Cooperativas de transportes de São Paulo continuam caixas pretas protegidas pela lei

ônibus

Veículo de cooperativa. Faturamento continuará sendo caixa preta, já que lei desobriga cooperativas de divulgar seus dados contábeis por em tese, se tratarem de finanças pessoais, mas na prática, há cooperados que são verdadeiros frotistas.

Cooperativas continuam sendo caixas pretas
Apenas empresas são obrigadas a divulgar os balanços.
ADAMO BAZANI – CBN
As empresas de ônibus na Capital Paulista, incluindo 17 companhias e oito consórcios, tiveram lucro líquido de R$ 152,5 milhões em 2012, já descontados todos os custos, como impostos, manutenção, compra de ônibus e folhas de pagamento.
Esse número equivale, de acordo com a Secretaria Municipal de Transportes de São Paulo, uma média de 4,56% das receitas recebidas, ou seja, um percentual abaixo dos 6,78% de lucros previstos para as companhias pela Prefeitura.
O número é uma média, sendo que há consórcios e empresas que lucram mais e outros lucram menos.
A média menor, no entanto, mostra que a eficiência do sistema de ônibus de São Paulo poderia ser melhor.
Alguns gastos, como de óleo diesel e pneus foram acima do esperado. Parte se deve à forma de gestão de tráfego de cada empresa e também à falta de prioridade ao transporte coletivo no espaço urbano. Os ônibus, com poucos corredores, têm feito menos viagens e gastando mais insumos.
Outra prova de que a prioridade ao transporte coletivo faz com que os custos diminuam e as passagens também sejam menores.
De toda a forma, de acordo com a SPTrans, os números revelam que de maneira geral as empresas possuem capacidade de pagar suas dívidas de curto e médio prazo.
COOPERATIVAS NÃO SÃO OBRIGADAS A DETALHAR LUCROS:
Mas uma grande parte dos recursos movimentados no sistema de transportes, a população vai ficar sem o direito de saber.
Isso porque, segundo a Secretaria de Transportes, por lei, as cooperativas de transportes não são obrigadas a divulgar lucros e arrecadações.
O fato é preocupante pelo fato de as cooperativas transportarem uma grande parcela dos passageiros em São Paulo.
Ontem, o Blog Ponto de Ponto de Ônibus divulgou que as cooperativas estão entre as operadoras com maior demanda de passageiros (http://blogpontodeonibus.wordpress.com/2013/07/18/cooperativas-entre-as-linhas-de-maior-demanda/ ).
Na semana passada, nossa reportagem mostrou que a média de passageiros por veículo das cooperativas é maior que das empresas de ônibus.
Em 2012, a frota de cooperativas transportou 211 mil 754 passageiros por veículo enquanto as empresas de ônibus transportaram em média 183 mil 156 passageiros por carro.
Em números absolutos, no entanto, as companhias ainda atendem mais pessoas. Dos 2 bilhões 916 milhões 954 mil 960 atendimentos no ano passado, 1 bilhão 647 milhões 064 mil 166 foram por parte das viações no sistema estrutural e 1 bilhão 269 milhões 890 mil 794 foram atendimentos no sistema local, das cooperativas.
A lei se baseia no fato de os números de lucros de cooperativas se referirem teoricamente a finanças pessoais, já que cada cooperado tem seu veículo.
Mas na prática, em São Paulo, isso não ocorre. Há cooperativas com mais estrutura que as empresas e muitos cooperados são verdadeiros frotistas, com dezenas de ônibus, registrados em nome próprio e em nome de parentes ou laranjas.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transporte

3 comentários em Cooperativas de transportes de São Paulo continuam caixas pretas protegidas pela lei

  1. Isso se aplica no Pq Sao Rafael, a linha 3023-10 leva mais passageiros qaue a 372R, pelo menos no pq. Porem a 3023 que tem intervalo curto, no domingo, vem de 9 em 9 minutos, nao entra no Term. Sao Mateus, ja a 372R que tem alto intervalo, entra nele. Somos muito prejudicados, a Sptrans nao da atencao as cooperativas exemplo de varias linhas 3390-10, 3391-10 3391-31 saem do Termi Sao Mateus pro Pq dom pedro e fazem quase o mesmo caminho, pq nao juntam ela em uma 3390-10 Term Sao Mateus Pq dom Pedro (Via Av Estado, Anhaia Melo, Sapopemba, Av Dianopolis, Av Arno, R Cap Pacheco e Chaves, ) isso liberaria espaco no terminal, darua ate para colocar a 5109-41 e 5109-51 no terminal sao mateus

  2. Graças a dona Marta essas merda de cooperativa não pode ser mexidas e pra variar o sr. Haddad vai dar mais espaço a elas !!! faça me o favor acabem com essas cooperativas que só tem bandidos no meio..

  3. Adamo, bom dia

    Muito interessante essa matéria e a partir dela pode-se tirar muitas conclusões e até novos indicadores e novas ideias para o transporte de Sampa e la futura licitação.

    Basta usar a massa encefálica.

    Quanto aos números, de “bate pronto”, está claro que as cooperativas estão prestando melhores serviços seja lá qual o motivo for (penso que o primeiro é a agilidade), esse é um belo indicador.

    Quando sugeri a SPTrans a criação da 7725-10, escrevi na carta para usar micros, no sistema Vapt Vupt, mas você sabe né, as raízes da CMTC não deixam, e ai tome Buzão lento de motor traseiro nas subidas da Vila Madalena.

    E cooperativa é micro, micrão e pau na máquina é isso que o passageiro precisa.

    Se um dia você tiver perto do Metro Vila Madalena, veja o 7725 subindo o ladeirão é um sofrimento.

    Mas é isso ai, empresas abram os olhos.

    Lembra quem ajudou a acabar com os bancos duros de fibra, foram os perueiros com suas Sprinter´s macias e com bancos macios.

    Mas como dizem que os brasileiros têm memória curta…

    Essa matéria sinaliza que mais uma vez os ex perueiros, estão monstrando competência e como se faz transporte de Buzão.

    Parabéns Cooperativas.

    Att,

    Paulo Gil
    “Buzão e emoção essa é a nossa Paixão”

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: