos híbridos, que possuem dois motores, um a combustão e outro elétrico, e a modernização dos corredores, com pontos de ultrapassagem e linhas expressas e semi-expressas, seguindo os padrões do BRT (Bus Rapid Transit) seriam, junto com o metrô e o trem pesados, a situação ideal não só para a mobilidade urbana, mas para a saúde diante das emissões de poluentes que poderiam ser reduzidas, aponta o estudo.
O ônibus híbrido, dependendo do material lançado no ar, pode reduzir entre 26% e 92% as emissões de poluentes, diz outra fundação internacional de estudo, Cimate Leadership Group.
De acordo com o Programa de Planejamento Energético da UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro, com o BRT TransOeste, que liga Santa Cruz a Barra da Tijuca, é possível reduzir 107 mil toneladas por ano a emissão de gás carbônico.
Todos os organismos internacionais e brasileiros de pesquisa são unânimes em dizer: o que falta agora para as cidades é colocar as mãos na obra. Capacidade técnica para a construção de corredores de ônibus modernos o País tem, nascendo aqui o BRT, sendo inspiração para o mundo inteiro. Ônibus a diesel menos poluentes que possuem melhor rendimento e seguem os padrões internacionais de redução de emissões, as fábricas brasileiras fazem e se tornaram referências mundiais. Ônibus elétricos híbridos e trólebus mais modernos, eficientes e mais baratos, devido ao nível de nacionalização dos veículos, também são realidades no Brasil.
Bastam as políticas públicas, incluindo mais incentivos fiscais para o transporte público e menos para os carros, além de espaços adequados para estes ônibus servirem o transporte e a saúde das pessoas.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

2 comentários em Confira a poluição gerada por passageiro em diferentes modais

  1. Amigos, boa noite

    PREVISÍVELLLLLLLLLLLLL

    Mais uma.

    “Relatório da Fundação Hewlett para a SPTrans mostra urgência nos investimentos em priorização para o transporte público no espaço urbano e também para a ampliação de redes de trólebus e ônibus elétricos híbridos.”

    Agora mais uma pergunta PREVISÍVELLLLL:

    QUANTO CUSTOU ESSE RELATÓRIO ?????

    Foi contratado por licitação ?

    Se todo passageiro sabe disso, a fiscalizadora não sabia ?

    $$$$$$abiaaaaaaaaaaaaa.

    Att,

    Paulo Gil

  2. soy de venezuela quisiera optener carros

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: